Pular para o conteúdo principal

Ministério do Trabalho anula parecer que avalizava volta do imposto sindical


Imagem: Joel Silva / Folhapress



















Sob novo comando, a Secretaria de Relações do Trabalho, do Ministério do Trabalho (MTE)
, voltou atrás e anulou a nota técnica em que defendia a cobrança do imposto sindical 
de todos os trabalhadores de uma categoria após a aprovação em assembleia.

O despacho do secretário Eduardo Anastasi foi publicado no DOU (Diário Oficial da União) 
de 1º de junho e torna sem efeito a Nota Técnica nº 2/2018.

A obrigatoriedade do imposto sindical foi extinta com a reforma trabalhista, em vigor
 desde novembro. Pelo entendimento da nova lei, o imposto só pode ser cobrado do 
trabalhador que der autorização prévia e expressa para o recolhimento.
A nota de março, assinada pelo então secretário Carlos Cavalcante Lacerda, no
 entanto, defendia a cobrança do imposto sindical de todos os trabalhadores de 
uma categoria após a aprovação em assembleia.

“Sem a contribuição, pequenos sindicatos não vão sobreviver. A nota pode ser usada
 para os sindicatos embasarem o entendimento de que a assembleia é soberana”,
 afirmou Lacerda à Folha de S. Paulo na época, relatando que mais de 80 sindicatos
 solicitaram a manifestação da secretaria sobre o assunto.

Após a emissão da nota, Lacerda foi exonerado do cargo. À Folha de S. Paulo, disse
 que já havia solicitado a exoneração para concorrer como deputado federal nas eleições 
de outubro. Lacerda é ligado à Força Sindical e filiado ao Solidariedade, partido do
 deputado federal Paulinho da Força (SD-SP).

"Com a publicação do despacho de sexta-feira, o Ministério do Trabalho confirma a posição
 de que o desconto da contribuição depende da autorização de cada trabalhador, conforme 
previsto no inciso XXVI do artigo 611-B da CLT. O artigo trata de direitos do trabalhador que 
não podem ser tirados ou reduzidos por meio de assembleia de categoria, incluindo o de 'não 
sofrer, sem sua expressa e prévia anuência, qualquer cobrança ou desconto salarial 
estabelecidos em convenção coletiva ou acordo coletivo de trabalho'", escreveu o MTE em nota.

O TST (Tribunal Superior do Trabalho) proibiu o desconto do imposto sindical de trabalhadores
 ao reverter decisões de instâncias inferiores a favor do recolhimento do tributo sem a
 autorização do empregado.

Até 16 de maio, a Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho havia atendido, em caráter
 provisório (liminar), a 33 pedidos de empresas para suspender efeitos de decisões que as
 obrigavam a recolher a contribuição para os sindicatos. 

Também em maio, o vice-presidente do TST, Renato de Lacerda Paiva, aceitou um acordo
 que previa o recolhimento de contribuição sindical equivalente a meio dia de trabalho dos 
empregados. 

Chamada de "cota negocial", a arrecadação foi prevista no acordo coletivo negociado entre o
 Stefem (Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias dos Estados do Maranhão, 
Pará e Tocantins) e a gigante mineradora Vale.

"Existe uma série de precedentes no TST com o entendimento de que qualquer contribuição 
estabelecida no âmbito de assembleia só seria obrigatória para empregados filiados ao 
sindicato, até como uma forma de defender a liberdade de associação. No entanto, já começam a
 surgir alguns posicionamentos   na Justiça do Trabalho e no Ministério Público do Trabalho
 divergentes,
ou seja, a matéria volta a se tornar controvertida", avalia o advogado Roberto Baronian, do
 Granadeiro Guimarães 
Advogados.

A ministra Cármen Lúcia marcou julgamento no STF (Supremo Tribunal Federal) 
sobre a constitucionalidade da contribuição sindical para 28 de junho, uma quinta-feira. 

"O STF vai decidir sobre a validade formal da lei. Se disser que é inconstitucional, volta a regra 
anterior de contribuição obrigatória. Se entender que é constitucional, então será preciso decidir sobre
 essa questão da abrangência da assembleia, mas isso vai levar um tempo, até chegar a tribunais
 superiores", diz Baronian.

João Carlos Gonçalves, o Juruna, secretário-geral da Força Sindical, afirma que a contribuição
 tem sua própria legislação "e que está na mão do [ministro do STF Edson] Fachin para ser avaliada
" Ele se refere às ADIs (ações diretas de inconstitucionalidade) ajuizadas contra a contribuição sindical 
voluntária, das quais Fachin é relator.

Em despacho publicado no fim de maio, o ministro afirmou que o fim do imposto 
sindical obrigatório é "grave e repercute, negativamente, na esfera jurídica dos trabalhadores”.

A maior parte do movimento sindical, no entanto, diz Juruna, quer a regulamentação 
da contribuição assistencial, que é definida em assembleia e inscrita na convenção coletiva. 
"Essa é, em termos de valor no orçamento de cada sindicato, muito mais prioritária", afirma.

Folha Politica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

Justiça condena Juca Kfouri a pagar R$ 30 mil a Bolsonaro

A 26ª Câmara Cível do Rio determinou que Juca Kfouri e a ESPN paguem indenização de R$ 30 mil, mais correção e juros, por dano moral a Jair Bolsonaro, informa a Veja.

O presidenciável, porém, terá de indenizar o jornalista em R$ 6.000.

O caso começou em 2016, quando Kfouri criticou o comportamento de dois torcedores do Fluminense, comparando-os a torturadores e dizendo que deviam ser apoiadores de Bolsonaro.



Em resposta, o deputado gravou um vídeo com a camisa do Fluminense em que dizia que o jornalista estava “merecendo levar uns tabefes pra aprender a ser homem”.

Em seguida, Bolsonaro entrou com a ação por dano moral, alegando que na vida militar jamais participou de tortura. Na defesa, Kfouri negou ofensa à honra do hoje presidenciável.

RedeTV retirou o púlpito vazio de Lula por exigência de Bolsonaro

O púlpito vazio de Lula foi retirado pela RedeTv, após protesto de Jair Bolsonaro, que ameaçou não participar do debate.

 A Emissora consultou os demais concorrentes que concordaram segundo Igor Gadelha, da Crusoé.

 Diante dessa situação constrangedora, Bolsoanro tem moral mesmo sem ser o presidente, mas pode ser ainda no primeiro turno.