Pular para o conteúdo principal

Discurso de Janaína Paschoal causou pânico no establishment


O discurso de Janaína Paschoal na convenção do PSL, que lançou Jair Bolsonaro na disputa pela presidência da República, causou pânico na grande mídia e na esquerda, ou seja, no establishment. 
Foi notável que logo após a fala da jurista no evento, a grande mídia tratou de tentar joga-la contra o partido. Teve grande mídia dizendo que ela irritou aliados. Teve outra dizendo que ela criticou os eleitores de Bolsonaro. 
No entanto, como já estamos cansados de saber, quando a grande mídia critica algo, é porque esse é o caminho certo. 
Filipe Martins, no Twitter, explicou o porquê deste discurso ter incomodando tanto a velha imprensa. 

Confira em 7 tuítes:




1. O discurso da Janaína está cumprindo um papel importante na transição da campanha do Deputado Jair Bolsonaro.
2. Além de oferecer a oportunidade para um avanço dialético na direção da conquista dos indecisos, o discurso representou um contraste com discursos como o do Major Olímpio, permitindo que o Bolsonaro desempenhasse o papel de unificador e líder de grupos distintos e divergentes.


3. O próximo passo será convencê-la em público, numa situação que ela representará todo o eleitorado indeciso (a primeira de muitos), criando a atmosfera adequada para que os indecisos, os receosos, os desanimados e outros eleitores se aproximem da candidatura do parlamentar.
4. A discussão em torno do episódio também acaba por pautar a discussão pública, controlando o ciclo de notícias e tirando toda a atenção das outras convenções e dos outros candidatos.



5. O ocorrido também escancara que a composição da chapa não está sendo feita por meio de uma esquemão espúrio, como o que está ocorrendo no caso das demais, mas sim pela construção de uma aliança real e efetiva.
6. Por fim, essa situação toda também contribui para quebrar a narrativa de que o candidato é machista, já que sua provável vice não apenas é uma mulher como é uma mulher que tem a liberdade de divergir em público, sem deixar de ser tratada com carinho e respeito por ele.



7. Diante disso tudo, não importa o que a mídia ou os demais candidatos diga, eles são apenas uma peça numa grande trama sobre outro personagem, que segue os atropelando e os vencendo com inteligência e estratégia, mesmo possuindo pouquíssimos recursos.


Papo TV 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tite se recusa a encontrar Jair Bolsonaro

Enquanto a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) tenta se aproximar de Jair Bolsonaro, o técnico Tite quer distância do presidente eleito. Ao ser questionado se aceitaria encontrar o presidente eleito Jair Bolsonaro em solenidade oficial antes ou depois da Copa América, o treinador foi direto. Segundo informações da “Folha“, Tite afirmou: Não. Eu continuo com a mesma opinião. A minha atividade não se mistura e eu não me sinto confortável em fazer essa mistura. Não. Curiosamente, em 2012, após vencer a taça Libertadores da América no comando do Corinthians, o técnico Tite não viu problemas em visitar o então presidente petista Luiz Inácio Lula da Silva.

Viagem em jatinho pode ter tirado Magno Malta do ministério de Bolsonaro

Magno Malta parece ter saído da lista de ministeriáveis após Jair Bolsonaro receber informações de que ele viajou em aeronave sem informar a Justiça Eleitoral. O presidente eleito Jair Bolsonaro decidiu cortar da lista de possíveis ministros o senador Magno Malta (PR-ES) após receber informações de que o aliado fez viagens para aproximar o empresário Eraí Maggi da campanha do PSL. Malta também teria utilizado sua proximidade com Bolsonaro para defender nomes que poderiam compor um eventual governo. Chegou ao conhecimento do futuro chefe de Estado que o empresário Maggi teria colocado à disposição de Malta um jatinho particular para alguns deslocamentos e ainda aberto sua fazenda para encontro com ruralistas. Malta não registrou deslocamentos em jatinhos do empresário nas prestações de conta ao TSE.

Quem é o passageiro que Lewandowski mandou prender em voo

O passageiro levado pela Polícia Federal a mando de Ricardo Lewandowski durante voo da Gol é o advogado Cristiano Caiado Acioli, filho da subprocuradora Helenita Caiado – que chegou a presidir o CNMP.

Em vídeo que O Antagonista reproduziu mais cedo, Acioli chama Lewandowski e diz: “O Supremo é uma vergonha, viu? Eu tenho vergonha de ser brasileiro quando eu vejo vocês.”

Depois, em novo vídeo, protestou por ter seu direito de expressão cerceado.

Votou em Jair Bolsonaro. O Antagonista