Pular para o conteúdo principal

O que a lei diz sobre liberação em dias de jogos do Brasil Muitos torcedores gostariam de assistir às partidas da Copa do Mundo em casa


Pleno.News - 12/06/2018 20h50
Muitos torcedores preferem assistir aos jogos fora do ambiente de trabalho Foto: Reprodução/ Instagram

Muitos torcedores brasileiros gostariam de assistir aos jogos da Copa do Mundo em casa. Algumas pessoas poderão ser liberadas do ambiente de trabalho nos dias de jogo, mas isto não se aplica a todos.

De acordo com a nova lei trabalhista, as empresas não são obrigadas a liberar os funcionários nos dias de partida da Seleção Brasileira de Futebol. Elas poderão optar por adotar horários especiais e expedientes reduzidos em dias de jogos.



– Em geral, os empregadores fazem acordos informais, em que os funcionários são liberados um pouco mais cedo ou começam o expediente mais tarde, quando o jogo ocorre de manhã. Esses acertos costumam prever uma compensação, ou seja, que o empregado fique mais tempo no trabalho no dia seguinte, por exemplo – explicou a advogada Ursula Cohim Mauro, mestre em Direito do Trabalho pela Universidade de São Paulo (USP).

Ursula explicou ainda que o empregado tem o dever de trabalhar normalmente, mesmo na hora do jogo.

Das partidas da primeira fase do mundial, somente um jogo acontecerá no domingo. As outras duas disputas serão em uma sexta-feira e numa quarta-feira.

O QUE DIZ A REFORMA TRABALHISTA
Quando a empresa tem sistema de banco de horas, os abonos e prazos de compensação ficam flexibilizados.

Quando o trabalhador fez a negociação de banco de horas diretamente com o patrão, a compensação das horas extras deve ser feita no prazo máximo de seis meses, de acordo com o acordo individual por escrito. Se o banco foi negociado por meio de uma convenção coletiva, a compensação da jornada pode ser realizada em até um ano.

OPÇÕES
Uma possibilidade é a instalação de aparelhos de TV e telões para que os funcionários assistam às partidas no local de trabalho e não gastem tempo com deslocamentos.

— Nesses casos, geralmente, a empresa não desconta o tempo que a equipe ficou vendo o jogo, porque os empregados continuam à disposição do chefe. Se acontecer um imprevisto, os trabalhadores, provavelmente, serão chamados para resolver a questão, mesmo que estejam assistindo à partida — disse Leandro Antunes, professor de Direito do Trabalho do Ibmec-RJ.

Ele também ressaltou que os funcionários que tiverem que voltar ao trabalho após o jogo deverão respeitar o horário estabelecido pela empresa. Também é necessário evitar bebidas alcoólicas, uma vez que por mau comportamento alguém pode acabar sendo advertido, suspenso e até demitido por justa causa. Este tipo de punição também se aplica aos empregados que faltarem para assistir ao jogo em outro lugar que não a empresa.

|Pleno News

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…