Pular para o conteúdo principal

'O PT vai utilizar as eleições para fazer a defesa do Lula’, diz ex-tesoureiro da campanha de Dil


Imagem: Gabriela Biló / Estadão
























O PT precisa deixar mais claro internamente e para possíveis aliados que vai usar 
as eleições deste ano para fazer dois movimentos distintos e simultâneos. 
O primeiro e mais importante é a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da 
Silva, condenado e preso na Lava Jato. O segundo é eleitoral. A avaliação é do
 prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT).


Ex-ministro da Comunicação Social, Edinho é o primeiro petista de alto escalão a
 verbalizar que, para a sigla, a defesa de Lula é mais importante do que ganhar as
 eleições. A partir do momento em que isso ficar claro, ele avalia que os aliados 
vão entender e o ambiente na esquerda será pacificado em prol de Lula.


Qual a sua avaliação sobre a tática do PT de manter a candidatura do ex-presidente
 até o fim?
Penso que não há outro caminho do que o PT usar, de forma pensada e dialogada
 internamente, com os aliados e com a sociedade, a campanha eleitoral como o 
momento ímpar de defesa do legado Lula, que é maior do que o próprio Lula. 
Usar o momento eleitoral para que a defesa seja feita não é um erro, mas tem que
 ficar muito claro para os aliados e a sociedade.


Está havendo esse diálogo?
Estou muito afastado das instâncias de direção, mas nas oportunidades que tive de
 diálogo vi que começa a clarear a percepção de que isso tem que ser feito abertamente.
 Significa que o PT estará abrindo mão de ganhar as eleições? Não.
Ganhar as eleições é importante para a retomada de um projeto nacional, mas não pode
 ser omitido que o momento é especial para a defesa do legado do Lula. O PT não está
 errado se escolher este caminho, mas isso não pode contaminar o movimento maior do 
qual o PT tem de participar, ter a capacidade de aglutinar forças políticas partidárias e 
uma articulação mais ampla do que os próprios partidos.


O PT deve priorizar a defesa de Lula no processo eleitoral?
Não tenho nenhuma dúvida. Mas penso que este movimento tem de ser racional, 
construído coletivamente e debatido com a sociedade. O PT vai manter a candidatura 
do Lula porque é a única forma de fazer a defesa dele e do legado dele. Dizer ‘olha, nós
 vamos usar as eleições para que este debate seja feito’ não está errado, mas tem de ser
 feito de forma muito clara: o PT quer ganhar as eleições, mas quer usar as eleições para 
fazer este debate.
O que me preocupa? Temos que ser capazes de fazer um movimento maior do que o 
eleitoral, sem que uma coisa contamine a outra. O centro é a defesa do Lula e lá na 
frente se o Lula for inviabilizado o PT decide o passo seguinte.


É um movimento mais político do que eleitoral?
É muito difícil separar neste momento. Se ele vai ser limitado do ponto de vista eleitoral 
é o embate político e jurídico que dirá.


Este movimento atrapalha a relação com os aliados?
Tem contaminações. Várias turbulências criadas no último período podem ser evitadas 
se isso for debatido de forma mais clara.


Por exemplo?
No movimento mais amplo de construção de um campo democrático, não há porque
 ficarmos criando atritos ou polêmica com Ciro Gomes (pré-candidato do PDT). 
Ele é um personagem importante para este movimento mais amplo e, se nós dialogarmos
 sobre qual o papel que o PT vai cumprir neste processo eleitoral, tenho certeza que 
ele vai compreender, assim como o Guilherme Boulos (PSOL) e a 
Manuela (D'Ávila, do PCdoB).
Eles vão entender que o PT vai utilizar as eleições para fazer a defesa do Lula. 
Não vai haver falsas polêmicas, falsos embates, se dissermos a eles que no 
momento certo estaremos juntos na disputa, mas queremos construir com eles 
algo mais amplo.


Essa estratégia não prejudica o PT? O governador do Ceará, Camilo Santana, 
disse que o PT não pode ir para o “isolamento suicida”.
Eu entendo e concordo com o Camilo. O PT não pode ir para o isolamento.
 Por isso, entendo que precisamos construir um campo maior do que o processo
 eleitoral. Isso definitivamente nos tira do isolamento e deixa claro para a sociedade,
 para o Camilo, para o Rui (Costa, governador da Bahia), para o Wellington
 (Dias, do Piauí), para o Tião (Vianna, do Acre) e para o (Fernando) Pimentel
(de Minas Gerais) qual é o papel das eleições para nós neste momento.
Deixar claro para os nossos governadores o que nós queremos do processo eleitoral 
neste momento, porque é tão importante para o PT tratar como centro do debate a
 defesa do Lula. E deixar claro que vamos tentar construir uma vitória eleitoral que,
 se não for nossa, seja de algum aliado.


O sr. considera correta a forma como o PT se relacionou com seus grandes
 doadores?
Todos estes episódios mostraram que ruiu o sistema eleitoral. Penso que depois de
 quatro anos precisamos pensar na retomada da estabilidade política e nas reformas 
que precisam ser feitas, principalmente a eleitoral.
Porque este modelo se tornou totalmente contraditório com o que queremos.
 O erro que o PT cometeu foi ter reproduzido o mesmo sistema eleitoral. 
Portanto, cometeu o mesmo erro que todos os outros partidos. Fica estranho aos
 olhos da sociedade a subjetividade na interpretação da lei. Isso enfraquece o 
Judiciário.


O sr. é alvo de processo criminal na Lava Jato. Teme essa “subjetividade”?
Tudo que sofri de acusação foi do período em que ocupei o cargo de tesoureiro da
 campanha (de Dilma Rousseff em 2014). Nunca participei de nenhuma reunião 
envolvendo a Petrobrás. Então, se a acusação contra o (ex-governador Geraldo) 
Alckmin (PSDB) é eleitoral, a minha é muito mais. Só que a dele está na Justiça 
Eleitoral e a minha está na Criminal.

Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.