Pular para o conteúdo principal

Lava Jato Rio pede o impedimento de Gilmar Mendes



Imagem: Carlos Humberto / STF





















O Ministério Público Federal, no Rio, enviou à Procuradoria-Geral da República um 
ofício para ser analisado um pedido de impedimento ou suspeição do ministro
 Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF) em processos envolvendo 
o ex-presidente da Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ) 
Orlando Diniz. O empresário é réu acusado pela força-tarefa da Lava Jato, no Rio, por 
corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

As informações foram divulgadas pela Procuradoria nesta quarta-feira, 6.

Na sexta-feira, 1, Gilmar Mendes mandou soltar Orlando Diniz. O ex-presidente 
da  Fecomércio estava preso desde fevereiro pela Lava Jato.

Para os procuradores da força-tarefa e do Núcleo Criminal de Combate à Corrupção do
 MPF na 2ª Região (RJ/ES), as investigações sobre Diniz revelaram fatos que 
evidenciam a eventual suspeição ou impedimento do ministro do STF.

Até ser preso por ordem da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro em fevereiro,
 Diniz presidia há cerca de 20 anos a Fecomércio-RJ, cuja quebra de sigilo fiscal revelou 
um pagamento de R$ 50 mil, feito em 2016, em benefício do Instituto Brasiliense de
 Direito Público, que tem o ministro como um dos sócios-fundadores. O instituto controlado
 por sua família teve uma série de eventos apoiados por patrocínio da Federação presidida
 por Diniz. Dos eventos do IDP de 2015 até 2017, pelo menos três foram patrocinados 
pela Fecomércio-RJ: um no Rio de Janeiro e dois em Lisboa.

No ofício à procuradora-geral da República, Raquel Dodge, responsável por entrar com 
pedidos como esse, é citado que Mendes se declarou impedido em processo sobre questões
 patrimoniais com a Fecomércio como parte e o escritório de advocacia Sérgio 
Bermudes como representante legal. Em reportagem de jornal, o ministro informou 
por nota que se declarava impedido para atuar em três casos onde havia a atuação daquele
 escritório de advocacia.

“A propósito, parece absolutamente despropositado e irrazoável que uma mesma causa de
 impedimento de magistrado incida em processo de natureza civil, em que questões de ordem
 patrimonial são objeto da lide, e não se aplique em processo de natureza penal, onde em
 jogo o direito fundamental à liberdade e o dever do Estado na repressão a crimes graves,
 na espécie a corrupção e a lavagem de dinheiro. Em outras palavras, não se reconhece na 
ordem jurídica pátria a figura do juiz ‘relativamente impedido’”, afirmam os procuradores 
do MPF/RJ e MPF na 2ª Região.

Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.