Pular para o conteúdo principal

Embraer e Boeing correm para aprovar negócio antes da eleição Se não der tempo, será preciso reiniciar conversas com o próximo governo




Fábrica da Embraer em São José dos Campos (SP) (YASUYOSHI CHIBA/AFP)

Após anunciarem acordo para a compra de 80% do segmento de aviação comercial da Embraer pela Boeing, as empresas correm para apresentar ao governo federal o contrato da joint venture — empreendimento conjunto — que será formada pelas duas companhias.

Em conferência transmitida a investidores da empresa, o CEO da Embraer disse que o objetivo é apresentar a documentação para o governo no fim de outubro ou começo de novembro. Depois, as tratativas devem seguir para os acionistas da Embraer em dezembro. “Tudo seria ainda com essa administração (federal)”, afirmou o executivo.

Como o governo é detentor de uma golden share, ação preferencial que dá poder de veto em determinadas negociações, além da aprovação de acionistas e agências reguladoras no Brasil e em todos os países em que as empresas operam, é preciso que a presidência dê seu aval.

Se não der tempo de o presidente Michel Temer aprovar a transação, será preciso reiniciar conversas com o próximo governo, o que confere um grau de incerteza sobre o futuro do acordo.
Concorrência

As conversas entre as duas empresas são intensas desde outubro, quando a europeia Airbus anunciou a compra de 50,1% da divisão de aviação comercial da canadense Bombardier.

Em reação, a Boeing passou a visar a Embraer, que é líder no setor de aviões menores de até 150 passageiros. Hoje, a empresa brasileira tem 30% desse mercado. “A Boeing é uma empresa que detém muito mercado americano e quer fazer frente à união da Airbus e Bombardier anunciada no ano passado. Com a joint venture, a Embraer vai entrar na briga”, explica Rina Pereira, coordenadora do Ibmec.

Embraer e Bombardier são fabricantes de aviões de médio porte, com capacidade entre 100 e 150 passageiros. As duas atuam, sobretudo, em um segmento em que Boeing e Airbus não tem expertise. As gigantes são especializadas em aeronaves de grande porte.

A Embraer é uma empresa privada desde 1994. Negociada nas bolsas de valores B3, de São Paulo, e Nyse, de Nova York, tem mais investidores estrangeiros que brasileiros. Seus maiores acionistas são as americanas Brandes Investment Partners e BlackRock, que detém 14,9% e 5,50% da empresa, respectivamente, a inglesa Mondrian Investment Parners, com participação de 9,9%, e o BNDES, por meio da BNDESpar, com 5,4%. A Previ, fundo de previdência dos funcionários Banco do Brasil, tem pouco menos de 5%.

Sediada em São José dos Campos (SP), a Embraer emprega 18.443 pessoas no mundo todo. A área de aviação comercial, envolvida na transação com a Boeing, corresponde a cerca de 60% da receita líquida da empresa, que em 2017 foi de R$ 18,713 bilhões.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O sumiço da Faca e o registro na Câmara: Adelio não agiu sozinho, alerta Alexandre Garcia (Veja o Vídeo)

Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados.

Após o golpe em Jair Bolsonaro, Adelio se livrou rapidamente da faca. Tudo indica que repassou para alguém, tanto é que a ‘arma branca’ foi encontrada numa barraca de ambulante, nas imediações. Alguém jogou esta faca onde foi achada. Parece óbvio. A questão do registro na Câmara também deve ser cuidadosamente examinada. Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados. O diretor do setor alega que um recepcionista registrou por engano a entrada de Adélio Bispo de Oliveira no local, no dia 6 de setembro, o dia do atentado contra Jair Bolsonaro. Ora, foram constatados os registros de duas entradas do criminoso. O tal servidor registrou por engano duas vezes? E o nome do servidor distraído agora é mantido sob sigilo? Parece óbvio que caso o atentado tivesse sido exitoso e no meio da multidão Adelio alcançasse a fuga, o álibi estaria pronto. Esse era o plano e isto parece bem claro. Veja o vídeo…

PT atrasa pagamentos e funcionários da campanha cruzam os braços

Por causa de atraso nos pagamentos, parte dos funcionários da campanha do PT à Presidência nas eleições 2018 decidiu cruzar os braços e interrompeu os trabalhos nesta semana, em meio à substituição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Lava Jato, por Fernando Haddad como cabeça de chapa. Os profissionais integram as equipes responsáveis pela produção dos programas eleitorais do partido para a TV, o que ameaça a entrega dos novos comerciais da coligação.
O Estadão/Broadcast apurou que parte da equipe de pré e pós-produção de vídeo da campanha petista está parada há pelo menos dois dias, o que pode atrapalhar a produção de programas dedicados a apresentar Haddad como indicado de Lula, cuja candidatura foi barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), com base na lei da Ficha Limpa, que torna inelegível condenados por decisão colegiada.
A paralisação dentro da campanha começou, de maneira progressiva, na semana passada, durante o feriado de 7 de Setembro. Os co…

Alvaro Dias chama Bolsonaro de “vagabundo bandido” e “quase morto” e recebe resposta do senador Magno Malta

Sem saber que estava sendo gravado, Álvaro Dias aproveitou para destilar todo o seu veneno com comentários maldosos sobre Jair Bolsonaro. O candidato do Podemos afirmou que Bolsonaro é um “vagabundo bandido” e que ‘ta quase morto”. Ainda no mesmo trecho, Dias afirma que “se não fosse a facada eu estaria destruindo ele hoje.”
Alvaro Dias ataca Bolsonaro e recebe A RESPOSTA de Magno Malta