Pular para o conteúdo principal

Segunda Turma do STF põe o senador Agripino Maia no banco dos réus


Imagem: Reprodução / Redes Sociais






















Por 3 a 2, a Segunda Turma do Supremo Tribunal 
Federal (STF) decidiu nesta terça-feira (12)
 receber a denúncia contra o senador José 
Agripino Maia (DEM-RN) pelos crimes de 
corrupção passiva, lavagem de dinheiro e 
uso de documento falso. O voto decisivo foi 
dado nesta tarde pelo decano do STF, ministro 
Celso de Mello, depois de o colegiado ter se
 dividido sobre o caso.

Agripino Maia foi colocado no banco dos
 réus sob a acusação de ter recebido
 vantagens indevidas no valor de 
R$ 1,150 milhão para assegurar um contrato 
de inspeção veicular ambiental celebrado 
entre um consórcio e o Estado do Rio Grande
 do Norte.


No dia 8 de maio, o relator do caso, ministro 
Ricardo Lewandowski, votou pelo recebimento
 da denúncia contra Agripino Maia pelos três
 crimes, sendo acompanhado na semana passada 
pelo ministro Edson Fachin. Nesta tarde, Celso 
seguiu o mesmo entendimento dos dois colegas.

“A formulação da acusação penal em juízo supõe
 não a prova completa e integral do delito e de
 seu autor, mas a demonstração fundada em
 elementos probatórios mínimos, lícitos e 
consistentes da realidade material do evento
 delituoso e indícios de sua possível autoria”, 
disse Celso de Mello, na sessão desta terça-feira.

Procurada pela reportagem, a assessoria de 
Agripino Maia não havia se manifestado até a 
publicação deste texto.

Divergência. Contra o recebimento da 
denúncia se posicionaram na semana 
passada os ministros Dias Toffoli e Gilmar
 Mendes.

Um dos pontos discutidos ao longo da 
discussão do caso foi o fato de a 
denúncia ser embasada, entre outros
 elementos, na delação premiada do empresário
 George Anderson Olímpio da Silveira – um 
acordo de colaboração que contou com a 
atuação do então procurador da República 
Marcelo Miller, alvo de investigação por conta
 de sua atuação na delação premiada
 firmada por executivos do grupo J&F.

“Eu tomaria todos os cuidados quando tivesse 
qualquer acordo firmado por Marcelo Miller.
 Nós sabemos que Marcelo Miller era movido 
a dinheiro, é disso que se cuida. Era o chefe do 
órgão da procuradoria, fez toda essa trapalhada, 
a mais grave da história brasileira com esse caso 
da JBS, envolvendo o Supremo Tribunal Federa
l numa grande trapalhada, numa imensa
 trapalhada”, criticou Gilmar Mendes na 
semana passada.

Por unanimidade, a Segunda Turma também
 decidiu rejeitar a denúncia contra a
 ex-governadora Rosalba Ciarlini Rosado.

Folha Politica 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cid Moreira reaparece e comove o Brasil: ”Vivo minha fase final”

Apresentador que marcou a história do ‘Jornal Nacional’ fala sobre os 90 anos. Famoso durante muito tempo por dar o ‘boa noite’’ no ‘’Jornal Nacional’’, Cid Moreira agora é mais conhecido por ser a ‘’’voz de Deus’’ [VIDEO]. Aos 90 anos de idade, o jornalista investe o seu tempo nas narrações de textos bíblicos e comove milhares de cristãos. Cid Moreira recusou-se a fazer propaganda milionária ao lado de Fátima Bernardes Cid é casado com Fátima Moreira há 16 anos e deu uma entrevista ao portal de notícias UOL sobre o fato de estar completando 90 anos com a saúde em dia. “Vivo minha fase final”, afirmou. Entre os muitos fatos pitorescos de sua vida narrados na reportagem, Moreira revela que se recusou a receber R$ 2 milhões para fazer uma propaganda de carne ao lado de Fátima Bernardes. A celebridade, na época, teria recebido R$ 5 milhões para o comercial. O jornalista também chegou a injetar silicone líquido no rosto, o que o fez quase perder a visão de um dos olhos. Filho processa Ci…

Renan se recusa a receber notificação do STF sobre afastamento da presidência do Senado Oficial de Justiça não consegue entregar notificação na residência oficial

Renan se recusa a receber notificação do STF sobre afastamento da presidência do Senado Foto: Andre Coelho / Agência O Globo BRASÍLIA - O oficial do Supremo Tribunal Federal (STF) foi na noite desta segunda-feira à residência oficial do Senado para entregar ao senador Renan Calheiros (PMDB-AL) a notificação da decisão do ministro Marco Aurelio Melo sobre o afastamento da presidência do Senado. Renan se recusou a receber o oficial. O peemedebista foi até a porta e voltou sem a notificação. O oficial saiu alguns minutos depois com os papéis na mão. Segundo o secretário geral da mesa Senado, Bandeira de Melo, Renan alegou que não se pode receber notificação judicial após as 18h, segundo a lei. Perguntado sobre como Renan reagiu à decisão do ministro do Supremo, o líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira, disse que ele está tranquilo e que vai receber a notificação amanhã às 11h. - Normalíssimo, frio, traquilo. Marcou para receber a notificaçao amanhã às 11 horas. Há um entra e sai de ca…

Jair Bolsonaro revoga nomeações de Michel Temer

Bolsonaro revogou quatro nomeações do ex-presidente Michel Temer e nomeou seus novos diretores, que não precisarão de escrutínio dos senadores. Por meio de medida provisória publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro revogou a exigência de o Senado sabatinar os diretores do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), registra o “Estadão“. A revogação da sabatina dos diretores está no art. 85, II, c, que revoga o art. 88, parágrafo único, da Lei 10.233. “Os diretores deverão ser brasileiros, ter idoneidade moral e reputação ilibada, formação universitária, experiência profissional compatível com os objetivos, atribuições e competências do DNIT e elevado conceito no campo de suas especialidades, e serão indicados pelo ministro de estado dos Transportes e nomeados pelo presidente da República”, diz o texto. Há apenas cinco meses no cargo, o diretor-geral José da Silva Tiago foi substituído pelo general Antônio Leit…