Pular para o conteúdo principal

Meninos e treinador retirados da caverna relatam drama

Eles fizeram a primeira entrevista coletiva após saírem do hospital

Pleno.News


Meninos recebem alta hospitalar e realizam entrevista coletiva / Foto: EFE/Public Health Ministry/Handout

Meninos recebem alta hospitalar e realizam entrevista coletiva / Foto: EFE/Public Health Ministry/Handout

Meninos recebem alta hospitalar e realizam entrevista coletiva / Foto: EFE/Public Health Ministry/Handout
Meninos recebem alta hospitalar e realizam entrevista coletiva / Foto: EFE/Public Health Ministry/Handout

Meninos recebem alta hospitalar / Foto: EFE/Public Health Ministry/Handout
Meninos recebem alta hospitalar / Foto: EFE/Public Health Ministry/Handout

Meninos recebem alta hospitalar / Foto: EFE/Public Health Ministry/Handout
Meninos recebem alta hospitalar / Foto: EFE/Public Health Ministry/Handout


Logo após saírem do hospital, os 12 garotos tailandeses e o técnico resgatados de uma caverna na Tailândia deram a primeira entrevista coletiva nesta quarta-feira (18). Eles deram detalhes de como ficaram presos, os dias isolados, o resgate e até a final da Copa do Mundo.



– Alguns garotos não conheciam o local e estavam curiosos para conhecê-lo. Estávamos em um local profundo da caverna. Havia apenas um caminho, então não havia a possibilidade de estarmos perdidos. Ficamos com medo, mas tentamos nos acalmar e pensar em soluções para sair dali – relatou o treinador Ekkapol Chantawong, de 26 anos.




Os meninos chegaram a cavar em busca de uma saída da caverna antes de serem localizados pelos mergulhadores. Um deles revelou que chegaram a cavar “três ou quatro metros”. O grupo também relatou que bebia a água que caía dentro da caverna e que procurava não pensar em comida.

Eles lembraram a morte do socorrista Saman Kunan e se disseram muito agradecidos por tudo o que todos fizeram. O treinador registrou como “milagroso” o momento em que foram localizados pelas equipes de resgate na gruta. Ao final da coletiva, eles receberam presentes e saíram com muitos aplausos.

Os meninos ficaram em observação durante uma semana no hospital, trataram hipotermia e o sistema imunológico. De acordo com os médicos e com os próprios sobreviventes, eles estavam bem de saúde quando saíram da caverna, mas ainda seguem em tratamento pelos próximos 30 dias em casa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…