Pular para o conteúdo principal

Equador expede ordem de prisão contra ex-presidente Rafael Correa


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
A Justiça do Equador expediu nesta terça-feira uma ordem de prisão contra o ex-presidente Rafael Correa (2007-2017), que vive atualmente na Bélgica, pelo não cumprimento de uma medida cautelar vinculada ao caso de uma suposta tentativa de sequestro de um ex-deputado crítico do seu governo na Colômbia em 2012. A medida veio após um pedido da Procuradoria equatoriana para que o ex-presidente fosse preso preventivamente, uma vez que Correa não vem seguindo a ordem de se apresentar a cada 15 dias à Justiça equatoriana para prestar esclarecimentos sobre o caso.
Em junho, o Congresso autorizou a investigação de Correa pelo suposto sequestro do ex-deputado Fernando Balda e, logo em seguida, a Justiça autorizou o seu indiciamento. Já nesta terça-feira, o procurador-geral Paúl Pérez solicitou a prisão preventiva de Correa à Corte Nacional de Justiça (CNJ). Ele também pediu que a Interpol fosse notificada mediante a difusão de um alerta vermelho para a sua captura e extradição. Mais tarde, a juiza Daniela Camachou "negou o pedido de revisão de medidas cautelares da defesa do ex-presidente, impôs a prisão preventiva e emitiu um alerta vermelho à Interpol", de acordo com comunicado da CNJ pela rede social Twitter.

Na segunda-feira, para tentar evitar a viagem ao Equador, Correa se apresentou num consulado equatoriano de Bruxelas. Ele vive na capital desde que deixou o poder em maio de 2017, após uma década de governo. O ex-governante afirmou que sua ação se enquadra em convenções internacionais e leis nacionais para exercer seus direitos como um residente equatoriano no exterior.

O ex-deputado do Partido Sociedade Patriótica (PSP) Fernando Balda acusa Correa de ordenar seu sequestro enquanto estava em Bogotá em 2012. Cinco pessoas o forçaram a entrar em um carro, embora a polícia colombiana tenha interceptado o veículo e impedido o sequestro.

Três agentes de Inteligência e um ex-comandante da polícia já estão detidos pelo caso. Há também uma ordem de prisão contra um ex-chefe do Ministério da Inteligência Nacional que está na Espanha e cuja extradição foi solicitada pelo Equador.

O ex-presidente, que antecipou a possibilidade de pedir asilo na Bélgica, país natal de sua mulher, sustenta que há uma "perseguição política e judicial" contra ele e que pretende cumprir com as disposições da lei.

"Sabem quanto êxito terá esta farsa a nível internacional? Não se preocupem, tudo é questão de tempo. Venceremos!", escreveu Correa nesta terça-feira, em resposta à ordem de prisão, no Twitter.

Correa integrou a triunfante onda de esquerda que sacudiu a América Latina no início do século. Ao lado do venezuelano Hugo Chávez, liderou um governo popular que reformou o Estado equatoriano, desafiou os Estados Unidos e colocou o setor mais rico e dos veículos privados de comunicação entre a cruz e a espada. Foi implacável com adversários, sendo acusado por muitos de manter um caráter autoritário.

Há um ano, ninguém acreditaria que a sorte de Correa mudaria pelas mãos de seu ex-vice-presidente e agora inimigo político: o presidente Lenín Moreno, promotor de uma consulta que enterrou grande parte do legado correísta. Na véspera da volta à Bélgica, em fevereiro (após liderar uma campanha derrotada contra um referendo de Moreno que limitou a reeleição), Correa se defendeu das suspeitas em torno da gestão das vendas antecipadas de petróleo — uma estratégia que permitiu ao Estado receber bilhões de dólares em troca da entrega posterior de petróleo, principalmente para a China, que se tornou o maior credor do país.

O Globo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zanin complica mais a situação de Lula e ganha “aula de direito” de Marcelo Odebrecht (Veja o Vídeo)

A situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é praticamente insanável, sem solução, ou, melhor dizendo, indefensável. Sepúlveda Pertence, quando entrou na causa, logo percebeu a enorme gravidade. Imediatamente começou a costurar um acordo no Supremo Tribunal Federal (STF), o acordo possível na época: Prisão domiciliar e Lula quieto, respeitando o Poder Judiciário, sem mais afrontas. Felizmente para a boa Justiça, Zanin existe e conseguiu estragar tudo. Continuou pregando a inocência do meliante petista, alimentado pelas sandices de Gleisi Hoffmann, Lindbergh Farias, Paulo Pimenta e Wadih Damous. Um idiota completo. Na sequência, destratou Sepúlveda e abriu crise na defesa do presidiário. Diante de tais fatos, o ex-ministro entendeu que já havia feito o serviço para o qual havia sido remunerado, não logrou êxito em função da interferência do abobalhado causídico, e assim caiu fora.
Zanin permaneceu na defesa de Lula, ao lado da esposa, uma pobre coitada, de parcos conheciment…

Miriam Leitão leva invertida ao vivo de Cristiana Lobo (Veja o Vídeo)

A jornalista Miriam Leitão parece que partiu para um processo de autodestruição. A credibilidade que ainda detinha está se esvaindo completamente. Elementar! Miriam agora faz um jornalismo que tem alvo. O alvo evidentemente é Jair Bolsonaro. Fica difícil opinar com coerência com o coração cheio de ódio. Nesse sentido, mesmo diante da vitória acachapante de Bolsonaro, a jornalista diuturnamente tenta desconstruir a imagem ou diminuir a força do presidente eleito. Sua última tática foi patética. Miriam tentou demonstrar uma suposta relevância do resultado obtido pelo PT na região Nordeste. Para tanto, mentiu, foi desmentida, tentou se corrigir, mas se deu muito mal. Veja o vídeo:

“Se tem um ser humano que eu desprezo, chama-se Gleisi Hoffmann”, diz Roberto Justus (Veja o Vídeo)

A senadora Gleisi Hoffmann é quase uma unanimidade. Ninguém a suporta. Impressionante como uma mulher consegue nutrir o dom de gerar tanto asco. Mesmo pessoas que não desenvolvem qualquer atividade político-partidária não suportam o jeito e o comportamento da petista, evidenciado por seu extremo e ilimitado mau-caratismo. Até no PT, Gleisi já angariou inúmeras antipatias. O próprio ex-presidenciável Fernando Haddad não a tolera. Não é pra menos, Gleisi trabalhou sorrateiramente contra a candidatura de Haddad e hoje é um obstáculo pesado para a sua sobrevivência política. O empresário Roberto Justus, uma pessoa isenta, totalmente sem ligações políticas, definiu a petista com extrema precisão. Veja o vídeo: Jornal da Cidade otto@jornaldacidadeonline