Pular para o conteúdo principal

No auge da crise, Temer se sentiu só e externou angústia a aliados

O presidente em seu labirinto Acostumado a racionalizar crises ao limite, Michel Temer deu-se o direito de externar tristeza e angústia a aliados próximos nos primeiros dias desta semana, quando havia o receio de que seu governo sucumbisse ao levante dos caminhoneiros. Sem suporte dos chefes do Legislativo e do Supremo, e com os governadores concentrados em resolver os próprios problemas, viu-se contra a parede e isolado. Em desabafos, chegou a indagar se mais ninguém percebia que o momento requeria união.
Com juros A deterioração da influência do emedebista no Congresso –reflexo do uso do capital político para barrar as duas denúncias de que foi alvo– cobrou um preço alto. Temer chegou a recorrer a falas emocionais, evocando o risco de a economia e a democracia ruírem com a paralisação.
Como rocha Segundo auxiliares, no auge da crise, o presidente contou especialmente com três escudeirosEliseu Padilha (Casa Civil), Raul Jungmann (Segurança) e Sergio Etchegoyen (Gabinete de Segurança Institucional).
Cerco fechado O governo foi pressionado em várias frentes. Na manhã de terça (29), a advogada-geral da União, Grace Mendonça, contou que havia sido cobrada pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF.
Ordem dada Grace relatou ao Planalto que Moraes solicitara a apresentação dos resultados das ações desencadeadas pela liminar que determinou a desobstrução das rodovias.
Sufoco O ministro do STF havia dado prazo de 24 horas para o governo entregar algum material, mas a Polícia Rodoviária Federal não havia nem sequer enviado os dados brutos à AGU. “Levo ainda hoje, pessoalmente, ao seu gabinete”, disse Jungmann a Grace. À noite, a primeira leva de notificações foi enviada ao Supremo.
De grão em grão A AGU enviou nova lista de empresas que infringiram a ordem do STF na quarta (30). Há projeção que apontam que, ao final de todo o processo, as sanções possam somar R$ 1 bilhão.
Vá na frente Um gesto do senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) espelha o isolamento de Temer. Convidado para o ato da Assembleia de Deus do qual o presidente participou nesta quinta (31), esperou o emedebista sair para aparecer.
Começa em casa O Criança Feliz, que tem a primeira-dama Marcela Temer como embaixadora, também entrou no corte de despesas que o governo fez para compensar a queda no preço do diesel. O programa perdeu R$ 3,9 milhões de seu orçamento.
Não se bicam A aparição de João Doria, pré-candidado do PSDB ao governo de SP, ao lado de Flávio Rocha, o presidenciável do PRB, nesta quinta (31), na Marcha para Jesus, provocou uma troca de farpas entre quadros da legenda.
Ele pode? Um aliado de Geraldo Alckmin, o aspirante ao Planalto do PSDB, enviou fotos de Doria e Rocha no evento ao presidente da sigla em SP, Pedro Tobias (SP), com uma provocação: “Está certo isso? (…) Cabe expulsão?”. O texto ironizava as permanentes cobranças no tucanato de fidelidade ao palanque do ex-prefeito no estado.
Respiro Alckmin aproveitou o feriado para passar um dia em Pindamonhangaba (SP), sua cidade natal. No sábado, grava programas para a pré-campanha na internet.
Congestionado Henrique Meirelles, nome do MDB para o Planalto, foi aconselhado a, sempre que possível, marcar posição como alternativa aos extremos da direita e da esquerda. Ele vai intensificar as mensagens de comunicação para o MDB.
Morro acima Meirelles ainda precisa ser chancelado candidato na convenção do partido, em julho. A ordem é reforçar a tese de que ele é um outsider que pode dar certo e até limpar a imagem da sigla. Neste mês, vai visitar diversos diretórios estaduais.
Check in A equipe do emedebista programou visitas a sete estados: RS, MG, BA, PA, PE e SC.


TIROTEIO
A greve trouxe de volta o que há de pior nas nossas escolhas públicas e deixou de herança mais uma conta para a sociedade
Da economista Ana Carla Abrão, sobre o impacto da paralisação dos caminhoneiros nas contas públicas e na retomada do crescimento

Folha de São Paulo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.