Pular para o conteúdo principal

Procuradoria denuncia 62 pessoas envolvidas com doleiros


Cabral foi denunciado pela 25ª vez
Imagem: Victor R. Caivano / AP


















O Ministério Público Federal denunciou na noite desta quarta-feira (7) 62 pessoas 
sob acusação de lavagem de dinheiro e participação em organização criminosa,
 em decorrência da investigação da Operação Câmbio, Desligo, deflagrada há 
um mês. A informação foi antecipada pela coluna Painel da Folha de S. Paulo.


A investigação levou à prisão dezenas de doleiros. O principal deles, Dario Messer, 
continua foragido, após ser delatado por seus dois funcionários, Vinicius Claret e 
Cláudio Barbosa.


A denúncia, de 816 páginas, tem entre os acusados o ex-governador Sérgio Cabral 
(MDB), alvo da 25ª denúncia do MPF.


Claret e Barbosa detalharam em delação premiada como funcionava um sistema que 
reunia doleiros de todo o país que movimentou cerca de US$ 1,6 bilhão (o equivalente
 a cerca de R$ 5,3 bilhões) envolvendo mais de 3.000 offshores em 52 países.


Conhecido como Juca Bala, Claret já foi citado por executivos da Odebrecht, o 
corretor Lúcio Funaro e os doleiros Renato e Marcelo Chebar, que atuavam para o 
ex-governador Sérgio Cabral (MDB).


​Claret operava tanto contas no exterior como era capaz de fornecer dinheiro vivo
 para corruptores interessados em pagar as quantias a agentes públicos. Concentrava,
 assim, as duas pontas da operação dólar-cabo, usada para despistar as autoridades 
financeiras do país.


Embora atuassem no Brasil, os dois operavam o complexo sistema de dólar-cabo
 desde o Uruguai. Grande parte dos recursos em espécie eram movimentados pela
 transportadora de valores Transexpert, já mencionada na delação do operador Álvaro 
Novis.


Claret e Barbosa foram presos em março do ano passado no Uruguai em decorrência
 da Operação Eficiência, feita com base na delação dos irmãos Chebar e que prendeu
 o empresário Eike Batista. Claret foi citado como tendo auxiliado na evasão de
 US$ 85,4 milhões de Cabral (equivalente a mais de R$ 282,4 milhões) ​—o que agora 
revela-se ser apenas uma fração de toda operação da dupla.


Assim como a Odebrecht, o sistema “bankdrop” dos doleiros identificava os responsáveis
 pelas transações por apelidos. Os irmãos Chebar, por exemplo, receberam o nome de
 “Curió”.


Os Chebar procuraram a ajuda de Juca Bala após o volume de propina do ex-governador
 aumentar consideravelmente após ele assumir o estado. Em razão de sua prisão ter
 ocorrido numa operação da Lava Jato do Rio, ele acabou identificado como “doleiro do
 Cabral”, embora os dois tenham se conhecido de fato apenas na cadeia pública 
José Frederico Marques, em Benfica, para onde foi levado em janeiro após ser 
extraditado do Uruguai.


DOLEIROS DOS DOLEIROS


Claret e Barbosa são descritos como “doleiros dos doleiros” pelo Ministério Público 
Federal. Os dois operavam o dólar-cabo desde a década de 1980, em agências de
 turismo da família Messer no Rio de Janeiro.


Em 2003, os dois decidem se mudar para o Uruguai a fim de fugir do monitoramento
 de autoridades financeiras do Brasil. No ano seguinte, eles “herdam” as operações 
da família Matalon, doleiros que atuavam em São Paulo.


Ao acumular as duas maiores praças do mercado de câmbio, passam a ser considerados
 os “doleiros dos doleiros”. Isso porque quase nenhum operador do mercado tem a 
capacidade de operar as duas pontas do dólar-cabo sem o auxílio de outros doleiros.

Embora fossem os grandes operadores, Claret e Barbosa recebiam uma pequena
 participação do lucro dos negócios. A maior cota era destinada a Dario Messer, 
que dava respaldo às operações com seu nome e captava clientes.

Folha Politica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.