Pular para o conteúdo principal

Procuradoria eleitoral defende cassação de mandato de políticos que furam teto de gastos


Imagem: Dida Sampaio / Estadão


















A punição através de cassação de mandato para políticos que ultrapassam o limite
 legal de gastos de campanha veio à tona durante sessão no Tribunal Superior Eleitoral
 (TSE), em que se julgava o caso de duas vereadoras do Rio Grande do Norte.


Ângela Maria de Aquino (PTC) e Jumária de Oliveira (PTN), do município de 
Ceará-Mirim, são investigadas por excesso de gastos nas campanhas eleitorais de
 2016. Ambas tiveram a prestação de contas reprovada após ultrapassarem os gastos
 em 51% e 39%, respectivamente.


Ceará-Mirim é um município de aproximadamente 73 mil habitantes, localizado na 
Grande Natal, na microrregião de Macaíba. A Câmara Municipal de Ceará-Mirim é
 composta por 16 cargos.


O limite estipulado para os gastos de vereadores do município naquele ano foi de
 R$ 18.328,63.


Ângela gastou R$ 9.300 a mais, enquanto o PTC recebeu mais de R$ 236 mil por
 mês do Fundo Partidário até outubro de 2016. Jumária extrapolou o limite 
em R$ 7.100, enquanto o PTN recebeu R$ 522 mil por mês do fundo até outubro 
daquele ano.


O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte aprovou a cassação de
 mandato das políticas, baseado no artigo 30-A da Lei das Eleições, que prevê a
 medida em casos de comprovação de captação ou gastos ilícitos de recursos para
 fins eleitorais.


Durante sessão do TSE nesta semana, o vice-procurador-geral eleitoral, Humberto
 Jacques de Medeiros, defendeu que aplicar somente a multa nessas ocasiões é 
‘comunicar a todos os pretensos candidatos que a observância do limite legal não
 parece uma opção inteligente’.


Jacques de Medeiros afirmou que ‘não se produz mandato legítimo em cima de
 ato ilícito’, defendendo a tese de que as vereadoras obtiveram vantagem econômica 
desleal na corrida eleitoral.


Ainda para o vice-PGE, ‘a garantia de sucesso nas urnas decorrente de um aporte 
maior de recursos financeiros na campanha eleitoral justificaria a submissão ao
 pagamento de uma multa pelo desrespeito da norma’.


Na sessão, o relator do caso, ministro Admar Gonzaga, acatou os recursos das vereadoras,
 sob a justificativa de que esse foi o entendimento do TSE em casos similares anteriores,
 que envolveram excesso de gastos de campanha no ano de 2016.


O ministro defendeu a alteração de tal medida. “Entendo, assim como o Ministério 
Público, que esse precedente não convém à democracia”, afirmou.


O julgamento foi suspenso por pedido de vista do ministro Luís Roberto 
Barroso.


COM A PALAVRA, A VEREADORA ÂNGELA MARIA DE AQUINO


Por telefone, Ângela se manifestou ‘muito otimista’ com o andamento do processo. 
“Já tivemos o voto favorável do relator e o ministro (Luís Roberto Barroso) pediu 
vista, então isso dá continuidade ao julgamento. Ainda afirmou que o caso ‘foi uma 
coisa inédita aqui’.


COM A PALAVRA, A VEREADORA JUMÁRIA DE OLIVEIRA


A reportagem tentou contato com Jumária e não obteve resposta. O espaço está 
aberto para manifestação.

Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eunício pede ao STF para que negue pedido de votação aberta na eleição do Senado

Eunício Oliveira acaba de enviar um ofício ao STF pedindo para que Marco Aurélio Mello não acate o pedido para que a votação para a presidência do Senado seja aberta.

O Antagonista

EUA reagem ao envio de bombardeiros russos à Venezuela

Autoridades dos Estados Unidos reagiram vigorosamente ao envio de bombardeiros estratégicos russos TU-160 para a Venezuela. Autoridades do Pentágono disseram que dois bombardeiros russos – o Tupolev TU-160 BlackJacks, que pode voar a velocidades supersônicas – estão na Venezuela, junto com todos equipamentos necessários para reabastecimento e manutenção. Mike Pompeo, secretário de Estado dos Estados Unidos, condenou a decisão de Moscou de enviar os bombardeiros nucleares para a Venezuela. Ele declarou:

Jornalistas da grande mídia celebram prêmio falso para repórter da Folha

Profissionais de veículos da grande mídia brasileira estão parabenizando uma jornalista da Folha por um prêmio falso divulgado por perfil paródia no Twitter. Tudo começou com um tuíte do usuário @monicabengamo no Twitter. O perfil aparenta ter viés humorístico, uma espécie de paródia com a jornalista da “Folha de S. Paulo“, Mônica Bergamo. A mensagem original foi publicada na sexta-feira (14) às 16h40 (horário de Brasília).  “A competente colega Patrícia Campos Mello acaba de ganhar o Prêmio Folha Brasileiro do Ano 2018. O Prêmio a reconheceu como “Guardiã da Verdade”, afirma o perfil.