Pular para o conteúdo principal

Por 'renovação', partidos apresentam filhos de políticos



Imagem: Pedro Ladeira / Folhapress























Fernando, João, Antonio, Otto, Rodrigo, Mosiah, Danielle, Marcelo e Marcello são
 promessas de votos nas disputa por uma vaga no legislativo nas eleições deste ano.
 Sem os sobrenomes, certamente teriam dificuldade para se eleger. Mas eles são filhos
 de prefeitos, senadores e ex-governadores e carregam sobrenomes como Richa,
 Campos, Crivella e Collor de Melo.


Pelo menos nove filhos de políticos tradicionais estreiam urnas disputando vagas na
 Câmara dos Deputados e em Assembleias Legislativas. Com o peso do sobrenome,
 afiam suas armas para a briga eleitoral e já percorrem seus estados em busca de
 votos.

Filho do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos e bisneto do também 
ex-governador Miguel Arraes, João Campos é a principal aposta do PSB de 
Pernambuco para renovar sua bancada na Câmara dos Deputados.


Ele vem sendo preparado para a disputa desde que a morte do pai, na campanha 
presidencial de 2014. Assumiu a chefia de gabinete do governador Paulo Câmara
 (PSB) em 2016 e, desde que deixou o cargo em abril deste ano, visita cidades do 
interior e bairros da periferia do Recife em ritmo de maratona.


“João representa a continuidade e renovação. É uma aposta de futuro do nosso partido
”, afirma o presidente do PSB de Pernambuco, Sileno Guedes.


Já na disputa para a Assembleia Legislativa de Pernambuco, a novidade é Antonio 
Coelho (DEM), 20, filho do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB). Este será o
 terceiro filho do senador a entrar na política: Fernando Filho (DEM) é deputado
 federal e Miguel Coelho (PSB) é prefeito de Petrolina.


No Rio de Janeiro, Marcelo Crivella Filho (PRB), 33, é a aposta partido para a 
Câmara dos Deputados. Com o apoio do pai, prefeito da capital, deve ter forte 
inserção no eleitorado ligado à Igreja Universal do Reino de Deus.


Outra pré-candidata a deputada que aposta no segmento evangélico é Danielle Ditz 
da Cunha (MDB), filha do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha.
 Ela tem se movimentado em antigos redutos eleitorais do pai, hoje preso em Curitiba, 
onde cumpre pena no âmbito da Operação Lava Jato.


No Paraná, Marcello Richa é a principal aposta do PSDB na disputa por uma cadeira
 na Assembleia Legislativa. Ele é filho do ex-governador Beto Richa e neto do 
ex-governador José Richa.


Para o cientista político Joviniano Neto, professor da Ufba (Universidade Federal da Bahia), 
a candidatura de filhos de políticos realça uma tradição da política brasileira de partidos que 
não são orgânicos e não têm base social. E vai na contramão dos movimentos recentes 
que pregam renovação nos quadro políticos.


Assim como João Campos, em Pernambuco, outros filhos de políticos são potenciais 
campeões de votos em estados como Bahia e Alagoas.


Caso consigam serem os mais votados de seus estados, repetirão o feito de outros 
membros de clãs políticos tradicionais que foram campeões de votos já na estreia, 
caso de Aécio Neves (PSDB), mais votado em Minas em 1986, e ACM Neto (DEM),
 que teve mais de 400 mil votos em sua primeira eleição em 2002.


Filho do senador e ex-presidente Fernando Collor de Mello (PTC), Fernando James 
(PTC), 38, disputará uma cadeira de deputado federal em Alagoas e tentará fazer
 com que a família Collor volte à Câmara depois de três décadas.


Na Bahia, Otto Alencar Filho (PSD), 40, é a principal novidade na disputa por uma
 cadeira na Câmara. Ele diz que optou por concorrer um mandato a pedido não do pai, 
o senador Otto Alencar (PSD), mas de colegas do partido.


“Aceitei porque vejo a política como uma missão”, diz o pré-candidato, que terá a seu
 favor uma forte máquina partidária com 90 prefeitos de cidades do interior do estado.


No Ceará, Rodrigo Oliveira (MDB), 29, é a aposta do pai, o senador Eunício Oliveira 
(MDB), para uma vaga na Câmara. Terá como adversário outro nome de família 
tradicional do estado: Mosiah Torgan (DEM), 38, filho do vice-prefeito de Fortaleza
 Moroni Torgan (DEM).


As candidaturas preocupam tanto adversários quanto aliados. Entre os aliados, o principal
 receio é que os filhos de políticos tenham preferência na divisão do bolo do fundo eleitoral.
 Com as novas regras de financiamento eleitoral, os dirigentes partidários terão mais poder 
e controle dos recursos para bancar as campanhas.


“Com campanha curta e dinheiro na mão dos caciques, será uma eleição de pouca 
renovação. Tem vantagem quem está no jogo. E os filhos de políticos já nasceram no jogo”,
 diz Joviniano Neto.


Nove filhos de políticos tradicionais estreiam nas urnas


Alagoas
Fernando James (PTC), pré-candidato a deputado federal, é filho do senador e 
ex-presidente Fernando Collor (PTC)


Bahia 
Otto Alencar Filho (PSD), cujo pai é o senador e ex-vice-governador Otto Alencar (PSD),
 tentará a vaga de deputado Federal


Ceará 
Rodrigo Oliveira (MDB), pré-candidato a deputado federal, é filho do presidente do 
Senado Eunício Oliveira (MDB)


Mosiah Torgan (DEM) é filho do vice-prefeito de Fortaleza Moroni Torgan (DEM) 
e pré-candidato a deputado federal


Paraná 
O filho do ex-governador Beto Richa (PSDB), Marcello Richa (PSDB), é pré-candidato
 a deputado estadual


Pernambuco 
João Campos (PSB), filho do ex-governador Eduardo Campos, deve concorrer ao cargo
 de deputado federal


Antonio Coelho (DEM), filho do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB), é pré-candidato 
a deputado estadual


Rio de Janeiro
Marcelo Crivella Filho (PRB), cujo pai é o prefeito Marcelo Crivella (PRB), deve ser 
candidato a deputado federal


Danielle Dytz (MDB), filha do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB), deve 
ser candidata a deputada federal

Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O sumiço da Faca e o registro na Câmara: Adelio não agiu sozinho, alerta Alexandre Garcia (Veja o Vídeo)

Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados.

Após o golpe em Jair Bolsonaro, Adelio se livrou rapidamente da faca. Tudo indica que repassou para alguém, tanto é que a ‘arma branca’ foi encontrada numa barraca de ambulante, nas imediações. Alguém jogou esta faca onde foi achada. Parece óbvio. A questão do registro na Câmara também deve ser cuidadosamente examinada. Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados. O diretor do setor alega que um recepcionista registrou por engano a entrada de Adélio Bispo de Oliveira no local, no dia 6 de setembro, o dia do atentado contra Jair Bolsonaro. Ora, foram constatados os registros de duas entradas do criminoso. O tal servidor registrou por engano duas vezes? E o nome do servidor distraído agora é mantido sob sigilo? Parece óbvio que caso o atentado tivesse sido exitoso e no meio da multidão Adelio alcançasse a fuga, o álibi estaria pronto. Esse era o plano e isto parece bem claro. Veja o vídeo…

Alvaro Dias chama Bolsonaro de “vagabundo bandido” e “quase morto” e recebe resposta do senador Magno Malta

Sem saber que estava sendo gravado, Álvaro Dias aproveitou para destilar todo o seu veneno com comentários maldosos sobre Jair Bolsonaro. O candidato do Podemos afirmou que Bolsonaro é um “vagabundo bandido” e que ‘ta quase morto”. Ainda no mesmo trecho, Dias afirma que “se não fosse a facada eu estaria destruindo ele hoje.”
Alvaro Dias ataca Bolsonaro e recebe A RESPOSTA de Magno Malta

ADÉLIO NA TV- A defesa de Adélio Bispo de Oliveira, pede autorização a juíz, para que Adélio de entrevista a um programa de televisão

Por Claudio Dantas  ( O Antagonista) A defesa de Adélio Bispo de Oliveira, que tentou matar Jair Bolsonaro, pediu ao juiz Bruno Savino, da 3ª Vara da Justiça Federal de Juiz de Fora (MG), autorização para que o criminoso conceda entrevista a um programa de televisão.
O MPF se manifestou pelo encaminhamento do pedido à Direção da Penitenciária Federal de Campo Grande (MS), onde Adélio está custodiado. Savino concordou.