Pular para o conteúdo principal

As manobras retóricas do desembargador que mandou soltar Lula

Na decisão em que mandou soltar Lula, o desembargador Rogério Favreto trata a execução provisória da pena (prisão em segunda instância) como se fosse prisão preventiva (cautelar), para a qual cobra fundamentação que explicite a sua necessidade, tendo por base os requisitos previstos no artigo 312 do Código de Processo Penal (para prisão preventiva).
É a mesma manobra usada por Ricardo Lewandowski na Segunda Turma do STF para contrariar a decisão de 2016 do plenário de autorizar que tribunais de segunda instância de todo o país mandem prender os criminosos que condenaram.
Favareto alude também ao artigo 93, IX da Constituição Federal, segundo o qual “todos os julgamentos dos órgãos do Poder Judiciário serão públicos, e fundamentadas todas as decisões, sob pena de nulidade”. O artigo diz, portanto, que decisões judiciais precisam ser fundamentadas, não que a execução da pena após condenação em segunda instância precisa ser justificada para além da fundamentação presente na comprovação dos crimes cometidos pelo acusado.
Pela manobra de Favreto e Lewandowski, portanto, não bastaria ao tribunal ter provado os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro de Lula relativos ao triplex do Guarujá; seria preciso também ter justificado como sua prisão garante a ordem pública ou econômica, a conveniência da instrução criminal e a aplicação da lei penal.
É uma manobra política baseada em uma série de manobras retóricas, que culminam na menção ao suposto “duplo cerceamento de liberdade”:
1)    “direito próprio e individual como cidadão de aguardar a conclusão do julgamento em liberdade” – ou seja: Favreto atropela a decisão do plenário do STF de autorizar a prisão de condenados em segunda instância.
2)   “direito político de privação de participação do processo democrático das eleições nacionais” – ou seja: Favreto, na pressa de soltar Lula, inseriu a palavra “privação” na frase e acabou escrevendo o contrário do que pretendia, como se alegasse que Lula tem o “direito político de privação” de sua candidatura presidencial.
É o único momento de sensatez – involuntária, claro – da decisão. Um presidiário tem mesmo de ser privado de fazer campanha em liberdade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O sumiço da Faca e o registro na Câmara: Adelio não agiu sozinho, alerta Alexandre Garcia (Veja o Vídeo)

Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados.

Após o golpe em Jair Bolsonaro, Adelio se livrou rapidamente da faca. Tudo indica que repassou para alguém, tanto é que a ‘arma branca’ foi encontrada numa barraca de ambulante, nas imediações. Alguém jogou esta faca onde foi achada. Parece óbvio. A questão do registro na Câmara também deve ser cuidadosamente examinada. Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados. O diretor do setor alega que um recepcionista registrou por engano a entrada de Adélio Bispo de Oliveira no local, no dia 6 de setembro, o dia do atentado contra Jair Bolsonaro. Ora, foram constatados os registros de duas entradas do criminoso. O tal servidor registrou por engano duas vezes? E o nome do servidor distraído agora é mantido sob sigilo? Parece óbvio que caso o atentado tivesse sido exitoso e no meio da multidão Adelio alcançasse a fuga, o álibi estaria pronto. Esse era o plano e isto parece bem claro. Veja o vídeo…

Alvaro Dias chama Bolsonaro de “vagabundo bandido” e “quase morto” e recebe resposta do senador Magno Malta

Sem saber que estava sendo gravado, Álvaro Dias aproveitou para destilar todo o seu veneno com comentários maldosos sobre Jair Bolsonaro. O candidato do Podemos afirmou que Bolsonaro é um “vagabundo bandido” e que ‘ta quase morto”. Ainda no mesmo trecho, Dias afirma que “se não fosse a facada eu estaria destruindo ele hoje.”
Alvaro Dias ataca Bolsonaro e recebe A RESPOSTA de Magno Malta

ADÉLIO NA TV- A defesa de Adélio Bispo de Oliveira, pede autorização a juíz, para que Adélio de entrevista a um programa de televisão

Por Claudio Dantas  ( O Antagonista) A defesa de Adélio Bispo de Oliveira, que tentou matar Jair Bolsonaro, pediu ao juiz Bruno Savino, da 3ª Vara da Justiça Federal de Juiz de Fora (MG), autorização para que o criminoso conceda entrevista a um programa de televisão.
O MPF se manifestou pelo encaminhamento do pedido à Direção da Penitenciária Federal de Campo Grande (MS), onde Adélio está custodiado. Savino concordou.