Pular para o conteúdo principal

Ministério do Trabalho anula parecer que avalizava volta do imposto sindical


Imagem: Joel Silva / Folhapress



















Sob novo comando, a Secretaria de Relações do Trabalho, do Ministério do Trabalho (MTE)
, voltou atrás e anulou a nota técnica em que defendia a cobrança do imposto sindical 
de todos os trabalhadores de uma categoria após a aprovação em assembleia.

O despacho do secretário Eduardo Anastasi foi publicado no DOU (Diário Oficial da União) 
de 1º de junho e torna sem efeito a Nota Técnica nº 2/2018.

A obrigatoriedade do imposto sindical foi extinta com a reforma trabalhista, em vigor
 desde novembro. Pelo entendimento da nova lei, o imposto só pode ser cobrado do 
trabalhador que der autorização prévia e expressa para o recolhimento.
A nota de março, assinada pelo então secretário Carlos Cavalcante Lacerda, no
 entanto, defendia a cobrança do imposto sindical de todos os trabalhadores de 
uma categoria após a aprovação em assembleia.

“Sem a contribuição, pequenos sindicatos não vão sobreviver. A nota pode ser usada
 para os sindicatos embasarem o entendimento de que a assembleia é soberana”,
 afirmou Lacerda à Folha de S. Paulo na época, relatando que mais de 80 sindicatos
 solicitaram a manifestação da secretaria sobre o assunto.

Após a emissão da nota, Lacerda foi exonerado do cargo. À Folha de S. Paulo, disse
 que já havia solicitado a exoneração para concorrer como deputado federal nas eleições 
de outubro. Lacerda é ligado à Força Sindical e filiado ao Solidariedade, partido do
 deputado federal Paulinho da Força (SD-SP).

"Com a publicação do despacho de sexta-feira, o Ministério do Trabalho confirma a posição
 de que o desconto da contribuição depende da autorização de cada trabalhador, conforme 
previsto no inciso XXVI do artigo 611-B da CLT. O artigo trata de direitos do trabalhador que 
não podem ser tirados ou reduzidos por meio de assembleia de categoria, incluindo o de 'não 
sofrer, sem sua expressa e prévia anuência, qualquer cobrança ou desconto salarial 
estabelecidos em convenção coletiva ou acordo coletivo de trabalho'", escreveu o MTE em nota.

O TST (Tribunal Superior do Trabalho) proibiu o desconto do imposto sindical de trabalhadores
 ao reverter decisões de instâncias inferiores a favor do recolhimento do tributo sem a
 autorização do empregado.

Até 16 de maio, a Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho havia atendido, em caráter
 provisório (liminar), a 33 pedidos de empresas para suspender efeitos de decisões que as
 obrigavam a recolher a contribuição para os sindicatos. 

Também em maio, o vice-presidente do TST, Renato de Lacerda Paiva, aceitou um acordo
 que previa o recolhimento de contribuição sindical equivalente a meio dia de trabalho dos 
empregados. 

Chamada de "cota negocial", a arrecadação foi prevista no acordo coletivo negociado entre o
 Stefem (Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias dos Estados do Maranhão, 
Pará e Tocantins) e a gigante mineradora Vale.

"Existe uma série de precedentes no TST com o entendimento de que qualquer contribuição 
estabelecida no âmbito de assembleia só seria obrigatória para empregados filiados ao 
sindicato, até como uma forma de defender a liberdade de associação. No entanto, já começam a
 surgir alguns posicionamentos   na Justiça do Trabalho e no Ministério Público do Trabalho
 divergentes,
ou seja, a matéria volta a se tornar controvertida", avalia o advogado Roberto Baronian, do
 Granadeiro Guimarães 
Advogados.

A ministra Cármen Lúcia marcou julgamento no STF (Supremo Tribunal Federal) 
sobre a constitucionalidade da contribuição sindical para 28 de junho, uma quinta-feira. 

"O STF vai decidir sobre a validade formal da lei. Se disser que é inconstitucional, volta a regra 
anterior de contribuição obrigatória. Se entender que é constitucional, então será preciso decidir sobre
 essa questão da abrangência da assembleia, mas isso vai levar um tempo, até chegar a tribunais
 superiores", diz Baronian.

João Carlos Gonçalves, o Juruna, secretário-geral da Força Sindical, afirma que a contribuição
 tem sua própria legislação "e que está na mão do [ministro do STF Edson] Fachin para ser avaliada
" Ele se refere às ADIs (ações diretas de inconstitucionalidade) ajuizadas contra a contribuição sindical 
voluntária, das quais Fachin é relator.

Em despacho publicado no fim de maio, o ministro afirmou que o fim do imposto 
sindical obrigatório é "grave e repercute, negativamente, na esfera jurídica dos trabalhadores”.

A maior parte do movimento sindical, no entanto, diz Juruna, quer a regulamentação 
da contribuição assistencial, que é definida em assembleia e inscrita na convenção coletiva. 
"Essa é, em termos de valor no orçamento de cada sindicato, muito mais prioritária", afirma.

Folha Politica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…