Pular para o conteúdo principal

Professor que encontrou falhas nas urnas eletrônicas deixará o Brasil: 'desilusão generalizada'

Imagem: Produção Ilustrativa / Folha Política













Diego Aranha, professor da Computação da Unicamp que se tornou conhecido
 por liderar pesquisas apontando problemas de segurança nas urnas eletrônicas 
brasileiras, está de saída do país.


O pesquisador começa no mês que vem a dar aulas na universidade Aarhus, a 
maior universidade da Dinamarca e uma presença frequente nas listas das 100 
melhores do mundo.


“A decisão veio de uma desilusão generalizada com o estado completamente
 disfuncional do país. A (in)segurança da urna eletrônica é apenas mais um 
exemplo infeliz”, resume Aranha.
Aranha coordenou uma equipe de profissionais num teste de segurança promovido
 pelo Tribunal Superior Eleitoral em 2017.


“Conseguimos, por exemplo, alterar mensagens de texto exibidas ao eleitor na urna 
para fazer propaganda a um certo candidato. Também fizemos progresso na direção 
de desviar voto de um candidato para outro”, disse Aranha recentemente em uma 
audiência pública realizada pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do
 Senado.


As ações foram possíveis porque a equipe descobriu a chave de acesso ao sistema de
 arquivo do equipamento, o que permitiu ter acesso ao log e ao registro digital de 
votação.


Segundo Aranha disse na ocasião, a equipe dele trabalhou em condições piores do 
que trabalhariam verdadeiros fraudadores, devido a restrições técnicas e de tempo 
impostas pelo tribunal, mas ainda assim foi possível explorar pontos vulneráveis para 
adulterar o software de votação e entrar no ambiente da urna eletrônica.


O Tribunal Superior Eleitoral afirmou na época que as falhas estavam sendo corrigidas 
e não haveria riscos quanto à votação de 2018. O problema não teria ocorrido em 
eleições anteriores porque foi identificado em uma atualização de sistema, segundo
 o tribunal.


Aranha é um dos pequisadores mais destacados do tema criptografia no país, sendo 
membro do Comitê Consultivo da Conferência Internacional em Criptografia e Segurança 
da Informação na América Latina (LATINCRYPT) e da Comissão Especial de Segurança 
da Sociedade Brasileira de Computação (CESEG).


Recebeu em 2015 o prêmio Inovadores com Menos de 35 Anos Brasil da MIT 
Technology Review por seu trabalho com o voto eletrônico e Google Latin America 
Research Award para pesquisa em privacidade em 2015 e 2016.


Ainda neste mês, o Supremo Tribunal Federal decidiu suspender a adoção parcial do 
voto impresso nas eleições de 2018, uma medida como um mecanismo para coibir
 fraudes.


A impressão do voto seria implantada em 5% das urnas, a um custo de R$ 57 
milhões.


A Procuradoria Geral da República contestou a medida afirmando que se tratava
 de um "retrocesso para o processo eleitoral" ao supostamente ampliar a possibilidade 
de fraudes e ameaçar o sigilo do votos.

Folha Politica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…