Pular para o conteúdo principal

Sem cronograma ou liderança, caminhoneiros se reúnem em Brasília- Dezesseis veículos estão no Mané Garrincha neste domingo (3), mas 30 mil devem participar de atos indefinidos.

HÁ 3 HORAS

Foto: Jéssica Antunes/Jornal de Brasília

Jessica.antunes@grupojbr.com

Sem cronograma de ações ou liderança definidos, caminhoneiros de vários cantos do Brasil se reúnem no estacionamento do Estádio Nacional Mané Garrincha. Na manhã deste domingo (3), dezesseis caminhões estavam no local, mas o grupo de menos de 20 pessoas aguarda que comboios cheguem ao longo do dia, chegando a 30 mil caminhoneiros. Eles prometem novas manifestações por redução no preço dos combustíveis, mas não sabem dizer o que, quando e onde acontecerão atos na capital.

Três caminhoneiros saíram de Jaru, em Rondônia, com destino ao Distrito Federal às 13h de sexta-feira (1). Eles percorreram mais de 2,2 mil quilômetros sem parar. Foram duas noites e um dia até chegarem ao destino. “Viemos porque somos brasileiros e queremos defender a pátria. Nós queremos óleo diesel abaixo de R$ 3 e gasolina a R$ 3,15”, diz Edecarlos Sena, 38 anos. De acordo com ele, as reivindicações se estendem ao etanol e ao Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), o gás de cozinha.


O caminhoneiro esclarece que o ímpeto de chegar à capital partiu de áudios e mensagens disseminadas em grupos nas redes sociais. “Achei que teria mais caminhoneiros. Me decepcionei. Isso é uma briga de todos”, afirma o homem, que conduz caminhões pelas estradas brasileiras há 18 anos. Assim como os demais colegas, Edemar não sabe quem lidera o ato, mas relativiza: “caminhoneiros não têm liderança mesmo”.Caminhoneiros de Rondônia percorreram mais de 2,2 mil quilômetros. Foto: Jéssica Antunes/Jornal de Brasília

Expectativa de 30 mil

Os motoristas começaram a se reunir na sexta e esperam, ainda neste domingo, que o movimento tome corpo com a chegada de representantes do movimento de outros estados. Por enquanto, a aglomeração é tímida, com placas do DF, Minas Gerais, Goiás e São Paulo. A expectativa é que cerca de 30 mil motoristas se juntem ao ato.

Nas redes sociais, um manifesto é convocado para segunda-feira. As mensagens, sem origem clara, pedem para que a população faça estoque de alimentos e encham os tanques dos veículos. Isso porque uma nova paralisação poderia causar novo desabastecimento.

O governo federal chegou a produzir vídeos para redes sociais em que nega a notícia de que haverá novo movimento de paralisação dos caminhoneiros nos próximos dias. A Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social diz que está acompanhando a movimentação dos caminhoneiros no Estádio Nacional Mané Garrincha.

O 3º Batalhão de Polícia Militar monita o local e os manifestantes. Segundo a corporação, não há nenhum protesto previsto para hoje e o grupo não tem um planejamento específico para os protestos.

Entidades não reconhecem

Um áudio atribuído ao presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes, pede que os 700 mil filiados não participem do protesto. Ele temeria que novos atos prejudiquem o acordo firmado com o governo federal. “Peço aos caminhoneiros de bem que não se envolvam em manifestações que coloquem em risco o que conseguimos. O governo cumpriu a parte dele, e o movimento acabou. Nossas reivindicações foram atendidas”, diz a gravação.

Ainda no áudio, a voz que seria do presidente diz que não tem conhecimento de quem organiza o protesto ou quais os reais interesses. O Jornal de Brasília não conseguiu contato com o presidente da entidade. No Distrito Federal, o Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos afirmou que desconhece a liderança dos atos e não incentiva participação de filiados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…