Pular para o conteúdo principal

Partidos de esquerda buscam um candidato viável para o 1º turno, mas Haddad diz que não abre mão de Lula


Imagem: Isabel Fleck / Folhapress
Em um evento programado para discutir “o que une” as pré-candidaturas de esquerda ao Planalto, os coordenadores dos programas de Ciro Gomes (PDT) e Manuela D’Ávila (PC do B) defenderam na noite desta sexta (29) um acordo já no primeiro turno, mas foram freados pelo ex-prefeito Fernando Haddad (PT).

“Tenho certeza que estaremos juntos no segundo turno. Mas o que eu temo é que, no segundo turno, estejamos juntos fora da disputa”, disse o representante da campanha de Manuela D’Ávila, Luís Fernandes, aos demais participantes do debate realizado na Casa do Povo, em São Paulo.
Apesar de um pouco menos pessimista, o economista Nelson Marconi, coordenador do programa de campanha de Ciro, também citou a necessidade de conversas para uma candidatura única. 

“O que está em jogo é um projeto conservador ou um projeto progressista legitimado. A população pode legitimar um dos dois projetos, e a gente tem que fazer de tudo para que o nosso projeto seja legitimado”, disse, acrescentando que isso “logicamente envolve um acordo entre o campo progressista”.

Logo após as declarações dos dois, no entanto, Haddad —que foi representando a pré-candidatura de Lula, mas que também é visto como plano B do PT na disputa— repetiu que o partido “não pode e não vai abrir mão” do ex-presidente.

“Como os petistas, nós, podemos abrir mão do Lula? Nós não temos condições políticas, morais, intelectuais, programáticas de abrir mão do Lula”, disse, atraindo aplausos menos efusivos que Fernandes ao questionar se há sentido para as candidaturas de esquerda não estarem unificadas no primeiro turno.

Manuela tem entre 1% e 2% das intenções de voto, segundo a última pesquisa Datafolha, realizada no início de junho. Ciro teria entre 6% e 11%, enquanto o PT teria 1% com Haddad e 30% com Lula, que está preso após condenação em segunda instância pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Pela Lei da Ficha Limpa, ele está inelegível.

Guilherme Boulos (PSOL), que também enviou uma representante na conversa desta sexta, aparece oscilando entre 0% e 1% das intenções, dependendo do cenário. A representante de Boulos, Natalia Szermeta, mencionou o fato de não haver uma candidatura única de esquerda como consequência da “falência do sistema político”, mas não chegou a defendê-la.

No fim do debate, Haddad afirmou a jornalistas que a candidatura de Lula é “incontornável”. 

“Se tiver prévias com o nome dele, a gente pode até discutir. Mas prévias sem o nome dele não me parece democrático”, disse o ex-prefeito. O evento foi organizado pelo movimento “Quero Prévias”, que quer o modelo para a escolha de candidaturas e programas.

Questionado pela Folha sobre a reação do petista, Marconi disse que o PT tem direito de querer manter o ex-presidente na disputa. 

“Seria interessante ter uma candidatura única, mas não sei se viabiliza. No mínimo a gente tem que conversar pra ver se consegue fazer uma coisa mais para frente”, afirmou.  

Ele, no entanto, nega que Ciro possa ser o pré-candidato a ceder. “Ninguém está falando que o Ciro está pensando em desistir, assim como o Lula não está pensando em desistir. Não estamos nesse estágio da conversa.” 
Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zanin complica mais a situação de Lula e ganha “aula de direito” de Marcelo Odebrecht (Veja o Vídeo)

A situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é praticamente insanável, sem solução, ou, melhor dizendo, indefensável. Sepúlveda Pertence, quando entrou na causa, logo percebeu a enorme gravidade. Imediatamente começou a costurar um acordo no Supremo Tribunal Federal (STF), o acordo possível na época: Prisão domiciliar e Lula quieto, respeitando o Poder Judiciário, sem mais afrontas. Felizmente para a boa Justiça, Zanin existe e conseguiu estragar tudo. Continuou pregando a inocência do meliante petista, alimentado pelas sandices de Gleisi Hoffmann, Lindbergh Farias, Paulo Pimenta e Wadih Damous. Um idiota completo. Na sequência, destratou Sepúlveda e abriu crise na defesa do presidiário. Diante de tais fatos, o ex-ministro entendeu que já havia feito o serviço para o qual havia sido remunerado, não logrou êxito em função da interferência do abobalhado causídico, e assim caiu fora.
Zanin permaneceu na defesa de Lula, ao lado da esposa, uma pobre coitada, de parcos conheciment…

Miriam Leitão leva invertida ao vivo de Cristiana Lobo (Veja o Vídeo)

A jornalista Miriam Leitão parece que partiu para um processo de autodestruição. A credibilidade que ainda detinha está se esvaindo completamente. Elementar! Miriam agora faz um jornalismo que tem alvo. O alvo evidentemente é Jair Bolsonaro. Fica difícil opinar com coerência com o coração cheio de ódio. Nesse sentido, mesmo diante da vitória acachapante de Bolsonaro, a jornalista diuturnamente tenta desconstruir a imagem ou diminuir a força do presidente eleito. Sua última tática foi patética. Miriam tentou demonstrar uma suposta relevância do resultado obtido pelo PT na região Nordeste. Para tanto, mentiu, foi desmentida, tentou se corrigir, mas se deu muito mal. Veja o vídeo:

“Se tem um ser humano que eu desprezo, chama-se Gleisi Hoffmann”, diz Roberto Justus (Veja o Vídeo)

A senadora Gleisi Hoffmann é quase uma unanimidade. Ninguém a suporta. Impressionante como uma mulher consegue nutrir o dom de gerar tanto asco. Mesmo pessoas que não desenvolvem qualquer atividade político-partidária não suportam o jeito e o comportamento da petista, evidenciado por seu extremo e ilimitado mau-caratismo. Até no PT, Gleisi já angariou inúmeras antipatias. O próprio ex-presidenciável Fernando Haddad não a tolera. Não é pra menos, Gleisi trabalhou sorrateiramente contra a candidatura de Haddad e hoje é um obstáculo pesado para a sua sobrevivência política. O empresário Roberto Justus, uma pessoa isenta, totalmente sem ligações políticas, definiu a petista com extrema precisão. Veja o vídeo: Jornal da Cidade otto@jornaldacidadeonline