Pular para o conteúdo principal

Pré-candidato do PT ao governo de SP diz a Moro que 'mensalão não existiu'


O pré-candidato do PT ao governo de São Paulo, Luiz Marinho, disse ao juiz Sergio Moro na tarde desta quarta-feira (13) que o mensalão não existiu. "Não passa de uma tese do Roberto Jefferson (...) O mensalão não existiu, em absoluto", afirmou.
Moro perguntou a Marinho como ele explicaria o mensalão –o petista havia indicado desconhecer qualquer esquema ilícito durante a presidência de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).
O pré-candidato prestou depoimento como testemunha de defesa no caso do sítio em Atibaia (SP), em que Lula é réu. Ele afirmou que o petista não favoreceu empreiteiras e que nunca presenciou qualquer comportamento ilícito do ex-presidente.
Neste processo, Lula é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro porque teria se beneficiado de R$ 1,02 milhão em benfeitorias no imóvel, frequentado por sua família. Segundo a acusação, as reformas teriam pagas pela Odebrecht e OAS, em troca de contratos das empreiteiras com a Petrobras. Ele nega as acusações.
Marinho também disse que, em determinada ocasião em 2013, quando caminhavam pelo sítio, o ex-presidente contou que pensava em fazer uma proposta ao empresário Fernando Bittar para comprar o imóvel.
A intenção de Lula já havia sido relatada a Moro pelo presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, em depoimento em maio.
"O presidente Lula, já há algum tempo, ele achava que precisava comprar o sítio como um presente para a dona Marisa. Ele tinha um pouco de dúvida, mas ele tinha essa intenção", afirmou Okamotto à época.
Imagem: Zanone Fraissat / Folhapress

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.