Pular para o conteúdo principal

PF faz perícia sobre supostos repasses da Odebrecht a presidentes da Câmara e do Senado


Imagem: Givaldo Barbosa / Ag. O Globo


















A Polícia Federal solicitou ao setor de perícias a realização de uma análise sobre
 os supostos pagamentos de propina registrados nos bancos de dados da Odebrecht,
 o Drousys e o Mywebday, aos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), 
e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), para permitir o avanço do inquérito que
 apura ofertas de vantagens indevidas a eles em troca de benefícios em medidas 
provisórias no Congresso Nacional.

O ofício comunicando a realização da perícia foi enviado ao Supremo Tribunal 
Federal na última quarta-feira pela delegada Graziella Balestra, que conduz as 
apurações do caso. As análises abrangerão também outros supostos repasses ao 
senador Romero Jucá (MDB-RR) e ao deputado Lúcio Vieira Lima (MDB-BA),
 que são investigados no mesmo inquérito. Com isso, a PF busca comprovar se 
os pagamentos aos quatro políticos foram efetivamente realizados, como relatado 
na delação dos executivos da Odebrecht.

A delegada frisa em seu pedido que deverão ser analisados pagamentos de R$ 2,1
 milhões ao codinome Índio, "provavelmente relacionado à pessoa do senador 
Eunício Oliveira", e de R$ 100 mil ao "possível codinome Botafogo, provavelmente
 relacionado à pessoa do deputado federal Rodrigo Maia".

O objetivo do trabalho é identificar as comunicações internas da Odebrecht com os
 responsáveis por fazer a entrega dos recursos. A delegada solicita a identificação de
 quatro itens relacionados aos pagamentos de propina: "a) negociações para realização
 do pagamento de valores em sistema de contabilidade paralela; b) previsões ou 
cronogramas; c) tratativas para a realização dos pagamentos dos valores, locais e 
senhas; d) comprovação efetiva dos pagamentos realizados".

Esse inquérito investiga se Maia, Eunício, Jucá e Lúcio Vieira Lima receberam 
pagamentos da Odebrecht em troca de atuar em favor dos interesses da empresa na
 votação de uma medida provisória no Congresso Nacional que reduzia tributos para
 o setor petroquímico --de interesse direto da Braskem, controlada pela Odebrecht. 
Todos eles já negaram terem atuado a favor da Odebrecht e dizem só ter recebido 
doações legais.


O jornal O Globo revelou, em janeiro, que Rodrigo Maia esteve na sede da Odebrecht 
no Rio de Janeiro em 2010 no mesmo dia em que o sistema de contabilidade paralela 
da empresa registrava um pagamento de caixa dois destinado à campanha eleitoral de 
seu pai, César Maia. Rodrigo seria o responsável por negociar esse pagamento com o
 diretor-presidente da construtora, Benedicto Junior.


Maia já prestou depoimento à PF e afirmou que não reconhece o codinome Botafogo, 
atribuído a ele, e que os registros de pagamento no sistema não lhe dizem respeito. 
Eunício disse à PF que "nunca deu tratamento diferenciado no encaminhamento dos 
pleitos de grandes doadores de suas campanhas" e que a acusação dos delatores da 
Odebrecht é "inverdade". Procuradas, as assessorias de Maia e Eunício ainda não 
responderam. Lúcio Vieira Lima e Jucá também negaram irregularidades.


Em nota, Eunício Oliveira afirmou que “acredita que as investigações são o melhor 
caminho para esclarecer todos os fatos”.

Folha Politica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…