Pular para o conteúdo principal

STF suspende voto impresso


Imagem: Reprodução 




















A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal votou nesta quarta-feira (6/6) pela 
concessão de liminar suspendendo o voto impresso nas eleições de outubro. Os ministros
 entendem que a medida afronta a Constituição porque fere o sigilo do voto e também 
o princípio da razoabilidade.

Votaram contra o voto impresso os ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luís 
Roberto Barroso, Marco Aurélio, Rosa Weber e Ricardo Lewandowski . Relator da ação,
 o ministro Gilmar Mendes defendeu que não há inconstitucionalidade na impressão do
 voto, mas que a implementação seria gradual e dependeria da disponibilidade de 
recursos do Tribunal Superior Eleitoral. Ele foi seguido por Dias Toffoli. Faltam votos de 
Celso de Mello e Cármen Lúcia.


Os ministros discutem a ação direta de inconstitucionalidade (ADI) 5889, apresentada 
pela Procuradoria Geral da República contra parte da lei aprovada em 2015 que 
estabelece o voto impresso. A PGR sustenta ao STF que a obrigatoriedade de
 impressão do voto representa um retrocesso para o processo eleitoral, amplia a
 possibilidade de fraudes, além de ser uma ameaça ao sigilo da manifestação do
 eleitor.

O MPF questiona especificamente o artigo 59-A que passou a fazer parte da chamada 
Lei das Eleições, em setembro de 2015, quando o Congresso Nacional aprovou
 uma minirreforma eleitoral. O texto legal prevê a adoção de uma nova sistemática
 segundo a qual, cada voto deverá ser impresso de forma automática pela urna 
eletrônica e, após a conferência do eleitor, depositado diretamente em local 
previamente lacrado. No entanto, para a procuradora-geral, essa medida não
 garante o anonimato e a preservação do sigilo, previsto na Constituição Federal.

“A norma não explicita quais dados estarão contidos na versão impressa do voto, o 
que abre demasiadas perspectivas de risco quanto à identificação pessoal do eleitor, 
com prejuízo à inviolabilidade do voto secreto”, afirma em um dos trechos do documento.

Em abril, o TSE chegou a assinar um contrato de R$ 57 milhões para instalar impressoras
 em apenas 30 mil urnas eletrônicas, 5% do total. Segundo cálculo da Corte Eleitoral, 
a implementação do voto impresso para todos os eleitores teria um custo de R$ 2 bilhões.
  A adoção do voto eletrônico teve início no Brasil nas eleições de 1996, quando 35% 
das urnas foram informatizadas. Desde o ano 2000, todas as urnas são eletrônicas, 
sem impressão do voto.

Em 2009, o STF considerou inconstitucional um dispositivo com propósito semelhante 
que havia sido aprovado pelo Legislativo em 2009. Na época, a justificativa para a rejeição 
da norma foi o risco que a medida representava à segurança do processo eleitoral.

Folha Politica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cid Moreira reaparece e comove o Brasil: ”Vivo minha fase final”

Apresentador que marcou a história do ‘Jornal Nacional’ fala sobre os 90 anos. Famoso durante muito tempo por dar o ‘boa noite’’ no ‘’Jornal Nacional’’, Cid Moreira agora é mais conhecido por ser a ‘’’voz de Deus’’ [VIDEO]. Aos 90 anos de idade, o jornalista investe o seu tempo nas narrações de textos bíblicos e comove milhares de cristãos. Cid Moreira recusou-se a fazer propaganda milionária ao lado de Fátima Bernardes Cid é casado com Fátima Moreira há 16 anos e deu uma entrevista ao portal de notícias UOL sobre o fato de estar completando 90 anos com a saúde em dia. “Vivo minha fase final”, afirmou. Entre os muitos fatos pitorescos de sua vida narrados na reportagem, Moreira revela que se recusou a receber R$ 2 milhões para fazer uma propaganda de carne ao lado de Fátima Bernardes. A celebridade, na época, teria recebido R$ 5 milhões para o comercial. O jornalista também chegou a injetar silicone líquido no rosto, o que o fez quase perder a visão de um dos olhos. Filho processa Ci…

Renan se recusa a receber notificação do STF sobre afastamento da presidência do Senado Oficial de Justiça não consegue entregar notificação na residência oficial

Renan se recusa a receber notificação do STF sobre afastamento da presidência do Senado Foto: Andre Coelho / Agência O Globo BRASÍLIA - O oficial do Supremo Tribunal Federal (STF) foi na noite desta segunda-feira à residência oficial do Senado para entregar ao senador Renan Calheiros (PMDB-AL) a notificação da decisão do ministro Marco Aurelio Melo sobre o afastamento da presidência do Senado. Renan se recusou a receber o oficial. O peemedebista foi até a porta e voltou sem a notificação. O oficial saiu alguns minutos depois com os papéis na mão. Segundo o secretário geral da mesa Senado, Bandeira de Melo, Renan alegou que não se pode receber notificação judicial após as 18h, segundo a lei. Perguntado sobre como Renan reagiu à decisão do ministro do Supremo, o líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira, disse que ele está tranquilo e que vai receber a notificação amanhã às 11h. - Normalíssimo, frio, traquilo. Marcou para receber a notificaçao amanhã às 11 horas. Há um entra e sai de ca…

Jair Bolsonaro revoga nomeações de Michel Temer

Bolsonaro revogou quatro nomeações do ex-presidente Michel Temer e nomeou seus novos diretores, que não precisarão de escrutínio dos senadores. Por meio de medida provisória publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro revogou a exigência de o Senado sabatinar os diretores do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), registra o “Estadão“. A revogação da sabatina dos diretores está no art. 85, II, c, que revoga o art. 88, parágrafo único, da Lei 10.233. “Os diretores deverão ser brasileiros, ter idoneidade moral e reputação ilibada, formação universitária, experiência profissional compatível com os objetivos, atribuições e competências do DNIT e elevado conceito no campo de suas especialidades, e serão indicados pelo ministro de estado dos Transportes e nomeados pelo presidente da República”, diz o texto. Há apenas cinco meses no cargo, o diretor-geral José da Silva Tiago foi substituído pelo general Antônio Leit…