Pular para o conteúdo principal

Sem cronograma ou liderança, caminhoneiros se reúnem em Brasília- Dezesseis veículos estão no Mané Garrincha neste domingo (3), mas 30 mil devem participar de atos indefinidos.

HÁ 3 HORAS

Foto: Jéssica Antunes/Jornal de Brasília

Jessica.antunes@grupojbr.com

Sem cronograma de ações ou liderança definidos, caminhoneiros de vários cantos do Brasil se reúnem no estacionamento do Estádio Nacional Mané Garrincha. Na manhã deste domingo (3), dezesseis caminhões estavam no local, mas o grupo de menos de 20 pessoas aguarda que comboios cheguem ao longo do dia, chegando a 30 mil caminhoneiros. Eles prometem novas manifestações por redução no preço dos combustíveis, mas não sabem dizer o que, quando e onde acontecerão atos na capital.

Três caminhoneiros saíram de Jaru, em Rondônia, com destino ao Distrito Federal às 13h de sexta-feira (1). Eles percorreram mais de 2,2 mil quilômetros sem parar. Foram duas noites e um dia até chegarem ao destino. “Viemos porque somos brasileiros e queremos defender a pátria. Nós queremos óleo diesel abaixo de R$ 3 e gasolina a R$ 3,15”, diz Edecarlos Sena, 38 anos. De acordo com ele, as reivindicações se estendem ao etanol e ao Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), o gás de cozinha.


O caminhoneiro esclarece que o ímpeto de chegar à capital partiu de áudios e mensagens disseminadas em grupos nas redes sociais. “Achei que teria mais caminhoneiros. Me decepcionei. Isso é uma briga de todos”, afirma o homem, que conduz caminhões pelas estradas brasileiras há 18 anos. Assim como os demais colegas, Edemar não sabe quem lidera o ato, mas relativiza: “caminhoneiros não têm liderança mesmo”.Caminhoneiros de Rondônia percorreram mais de 2,2 mil quilômetros. Foto: Jéssica Antunes/Jornal de Brasília

Expectativa de 30 mil

Os motoristas começaram a se reunir na sexta e esperam, ainda neste domingo, que o movimento tome corpo com a chegada de representantes do movimento de outros estados. Por enquanto, a aglomeração é tímida, com placas do DF, Minas Gerais, Goiás e São Paulo. A expectativa é que cerca de 30 mil motoristas se juntem ao ato.

Nas redes sociais, um manifesto é convocado para segunda-feira. As mensagens, sem origem clara, pedem para que a população faça estoque de alimentos e encham os tanques dos veículos. Isso porque uma nova paralisação poderia causar novo desabastecimento.

O governo federal chegou a produzir vídeos para redes sociais em que nega a notícia de que haverá novo movimento de paralisação dos caminhoneiros nos próximos dias. A Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social diz que está acompanhando a movimentação dos caminhoneiros no Estádio Nacional Mané Garrincha.

O 3º Batalhão de Polícia Militar monita o local e os manifestantes. Segundo a corporação, não há nenhum protesto previsto para hoje e o grupo não tem um planejamento específico para os protestos.

Entidades não reconhecem

Um áudio atribuído ao presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes, pede que os 700 mil filiados não participem do protesto. Ele temeria que novos atos prejudiquem o acordo firmado com o governo federal. “Peço aos caminhoneiros de bem que não se envolvam em manifestações que coloquem em risco o que conseguimos. O governo cumpriu a parte dele, e o movimento acabou. Nossas reivindicações foram atendidas”, diz a gravação.

Ainda no áudio, a voz que seria do presidente diz que não tem conhecimento de quem organiza o protesto ou quais os reais interesses. O Jornal de Brasília não conseguiu contato com o presidente da entidade. No Distrito Federal, o Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos afirmou que desconhece a liderança dos atos e não incentiva participação de filiados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.