Pular para o conteúdo principal

Embraer e Boeing correm para aprovar negócio antes da eleição Se não der tempo, será preciso reiniciar conversas com o próximo governo




Fábrica da Embraer em São José dos Campos (SP) (YASUYOSHI CHIBA/AFP)

Após anunciarem acordo para a compra de 80% do segmento de aviação comercial da Embraer pela Boeing, as empresas correm para apresentar ao governo federal o contrato da joint venture — empreendimento conjunto — que será formada pelas duas companhias.

Em conferência transmitida a investidores da empresa, o CEO da Embraer disse que o objetivo é apresentar a documentação para o governo no fim de outubro ou começo de novembro. Depois, as tratativas devem seguir para os acionistas da Embraer em dezembro. “Tudo seria ainda com essa administração (federal)”, afirmou o executivo.

Como o governo é detentor de uma golden share, ação preferencial que dá poder de veto em determinadas negociações, além da aprovação de acionistas e agências reguladoras no Brasil e em todos os países em que as empresas operam, é preciso que a presidência dê seu aval.

Se não der tempo de o presidente Michel Temer aprovar a transação, será preciso reiniciar conversas com o próximo governo, o que confere um grau de incerteza sobre o futuro do acordo.
Concorrência

As conversas entre as duas empresas são intensas desde outubro, quando a europeia Airbus anunciou a compra de 50,1% da divisão de aviação comercial da canadense Bombardier.

Em reação, a Boeing passou a visar a Embraer, que é líder no setor de aviões menores de até 150 passageiros. Hoje, a empresa brasileira tem 30% desse mercado. “A Boeing é uma empresa que detém muito mercado americano e quer fazer frente à união da Airbus e Bombardier anunciada no ano passado. Com a joint venture, a Embraer vai entrar na briga”, explica Rina Pereira, coordenadora do Ibmec.

Embraer e Bombardier são fabricantes de aviões de médio porte, com capacidade entre 100 e 150 passageiros. As duas atuam, sobretudo, em um segmento em que Boeing e Airbus não tem expertise. As gigantes são especializadas em aeronaves de grande porte.

A Embraer é uma empresa privada desde 1994. Negociada nas bolsas de valores B3, de São Paulo, e Nyse, de Nova York, tem mais investidores estrangeiros que brasileiros. Seus maiores acionistas são as americanas Brandes Investment Partners e BlackRock, que detém 14,9% e 5,50% da empresa, respectivamente, a inglesa Mondrian Investment Parners, com participação de 9,9%, e o BNDES, por meio da BNDESpar, com 5,4%. A Previ, fundo de previdência dos funcionários Banco do Brasil, tem pouco menos de 5%.

Sediada em São José dos Campos (SP), a Embraer emprega 18.443 pessoas no mundo todo. A área de aviação comercial, envolvida na transação com a Boeing, corresponde a cerca de 60% da receita líquida da empresa, que em 2017 foi de R$ 18,713 bilhões.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Janaína Paschoal disse: " Se essa dupla acontecer será pra revolucionar o país" na chapa com Bolsonaro

Disse janaína à rádio Eldorado, sobre a possibilidade de ser vice na chapa de Jair Bolsonaero.

E mais: "Se essa dupla não consegue mudar o Brasil, ninguém consegue. São duas pessoas de personalidade muito forte. Não conheço ninguém que ame mais o Brasil do que eu. Para o país , seria algo significativo."
Sequer conhece o Bolsonaro pessoalmente.

Segundo o Antagonista a decisão de topar ou não a vaga- se o convite acontecer de fato- é "séria demais" e demandaria "um longo diálogo com o candidato".
(Convite aceito)

Advogado desiste de defender Lula

Ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e um dos principais advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Sepúlveda Pertence enviou uma carta ao petista, na sexta-feira passada, em que comunicou sua intenção de deixar a banca de defesa “com pesar”. Segundo dirigentes do PT, Pertence deixou claro que as divergências com outros advogados da causa motivaram a decisão. O manuscrito foi levado a Lula, preso em Curitiba desde 7 de abril, pelo filho de Pertence, Evandro.
Na quarta-feira, o advogado Sigmaringa Seixas se encontrou com Lula em Curitiba para falar que Pertence queria deixar a sua defesa. O ex-presidente foi reticente e disse que não aceitaria que o ex-ministro, seu amigo há 40 anos, saísse da causa.
Na sexta-feira, ao receber a carta de Evandro, Lula repetiu que era contra a renúncia de Pertence e não quis ler o documento, que ficou com ele. O petista e seu advogado devem conversar pessoalmente nos próximos dias para definirem se o medalhão permanecerá ou não na banc…

Com o bolso cheio e a moral esfacelada, Sepúlveda deixa a defesa de Lula

Lula não aceita e chamou Sepúlveda para conversar em Curitiba.
É oficial. O ex-ministro Sepúlveda Pertence não faz mais parte da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em carta, ele anunciou ‘com pesar’ sua intenção de deixar a banca de defesa. A missiva de Sepúlveda foi entregue ao presidiário por seu filho Evandro Pertence. O ex-ministro encerra assim um dos episódios mais tristes e vergonhosos de sua carreira. Sepúlveda enumera diversos episódios que teriam sido preponderantes para a sua decisão, mas o fato marcante foi sem dúvida a verdadeira humilhação a que foi submetido pelo advogado Cristiano Zanin. Segundo o jornal O Globo, Lula disse que não aceita a renúncia. Sepúlveda terá que comparecer a Curitiba para conversar com o petista. O encontro dever ocorrer no decorrer desta semana. Jornal da Cidade