Pular para o conteúdo principal

Supremo cria 'área vip' para embarque de ministros no aeroporto de Brasília


Imagem: Ailton de Freitas / O Globo



















Por segurança, o Supremo Tribunal Federal (STF) contratou uma área especial de
 embarque para os integrantes da Corte no Aeroporto Internacional Juscelino
 Kubitschek, em Brasília. De acordo com o tribunal, o aluguel da nova área, 
diferente da sala que a Corte tinha anteriormente no terminal de passageiros, 
ocorreu para garantir a proteção dos ministros. O espaço, que tem um custo anual 
de R$ 374,6 mil, funciona desde julho do ano passado.


“Toda a questão em torno do uso do embarque no Terminal 2 está relacionado à 
segurança dos ministros”, explicou a assessoria do Supremo, ao ser procurada.


Os ministros do Supremo ganharam notoriedade nos últimos anos. 
A exposição que vinha desde o julgamento do mensalão cresceu com a chegada
 dos casos da Lava-Jato à Corte e alguns ministros passaram a ser hostilizados.
 Relator da Lava-Jato, o ministro Edson Fachin revelou em março que havia 
pedido auxílio da Polícia Federal para investigar ameaças dirigidas a sua família.
 O relator da Lava-Jato passou a andar com seguranças armados desde então.


- Nos dias atuais, uma das preocupações que tenho não é só com julgamentos,
 mas também com a segurança de membros de minha família. Tenho tratado 
deste tema e de ameaças que têm sido dirigidas a membros de minha família 
- disse Fachin em entrevista à Globonews.


Em abril, militantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra vandalizaram 
o prédio onde a presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, tem um apartamento, 
em Belo Horizonte (MG).


Um dos ministros da Corte disse ao jornal O Globo, sob a condição do anonimato, 
que costuma usar a estrutura do tribunal apenas em viagens de trabalho. Em viagens
 privadas, ele costuma recorrer ao terminal de embarque com os demais passageiros.


– Quando viajo para compromisso institucional, sigo o protocolo de segurança. 
Em viagens privadas, uso o terminal de embarque do aeroporto. 
O ponto é apenas evitar a circulação por dentro do aeroporto. Eu prefiro ir de van
 para o portão, onde entro na fila de prioridades, por ter cartão fidelidade. Já houve
 momentos de maior hostilidade, em que se entrava pela escada lateral. 
Mas é pior – diz o ministro.


Em nota, o Supremo afirma que a nova área de embarque foi criada depois que o
 antigo contrato de aluguel da sala de espera do tribunal, dentro do aeroporto, venceu.
 O Supremo diz ter tentado se desfazer da sala e assegurar, no entanto, as credenciais
 de segurança para acesso livre às áreas restritas do aeroporto, o que foi negado.


“O contrato de aluguel na antiga sala do Terminal 1 estava encerrando na gestão 
da Ministra Cármen Lúcia e o tribunal tentou manter as credenciais de acesso dos
 seguranças à área restrita do aeroporto sem a necessidade da sala, mas não 
conseguimos”, diz o Supremo em nota.

Folha Política

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

Justiça condena Juca Kfouri a pagar R$ 30 mil a Bolsonaro

A 26ª Câmara Cível do Rio determinou que Juca Kfouri e a ESPN paguem indenização de R$ 30 mil, mais correção e juros, por dano moral a Jair Bolsonaro, informa a Veja.

O presidenciável, porém, terá de indenizar o jornalista em R$ 6.000.

O caso começou em 2016, quando Kfouri criticou o comportamento de dois torcedores do Fluminense, comparando-os a torturadores e dizendo que deviam ser apoiadores de Bolsonaro.



Em resposta, o deputado gravou um vídeo com a camisa do Fluminense em que dizia que o jornalista estava “merecendo levar uns tabefes pra aprender a ser homem”.

Em seguida, Bolsonaro entrou com a ação por dano moral, alegando que na vida militar jamais participou de tortura. Na defesa, Kfouri negou ofensa à honra do hoje presidenciável.

RedeTV retirou o púlpito vazio de Lula por exigência de Bolsonaro

O púlpito vazio de Lula foi retirado pela RedeTv, após protesto de Jair Bolsonaro, que ameaçou não participar do debate.

 A Emissora consultou os demais concorrentes que concordaram segundo Igor Gadelha, da Crusoé.

 Diante dessa situação constrangedora, Bolsoanro tem moral mesmo sem ser o presidente, mas pode ser ainda no primeiro turno.