Pular para o conteúdo principal

'O PT vai utilizar as eleições para fazer a defesa do Lula’, diz ex-tesoureiro da campanha de Dil


Imagem: Gabriela Biló / Estadão
























O PT precisa deixar mais claro internamente e para possíveis aliados que vai usar 
as eleições deste ano para fazer dois movimentos distintos e simultâneos. 
O primeiro e mais importante é a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da 
Silva, condenado e preso na Lava Jato. O segundo é eleitoral. A avaliação é do
 prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT).


Ex-ministro da Comunicação Social, Edinho é o primeiro petista de alto escalão a
 verbalizar que, para a sigla, a defesa de Lula é mais importante do que ganhar as
 eleições. A partir do momento em que isso ficar claro, ele avalia que os aliados 
vão entender e o ambiente na esquerda será pacificado em prol de Lula.


Qual a sua avaliação sobre a tática do PT de manter a candidatura do ex-presidente
 até o fim?
Penso que não há outro caminho do que o PT usar, de forma pensada e dialogada
 internamente, com os aliados e com a sociedade, a campanha eleitoral como o 
momento ímpar de defesa do legado Lula, que é maior do que o próprio Lula. 
Usar o momento eleitoral para que a defesa seja feita não é um erro, mas tem que
 ficar muito claro para os aliados e a sociedade.


Está havendo esse diálogo?
Estou muito afastado das instâncias de direção, mas nas oportunidades que tive de
 diálogo vi que começa a clarear a percepção de que isso tem que ser feito abertamente.
 Significa que o PT estará abrindo mão de ganhar as eleições? Não.
Ganhar as eleições é importante para a retomada de um projeto nacional, mas não pode
 ser omitido que o momento é especial para a defesa do legado do Lula. O PT não está
 errado se escolher este caminho, mas isso não pode contaminar o movimento maior do 
qual o PT tem de participar, ter a capacidade de aglutinar forças políticas partidárias e 
uma articulação mais ampla do que os próprios partidos.


O PT deve priorizar a defesa de Lula no processo eleitoral?
Não tenho nenhuma dúvida. Mas penso que este movimento tem de ser racional, 
construído coletivamente e debatido com a sociedade. O PT vai manter a candidatura 
do Lula porque é a única forma de fazer a defesa dele e do legado dele. Dizer ‘olha, nós
 vamos usar as eleições para que este debate seja feito’ não está errado, mas tem de ser
 feito de forma muito clara: o PT quer ganhar as eleições, mas quer usar as eleições para 
fazer este debate.
O que me preocupa? Temos que ser capazes de fazer um movimento maior do que o 
eleitoral, sem que uma coisa contamine a outra. O centro é a defesa do Lula e lá na 
frente se o Lula for inviabilizado o PT decide o passo seguinte.


É um movimento mais político do que eleitoral?
É muito difícil separar neste momento. Se ele vai ser limitado do ponto de vista eleitoral 
é o embate político e jurídico que dirá.


Este movimento atrapalha a relação com os aliados?
Tem contaminações. Várias turbulências criadas no último período podem ser evitadas 
se isso for debatido de forma mais clara.


Por exemplo?
No movimento mais amplo de construção de um campo democrático, não há porque
 ficarmos criando atritos ou polêmica com Ciro Gomes (pré-candidato do PDT). 
Ele é um personagem importante para este movimento mais amplo e, se nós dialogarmos
 sobre qual o papel que o PT vai cumprir neste processo eleitoral, tenho certeza que 
ele vai compreender, assim como o Guilherme Boulos (PSOL) e a 
Manuela (D'Ávila, do PCdoB).
Eles vão entender que o PT vai utilizar as eleições para fazer a defesa do Lula. 
Não vai haver falsas polêmicas, falsos embates, se dissermos a eles que no 
momento certo estaremos juntos na disputa, mas queremos construir com eles 
algo mais amplo.


Essa estratégia não prejudica o PT? O governador do Ceará, Camilo Santana, 
disse que o PT não pode ir para o “isolamento suicida”.
Eu entendo e concordo com o Camilo. O PT não pode ir para o isolamento.
 Por isso, entendo que precisamos construir um campo maior do que o processo
 eleitoral. Isso definitivamente nos tira do isolamento e deixa claro para a sociedade,
 para o Camilo, para o Rui (Costa, governador da Bahia), para o Wellington
 (Dias, do Piauí), para o Tião (Vianna, do Acre) e para o (Fernando) Pimentel
(de Minas Gerais) qual é o papel das eleições para nós neste momento.
Deixar claro para os nossos governadores o que nós queremos do processo eleitoral 
neste momento, porque é tão importante para o PT tratar como centro do debate a
 defesa do Lula. E deixar claro que vamos tentar construir uma vitória eleitoral que,
 se não for nossa, seja de algum aliado.


O sr. considera correta a forma como o PT se relacionou com seus grandes
 doadores?
Todos estes episódios mostraram que ruiu o sistema eleitoral. Penso que depois de
 quatro anos precisamos pensar na retomada da estabilidade política e nas reformas 
que precisam ser feitas, principalmente a eleitoral.
Porque este modelo se tornou totalmente contraditório com o que queremos.
 O erro que o PT cometeu foi ter reproduzido o mesmo sistema eleitoral. 
Portanto, cometeu o mesmo erro que todos os outros partidos. Fica estranho aos
 olhos da sociedade a subjetividade na interpretação da lei. Isso enfraquece o 
Judiciário.


O sr. é alvo de processo criminal na Lava Jato. Teme essa “subjetividade”?
Tudo que sofri de acusação foi do período em que ocupei o cargo de tesoureiro da
 campanha (de Dilma Rousseff em 2014). Nunca participei de nenhuma reunião 
envolvendo a Petrobrás. Então, se a acusação contra o (ex-governador Geraldo) 
Alckmin (PSDB) é eleitoral, a minha é muito mais. Só que a dele está na Justiça 
Eleitoral e a minha está na Criminal.

Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…