Pular para o conteúdo principal

Jornalista ataca 'cruzada' da imprensa contra as redes sociais: 'é um debate idiota, porque existe muita qualidade na internet e existe muita qualidade em alguns setores da imprensa'


Imagem: Reprodução / Jovem Pan
O jornalista Felipe Moura Brasil, em entrevista ao programa Pânico, da Jovem Pan, criticou a "cruzada" de setores da imprensa contra a internet e as redes sociais: "muitas vezes é um debate idiota, porque existe muita qualidade na internet e existe muita qualidade em alguns setores da imprensa. Esse debate é originalmente uma reação da imprensa à força das redes sociais". 


Leia trecho da entrevista: 

Para mim, a internet deu, evidentemente, uma maior democracia, no sentido de ideias, ao debate público, porque você tem uma maneira de driblar a filtragem feita por editores de veículos de comunicação. As pessoas têm condição de acessar a população em maior escala por meio de sua própria conta pessoal, em seus blogs. Isso evidentemente gera uma reação de veículos de comunicação e jornalistas contra a internet, que muitas vezes é um debate idiota, porque existe muita qualidade na internet e existe muita qualidade em alguns setores da imprensa. A questão é que os brasileiros precisam desenvolver ferramentas mentais e de leitura e interpretação para ver quem é que está dizendo a verdade, quais são os fatos verificados naquela discussão pública, porque esse lado tendencioso, a militância política, partidária e ideológica existe em todos os lados, inclusive na imprensa. 
Esse negócio de fake news, por exemplo, começou muito na eleição americana. Esse debate é originalmente uma reação da imprensa à força das redes sociais. Sendo que a imprensa americana reproduzida no Brasil é sempre a imprensa mais ligada ao Partido Democrata, é sempre a imprensa mais à esquerda, ela também divulgou uma série de notícias falsas, distorcidas, meias verdades, e eu fiquei tratando de refutar para um número de leitores aqui que só têm acesso a uma tradução da parte militante de esquerda dos EUA.
Gazeta Social

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O sumiço da Faca e o registro na Câmara: Adelio não agiu sozinho, alerta Alexandre Garcia (Veja o Vídeo)

Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados.

Após o golpe em Jair Bolsonaro, Adelio se livrou rapidamente da faca. Tudo indica que repassou para alguém, tanto é que a ‘arma branca’ foi encontrada numa barraca de ambulante, nas imediações. Alguém jogou esta faca onde foi achada. Parece óbvio. A questão do registro na Câmara também deve ser cuidadosamente examinada. Algo de muito podre ronda a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados. O diretor do setor alega que um recepcionista registrou por engano a entrada de Adélio Bispo de Oliveira no local, no dia 6 de setembro, o dia do atentado contra Jair Bolsonaro. Ora, foram constatados os registros de duas entradas do criminoso. O tal servidor registrou por engano duas vezes? E o nome do servidor distraído agora é mantido sob sigilo? Parece óbvio que caso o atentado tivesse sido exitoso e no meio da multidão Adelio alcançasse a fuga, o álibi estaria pronto. Esse era o plano e isto parece bem claro. Veja o vídeo…

Alvaro Dias chama Bolsonaro de “vagabundo bandido” e “quase morto” e recebe resposta do senador Magno Malta

Sem saber que estava sendo gravado, Álvaro Dias aproveitou para destilar todo o seu veneno com comentários maldosos sobre Jair Bolsonaro. O candidato do Podemos afirmou que Bolsonaro é um “vagabundo bandido” e que ‘ta quase morto”. Ainda no mesmo trecho, Dias afirma que “se não fosse a facada eu estaria destruindo ele hoje.”
Alvaro Dias ataca Bolsonaro e recebe A RESPOSTA de Magno Malta

ADÉLIO NA TV- A defesa de Adélio Bispo de Oliveira, pede autorização a juíz, para que Adélio de entrevista a um programa de televisão

Por Claudio Dantas  ( O Antagonista) A defesa de Adélio Bispo de Oliveira, que tentou matar Jair Bolsonaro, pediu ao juiz Bruno Savino, da 3ª Vara da Justiça Federal de Juiz de Fora (MG), autorização para que o criminoso conceda entrevista a um programa de televisão.
O MPF se manifestou pelo encaminhamento do pedido à Direção da Penitenciária Federal de Campo Grande (MS), onde Adélio está custodiado. Savino concordou.