Pular para o conteúdo principal

Toffoli nega habeas corpus a homem preso pelo furto de uma bermuda de R$ 10


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O princípio da insignificância não deve ser aplicado quando o réu for reincidente. O entendimento foi aplicado pelo ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, em pedido de Habeas Corpus impetrado pela Defensoria Pública da União em favor de um homem que, em 2011, furtou uma bermuda de R$ 10, em Minas Gerais.

O HC questionava decisão do ministro Rogério Schietti, do Superior Tribunal de Justiça. Na primeira instância, o homem foi condenado a 1 ano e 7 meses de prisão em regime fechado.

No STF, a Defensoria da União alegou que ele é dependente químico, que vive na rua e que devolveu a peça de roupa. A partir disso, pediu a aplicação do princípio da insignificância porque não teria havido qualquer prejuízo à loja de onde a bermuda foi furtada.

Prática reiterada

Para a 6ª Turma do STJ, o paciente seria "contumaz na prática de crimes contra o patrimônio", o que impede a aplicação do princípio da insignificância, conforme jurisprudência da corte. 

Dias Toffoli já havia negado a liminar, em 2017, quando também pediu vista à Procuradoria-Geral da República por considerar a impetração instruída. No parecer, subprocurador-Geral da República, Edson Oliveira de Almeida, defendeu o reconhecimento da "atipicidade da conduta".

Ao analisar o agravo, Toffoli afirmou não ser possível acatar a tese de irrelevância material e citou outros HCs, de relatoria do ministro Luís Roberto Barroso, em que foi consolidado o entendimento no sentido de que "a habitualidade delitiva específica ou a reincidência, obstam a aplicação do princípio da insignificância".

Politica na Rede

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zanin complica mais a situação de Lula e ganha “aula de direito” de Marcelo Odebrecht (Veja o Vídeo)

A situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é praticamente insanável, sem solução, ou, melhor dizendo, indefensável. Sepúlveda Pertence, quando entrou na causa, logo percebeu a enorme gravidade. Imediatamente começou a costurar um acordo no Supremo Tribunal Federal (STF), o acordo possível na época: Prisão domiciliar e Lula quieto, respeitando o Poder Judiciário, sem mais afrontas. Felizmente para a boa Justiça, Zanin existe e conseguiu estragar tudo. Continuou pregando a inocência do meliante petista, alimentado pelas sandices de Gleisi Hoffmann, Lindbergh Farias, Paulo Pimenta e Wadih Damous. Um idiota completo. Na sequência, destratou Sepúlveda e abriu crise na defesa do presidiário. Diante de tais fatos, o ex-ministro entendeu que já havia feito o serviço para o qual havia sido remunerado, não logrou êxito em função da interferência do abobalhado causídico, e assim caiu fora.
Zanin permaneceu na defesa de Lula, ao lado da esposa, uma pobre coitada, de parcos conheciment…

Miriam Leitão leva invertida ao vivo de Cristiana Lobo (Veja o Vídeo)

A jornalista Miriam Leitão parece que partiu para um processo de autodestruição. A credibilidade que ainda detinha está se esvaindo completamente. Elementar! Miriam agora faz um jornalismo que tem alvo. O alvo evidentemente é Jair Bolsonaro. Fica difícil opinar com coerência com o coração cheio de ódio. Nesse sentido, mesmo diante da vitória acachapante de Bolsonaro, a jornalista diuturnamente tenta desconstruir a imagem ou diminuir a força do presidente eleito. Sua última tática foi patética. Miriam tentou demonstrar uma suposta relevância do resultado obtido pelo PT na região Nordeste. Para tanto, mentiu, foi desmentida, tentou se corrigir, mas se deu muito mal. Veja o vídeo:

“Se tem um ser humano que eu desprezo, chama-se Gleisi Hoffmann”, diz Roberto Justus (Veja o Vídeo)

A senadora Gleisi Hoffmann é quase uma unanimidade. Ninguém a suporta. Impressionante como uma mulher consegue nutrir o dom de gerar tanto asco. Mesmo pessoas que não desenvolvem qualquer atividade político-partidária não suportam o jeito e o comportamento da petista, evidenciado por seu extremo e ilimitado mau-caratismo. Até no PT, Gleisi já angariou inúmeras antipatias. O próprio ex-presidenciável Fernando Haddad não a tolera. Não é pra menos, Gleisi trabalhou sorrateiramente contra a candidatura de Haddad e hoje é um obstáculo pesado para a sua sobrevivência política. O empresário Roberto Justus, uma pessoa isenta, totalmente sem ligações políticas, definiu a petista com extrema precisão. Veja o vídeo: Jornal da Cidade otto@jornaldacidadeonline