Pular para o conteúdo principal

Cristão ex-muçulmano da Ásia Central é vigiado por segurança nacional


Samir, que trabalha de forma ativa no campo, teve a casa revistada e foi questionado sobre impressão de materiais

Fonte: Portas Abertas 

Cristão ex-muçulmano da Ásia Central é vigiado por segurança nacional
Samir* é um cristão ex-muçulmano da Ásia Central que trabalha de forma ativa em nosso campo. Ele está envolvido em tradução de literatura, impressão de materiais de evangelização e projetos de distribuição. Há alguns dias, pessoas do Serviço de Segurança Nacional foram à casa de Samir. Lá eles revistaram tudo e o questionaram sobre alguns “materiais impressos”.
Eles pareciam saber exatamente sobre o que falavam e procuravam, dando entender que tinham conhecimento do material que usamos no ministério. Como Samir é muito cuidadoso, não mantinha nada em casa. Sendo assim, eles não encontraram nada, mas esse foi um lembrete sério sobre a importância da segurança.
Pessoas de nossa confiança no país acham que alguém da igreja de Samir ou mesmo do ministério fornece informações para as autoridades sobre as atividades missionárias e de evangelização. Por conta disso, foi decidido que Samir se afastará do ministério por um período pelo bem dele e da família. Dessa forma também podemos manter em segurança o trabalho realizado no país. Ele continuará frequentando a igreja, mas por ainda ser vigiado pelos serviços de segurança, precisa de nossas orações.
Pedidos de oração
- Ore pela segurança de Samir e da família dele. Peça que tenham sabedoria em como se comportar nessa situação.
- Que eles possam resistir à pressão imposta pelas autoridades e serviços de segurança.
- Peça ainda que o Espírito Santo garanta a eles paz e que possam manter a fé em Cristo.
*Nome alterado por segurança.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.