Pular para o conteúdo principal

Se Exército intervier, será para cumprir Constituição e manter democracia, diz comandante



 O comandante do Exército brasileiro, o general Eduardo Villas Bôas, afirmou nesta quinta-feira (5) que não existe a possibilidade de uma intervenção militar nos mesmos moldes do período da ditadura militar, entre 1964 e 1985. O comandante afirmou que, se o Exército intervier, será para respeitar a Constituição e manter a democracia. Com relação ao movimento intervencionista, que pede a volta dos militares no poder, Villas Bôas disse que há uma identificação na população com os valores das Forças Armadas e uma ânsia pelo reestabelecimento da ordem. "Eu nem vejo um caráter ideológico nisso. Mas, de qualquer forma, as Forças Armadas, e o Exército, pelo qual eu respondo, se, eventualmente, tiverem de intervir, será para fazer cumprir a Constituição, manter a democracia e proteger as instituições", afirmou.
"Sempre o Exército atuará sob a determinação de um dos Poderes da República, como aconteceu agora, por exemplo, nessa greve dos caminhoneiros", complementou.
Villas Bôas classificou a questão como "muito simples": "Quem interpreta que o Exército pode intervir [como na ditadura], é porque não conhece as Forças Armadas e a determinação democrática, de espírito democrático, que reina e que reina e preside em todos os quartéis", disse. Ainda segundo o comandante, os brasileiros perderam a confiança uns nos outros e estão muito carentes de disciplina social. "Isso nós podemos medir em grandes eventos como a em grandes eventos como a Copa do Mundo. Está totalmente diferente a reação da população", citou.
Para Villas Bôas, o Brasil está na "iminência de algo muito grave acontecer, que é a perda da nossa identidade". "SP deve liderar arrancada", diz comandante em homenagem a soldado morto na ditadura.

O Exército brasileiro, por meio do Comando Militar do Sudeste, promoveu, na manhã desta quinta-feira (5), uma cerimônia em homenagem a um soldado morto por guerrilheiros em 1968, durante a ditadura militar. O evento teve Villas teve Villas Bôas à frente. Luís Adorno/UOL General Luiz Eduardo Ramos durante a cerimônia A homenagem ocorreu em memória ao soldado Mário Kozel Filho, morto há exatos 50 anos em um ataque da VPR (Vanguarda Popular Revolucionária.
Os guerrilheiros aceleraram um carro-bomba com dinamites dentro de um quartel-general de São Paulo. Pós morte, o soldado foi promovido a 3º sargento. À época, ele tinha 18 anos. Além de Kozel Filho, outros seis militares ficaram feridos.Após a ação dos guerrilheiros, dez suspeitos foram detidos. Entre eles, Eduardo Leite, o Bacuri, morto enquanto preso em 1970, em São Paulo. Um outro suspeito do atentado, o ex-sargento Onofre Pinto, foi morto em uma ação do Centrtro de Informações do Exército, em Foz de Iguaçu (PR). O comandante Villas Bôas afirmou que "São Paulo deve, novamente, liderar uma arrancada de desenvolvimento de nosso país, a locomotiva, como fez a partir de 1932.O Brasil precisa de São Paulo, de seus valores, de seu empreendedorismo, de sua capacidade de inovação"
Ainda segundo o comandante, "este evento significa a celebração de valores e deve motivar nosso pensamento, nossa análise, para que fatos como esse não venham se repetir no futuro", complementou.

Na sequência, o comandante leu um comunicado emitido no site do Exército nesta quarta-feira (4). No texto, afirmou que a morte do soldado "foi consequência do ambiente da guerra fria que se refletia no mundo e penetrava no BrasIL.
Ainda segundo o texto lido, foi "um período de entusiasmos artificializados, de intolerâncias incitadas e de paixões extremadas que faziam os brasileiros míopes para a realidade civilizada. Foi um tempo que nos dividiu, que fragmea sociedade e nos tornou conflitivos." "Aquele incidente com o soldado Kozel, vítima inocente do terrorismo, nos obriga a exercitar o maior ativo humano - a capacidade de aprender.Agora é um momento que nos aconselha, aos brasileiros e às instituições, a prudência nos ânimos", complementou o informe lido pelo comandante.
Antes do comandante, o general Luiz Eduardo Baptista Ramos Pereira afirmou que "não existe separação entre civis e militares. A sociedade brasileira, em um grito unido, disse: 'não aos atos terroristas e à minoria inconformada'.Juntos, civis e militares lutamos pelas crenças de nossa rica e próspera nação. Sempre capazes de superar crises de todos os matizes." "Estamos fazendo, atualmente, exatamente isso. Face a uma crise moral, na qual valores do bem comum e de amor à pátria, vem sendo afrontada. Somos um povo conhecido pela tolerância, pela solidariedade", complementou. Durante a cerimônia, a irmã do soldado, Suzana Kozel, 70, foi homenageada com um buquê de flores. Ela também deixou um ramo de flores em frente a um busto de seu irmão. Houve tiros e pétalas de rosas jogadas de um helicóptero no momento..
A cerimônia ocorreu um dia depois à decisão da Corte Interamericana de Direitos Humanos de condenar o Estado brasileiro pela tortura e assassinato do jornalista Vladimir Herzog, ocorrido em outubro de 1975, por militares.

Villas Bôas afirmou que "naquela época, a sociedade brasileira cometeu o erro de permitir que a linha de confrontação da guerra fria dividisse a nossa sociedade, o que acabou criando ambientes para que fatos lamentáveis, como a morte de Kozel e Herzog, tivessem ocorrido", disse.

Estiveram presentes, também, o comandante-geral da PM paulista, Marcelo Vieira Salles, e quatro deputados estaduais da chamada "bancada da bala".

Ao lado do comandante da PM, Villas Bôas prestou homenagens a um soldado da corporação que também morreu durante a ditadura. "Igualmente à gloriosa Polícia Militar de São Paulo, que perdeu o tenente Alberto Mendes Júnior, vítima também do terrorismo", afirmou.
https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2018/07/05/se-exercito-intervir-sera-para-cumprir-constituicao-e-manter-democracia-diz-comandante.htm


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…