Pular para o conteúdo principal

Moro mantém bens de Lula bloqueados e alega suspeita com palestras

Imagem: Edilson Dantas / Ag. O Globo

















O juiz Sergio Moro negou a liberação de metade dos valores do ex-presidente Lula bloqueados 
na Justiça. A defesa do petista havia pedido para que fosse retomada pelos familiares a
 administração dos bens bloqueados pertencentes à ex-primeira-dama Marisa Letícia, 
morta em fevereiro de 2017, equivalentes a 50% dos bens bloqueados na Justiça
 devido ao seu casamento com Lula.


Segundo Moro, porém, a origem dos ativos financeiros bloqueados não foi totalmente 
esclarecida. O juiz disse que eles, aparentemente, podem ter por origem valores recebidos 
pelo petista pela realização de palestras.

Além de R$ 600 mil bloqueados em sua conta bancária, Lula teve bloqueados R$ 7 
milhões no seu plano de previdência empresarial vinculados à sua empresa de palestras, 
a LILS, e R$ 1,8 milhão em um plano de previdência individual em seu nome.

"Ocorre que, como afirmado pelo MPF nos autos do sequestro, há alguma suspeita de 
que pelo menos parte das palestras concedidas por Luiz Inácio Lula da Silva teriam sido
 superfaturadas como forma de repasse a ele de vantagem indevidas", disse.

De acordo com o juiz, embora qualquer conclusão seja prematura, há suspeita de
 que os ativos financeiros foram formados por recursos ilíticos e, portanto, os valores não
 poderiam ser divididos entre o que seria direito ao espólio da ex-primeira-dama.

"Assim, também por este motivo, e até que essas questões sejam esclarecidas, não é 
viável a liberação de metade dos ativos financeiros bloqueados", determinou Moro.

Na decisão, o juiz também indicou que os veículos de Lula poderão ser liberados mediante
 o depósito de metade de seu valor.

Politica na rede

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda. países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola Guiné equatorial Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R4 2 Bilhões na Ilha que ficou mais conmhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões.Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

Justiça condena Juca Kfouri a pagar R$ 30 mil a Bolsonaro

A 26ª Câmara Cível do Rio determinou que Juca Kfouri e a ESPN paguem indenização de R$ 30 mil, mais correção e juros, por dano moral a Jair Bolsonaro, informa a Veja.

O presidenciável, porém, terá de indenizar o jornalista em R$ 6.000.

O caso começou em 2016, quando Kfouri criticou o comportamento de dois torcedores do Fluminense, comparando-os a torturadores e dizendo que deviam ser apoiadores de Bolsonaro.



Em resposta, o deputado gravou um vídeo com a camisa do Fluminense em que dizia que o jornalista estava “merecendo levar uns tabefes pra aprender a ser homem”.

Em seguida, Bolsonaro entrou com a ação por dano moral, alegando que na vida militar jamais participou de tortura. Na defesa, Kfouri negou ofensa à honra do hoje presidenciável.

RedeTV retirou o púlpito vazio de Lula por exigência de Bolsonaro

O púlpito vazio de Lula foi retirado pela RedeTv, após protesto de Jair Bolsonaro, que ameaçou não participar do debate.

 A Emissora consultou os demais concorrentes que concordaram segundo Igor Gadelha, da Crusoé.

 Diante dessa situação constrangedora, Bolsoanro tem moral mesmo sem ser o presidente, mas pode ser ainda no primeiro turno.