Pular para o conteúdo principal

Discurso de Janaína Paschoal causou pânico no establishment


O discurso de Janaína Paschoal na convenção do PSL, que lançou Jair Bolsonaro na disputa pela presidência da República, causou pânico na grande mídia e na esquerda, ou seja, no establishment. 
Foi notável que logo após a fala da jurista no evento, a grande mídia tratou de tentar joga-la contra o partido. Teve grande mídia dizendo que ela irritou aliados. Teve outra dizendo que ela criticou os eleitores de Bolsonaro. 
No entanto, como já estamos cansados de saber, quando a grande mídia critica algo, é porque esse é o caminho certo. 
Filipe Martins, no Twitter, explicou o porquê deste discurso ter incomodando tanto a velha imprensa. 

Confira em 7 tuítes:




1. O discurso da Janaína está cumprindo um papel importante na transição da campanha do Deputado Jair Bolsonaro.
2. Além de oferecer a oportunidade para um avanço dialético na direção da conquista dos indecisos, o discurso representou um contraste com discursos como o do Major Olímpio, permitindo que o Bolsonaro desempenhasse o papel de unificador e líder de grupos distintos e divergentes.


3. O próximo passo será convencê-la em público, numa situação que ela representará todo o eleitorado indeciso (a primeira de muitos), criando a atmosfera adequada para que os indecisos, os receosos, os desanimados e outros eleitores se aproximem da candidatura do parlamentar.
4. A discussão em torno do episódio também acaba por pautar a discussão pública, controlando o ciclo de notícias e tirando toda a atenção das outras convenções e dos outros candidatos.



5. O ocorrido também escancara que a composição da chapa não está sendo feita por meio de uma esquemão espúrio, como o que está ocorrendo no caso das demais, mas sim pela construção de uma aliança real e efetiva.
6. Por fim, essa situação toda também contribui para quebrar a narrativa de que o candidato é machista, já que sua provável vice não apenas é uma mulher como é uma mulher que tem a liberdade de divergir em público, sem deixar de ser tratada com carinho e respeito por ele.



7. Diante disso tudo, não importa o que a mídia ou os demais candidatos diga, eles são apenas uma peça numa grande trama sobre outro personagem, que segue os atropelando e os vencendo com inteligência e estratégia, mesmo possuindo pouquíssimos recursos.


Papo TV 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A gente vai dar é porrada se não respeitarem a gente", ameaça Lula, após protestos.

O Ex presidente condenado Lula, enfrentando protestos por todos os lugares por onde passa sua "caravana" pelo Sul do Brasil, subiu o tom das ameaças. Lula disse: "A gente vai dá é porrada se não respeitarem a gente", chamando os cidadãos que pedem sua prisão de fascistas.

Fico imaginando o que ele faria se estivesse no poder hoje. Seria mais um Maduro tupiniquim, um ditador cerceando a nossa liberdade e dando ração ao povo.

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.