Pular para o conteúdo principal

Jornalista ataca 'cruzada' da imprensa contra as redes sociais: 'é um debate idiota, porque existe muita qualidade na internet e existe muita qualidade em alguns setores da imprensa'


Imagem: Reprodução / Jovem Pan
O jornalista Felipe Moura Brasil, em entrevista ao programa Pânico, da Jovem Pan, criticou a "cruzada" de setores da imprensa contra a internet e as redes sociais: "muitas vezes é um debate idiota, porque existe muita qualidade na internet e existe muita qualidade em alguns setores da imprensa. Esse debate é originalmente uma reação da imprensa à força das redes sociais". 


Leia trecho da entrevista: 

Para mim, a internet deu, evidentemente, uma maior democracia, no sentido de ideias, ao debate público, porque você tem uma maneira de driblar a filtragem feita por editores de veículos de comunicação. As pessoas têm condição de acessar a população em maior escala por meio de sua própria conta pessoal, em seus blogs. Isso evidentemente gera uma reação de veículos de comunicação e jornalistas contra a internet, que muitas vezes é um debate idiota, porque existe muita qualidade na internet e existe muita qualidade em alguns setores da imprensa. A questão é que os brasileiros precisam desenvolver ferramentas mentais e de leitura e interpretação para ver quem é que está dizendo a verdade, quais são os fatos verificados naquela discussão pública, porque esse lado tendencioso, a militância política, partidária e ideológica existe em todos os lados, inclusive na imprensa. 
Esse negócio de fake news, por exemplo, começou muito na eleição americana. Esse debate é originalmente uma reação da imprensa à força das redes sociais. Sendo que a imprensa americana reproduzida no Brasil é sempre a imprensa mais ligada ao Partido Democrata, é sempre a imprensa mais à esquerda, ela também divulgou uma série de notícias falsas, distorcidas, meias verdades, e eu fiquei tratando de refutar para um número de leitores aqui que só têm acesso a uma tradução da parte militante de esquerda dos EUA.
Gazeta Social

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A gente vai dar é porrada se não respeitarem a gente", ameaça Lula, após protestos.

O Ex presidente condenado Lula, enfrentando protestos por todos os lugares por onde passa sua "caravana" pelo Sul do Brasil, subiu o tom das ameaças. Lula disse: "A gente vai dá é porrada se não respeitarem a gente", chamando os cidadãos que pedem sua prisão de fascistas.

Fico imaginando o que ele faria se estivesse no poder hoje. Seria mais um Maduro tupiniquim, um ditador cerceando a nossa liberdade e dando ração ao povo.

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.