Pular para o conteúdo principal

Lula e Pelé são ouvidos como testemunhas de defesa de Sérgio Cabral e Carlos Nuzman



Cabral e Nuzman são réus na Operação Unfair Play, desdobramento da Lava Jato. A ação apura a compra de votos para a cidade do Rio sediar os Jogos Olímpicos em 2016



Por O Dia





Pelé e Lula prestam depoimento como testemunhas de defesa de Cabral e Nuzman, réus na operação Unfair Play - Montagem sob fotos de Gisele Berthier e Alexandre Brum / Parceira e Agência O Dia



Rio - O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva e Pelé serão ouvidos nesta terça-feira como testemunhas de defesa Sérgio Cabral e Carlos Arthur Nuzman, ex-presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), respectivamente. Ambos são réus na Operação Unfair Play, desdobramento da Lava Jato. A ação apura a compra de votos para a cidade do Rio sediar os Jogos Olímpicos em 2016.


Esta é a primeira declaração de Lula desde o dia 7 de abril, quando se entregou em São Paulo e foi conduzido para a Polícia Federal em Curitiba, no Paraná, onde está preso numa sala especial. A audiência do ex-presidente da República, conduzida pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, acontece através de videoconferência e começou por volta das 10h15. Ele usa uma gravata verde e amarela: "É da conquista das Olimpíadas", gabou-se.

Antes do início da audiência, Cabral pediu para falar com Lula e desejar pêsames pela morte de Marisa. "Vou aproveitar que minha família está aqui. Estava preso quando Dona Marisa faleceu, então a transmissão dos meus sentimentos. Meu abraço ao senhor, da Adriana, meu e dos meus filhos", disse, com os olhos marejados. No início do depoimento, Lula falou que não tem relação de amizade com os réus e que não conhece Arthur Soares, o "Rei Arthur". O ex-presidente disse que operação Fair Play é resultado de um "denuncismo" que vivemos atualmente.

"Só lamento que venha denúncia de compra de delegado oito anos depois. Não sei quem fez, não quero saber, não quero conhecer. (...) Eu não sei qual é o critério para alguém que diz que foi trapaça. Esse senhor não deve conhecer nada", falou.

De acordo com a denúncia, o ex-governador, o ex-presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB) De acordo com a denúncia, o ex-governador, o ex-presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB) Arthur Nuzman e o diretor de operações e marketing do COB Leonardo Gryner solicitaram diretamente ao empresário Arthur Soares propina de US$ 2 milhões para os senegaleses Papa Diack e Lamine Diack. O valor garantiria votos para o Rio.Arthur Nuzman e o diretor de operações e marketing do COB Leonardo Gryner solicitaram diretamente ao empresário Arthur Soares propina de US$ 2 milhões para os senegaleses Papa Diack e Lamine Diack. O valor garantiria votos para o Rio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…