Pular para o conteúdo principal

STF suspende voto impresso


Imagem: Reprodução 




















A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal votou nesta quarta-feira (6/6) pela 
concessão de liminar suspendendo o voto impresso nas eleições de outubro. Os ministros
 entendem que a medida afronta a Constituição porque fere o sigilo do voto e também 
o princípio da razoabilidade.

Votaram contra o voto impresso os ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luís 
Roberto Barroso, Marco Aurélio, Rosa Weber e Ricardo Lewandowski . Relator da ação,
 o ministro Gilmar Mendes defendeu que não há inconstitucionalidade na impressão do
 voto, mas que a implementação seria gradual e dependeria da disponibilidade de 
recursos do Tribunal Superior Eleitoral. Ele foi seguido por Dias Toffoli. Faltam votos de 
Celso de Mello e Cármen Lúcia.


Os ministros discutem a ação direta de inconstitucionalidade (ADI) 5889, apresentada 
pela Procuradoria Geral da República contra parte da lei aprovada em 2015 que 
estabelece o voto impresso. A PGR sustenta ao STF que a obrigatoriedade de
 impressão do voto representa um retrocesso para o processo eleitoral, amplia a
 possibilidade de fraudes, além de ser uma ameaça ao sigilo da manifestação do
 eleitor.

O MPF questiona especificamente o artigo 59-A que passou a fazer parte da chamada 
Lei das Eleições, em setembro de 2015, quando o Congresso Nacional aprovou
 uma minirreforma eleitoral. O texto legal prevê a adoção de uma nova sistemática
 segundo a qual, cada voto deverá ser impresso de forma automática pela urna 
eletrônica e, após a conferência do eleitor, depositado diretamente em local 
previamente lacrado. No entanto, para a procuradora-geral, essa medida não
 garante o anonimato e a preservação do sigilo, previsto na Constituição Federal.

“A norma não explicita quais dados estarão contidos na versão impressa do voto, o 
que abre demasiadas perspectivas de risco quanto à identificação pessoal do eleitor, 
com prejuízo à inviolabilidade do voto secreto”, afirma em um dos trechos do documento.

Em abril, o TSE chegou a assinar um contrato de R$ 57 milhões para instalar impressoras
 em apenas 30 mil urnas eletrônicas, 5% do total. Segundo cálculo da Corte Eleitoral, 
a implementação do voto impresso para todos os eleitores teria um custo de R$ 2 bilhões.
  A adoção do voto eletrônico teve início no Brasil nas eleições de 1996, quando 35% 
das urnas foram informatizadas. Desde o ano 2000, todas as urnas são eletrônicas, 
sem impressão do voto.

Em 2009, o STF considerou inconstitucional um dispositivo com propósito semelhante 
que havia sido aprovado pelo Legislativo em 2009. Na época, a justificativa para a rejeição 
da norma foi o risco que a medida representava à segurança do processo eleitoral.

Folha Politica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Brasileiros são acusados de machismo e racismo na Copa da Rússia

Em vídeo viral, um grupo de homens se aproveita do fato de uma jovem russa não saber português para assediar a moça





A Copa da Rússia mal começou e algumas atitudes de torcedores brasileiros provocaram reações inflamadas na internet. Em um vídeo publicado na noite de sábado (16/6), alguns homens se aproximaram de uma jovem estrangeira, aparentemente russa, e fizeram uma gravação com ela. Nas redes sociais, o ato foi apontado como uma demonstração de machismo e racismo. Entre outros impropérios, o grupo cantou “essa buceta é bem rosinha”, referindo-se à cor da mulher. A moça, que obviamente não entende uma única palavra em português, cantou junto a eles, sem ter noção do desrespeito. A objetificação pela qual a estrangeira passa – uma pessoa é reduzida aos órgãos genitais – foi considerada ofensiva pelos internautas. Além do machismo alarmante, tendo em vista que um grupo de adultos achou por bem fazer comentários grotescos sobre o corpo de uma desconhecida na rua, há indícios de racismo…

Veja a lista dos deputados que querem uma CPI para acabar com a Lava Jato

O PT está no centro da articulação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) com o objetivo de investigar a suposta venda de “proteção” em delações premiadas por parte de advogados e delatores. Trata-se da "CPI das delações", com potencial para afetar os trabalhos da operação Lava Jato e até extingui-la. 

Segundo o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), trata-se de uma investigação sobre a "indústria da delação". Os pontos de partida serão as delações dos doleiros Vinícius Claret, o Juca Bala, e Cláudio de Souza, integrantes do esquema comandado por Dario Messer, chamado de “doleiro de todos os doleiros”, que acusam o advogado Antonio Figueiredo Basto, um dos maiores especialistas do País em colaborações premiadas, de cobrar uma “taxa de proteção” de US$ 50 mil mensais (cerca de R$ 185 mil) de outros integrantes do esquema entre 2005 e 2013.
Veja quem são os deputados que assinaram o pedido: 


Cármen Lúcia arquiva processo sobre menção de Joesley a ministros do STF Presidente do STF determinou extinção da investigação aberta, a pedido dela, para apurar citação a ministros na delação de executivos da empresa JBS Por Agência Brasil

Cármen Lúcia: "Não poderia pender qualquer tipo de mais leve dúvida sobre a conduta daqueles que compõe, que integram este Supremo Tribunal Federal" (Rosinei Coutinho/SCO/STF/Agência Brasil) A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, informou, na abertura da sessão plenária desta quinta-feira (21), ter determinado a extinção e o arquivamento definitivo da investigação aberta, a pedido dela, pela Polícia Federal, para apurar citação a ministros da Corte na delação de executivos da empresa JBS, do grupo J&F. A decisão foi tomada após o diretor-geral da PF, Rogério Galloro, entregar o relatório final das investigações à Cármen Lúcia. De acordo com o documento, “não foram encontradas gravações que indicassem qualquer participação de ministros do Supremo Tribunal Federal envolvidos e ou citados em qualquer ato ilícito”. Com base no relatório da PF, Cármen Lúcia afirmou que “não houve, não há qualquer dúvida, que tenha sido extraída de qualquer doc…