Pular para o conteúdo principal

Michael Jackson foi quimicamente castrado pelo pai, afirma Conrad Murray



     O rei do pop já revelou em entrevistas as diversas crueldades que sofreu durante a infância ao lado do pai     (foto: Kimberly White/AFP)

Conrad Murray, médico declarado culpado pela morte de Michael Jackson, acusou o pai do rei do pop, Joe Jackson, de ter castrado quimicamente o filho para manter a voz do ídolo aguda.

De acordo com um vídeo publicado pelo site The Blast, Murray acusa Joe de ser um dos piores pais pai da história. "A crueldade expressa por Michael que ele experimentou nas mãos de seu pai... O fato de que ele foi castrado quimicamente para manter sua voz estridente está além das palavras", revelou o médico no vídeo.

Joe Jackson morreu em 27 de junho aos 89 anos após sofrer com câncer de pâncreas. "Eu espero que ele encontre redenção no inferno", admitiu Murray, no mesmo vídeo.

Essa não é a primeira vez que o médico se pronuncia sobre as crueldades do patriarca da família Jackson. No livro intitulado This is it! The secret lives of Dr. Conrad Murray and Michael Jackson, Murray acusa Joe de forçar Michael a tomar hormônios para curar as acnes e previnir que a voz do ídolo não mudasse quando Michael ainda tinha 12 anos.

Joe morreu após 9 anos do falecimento do rei do pop, em 2009. À época da morte do pai, a família Jackson se pronunciou sobre o falecimento. "Nós queremos agradecer a todos pelo suporte para enfrentar a perda do patriarca da família. Nós lamentamos a morte do nosso pai e celebramos a vida de um homem que sacrificou tanto para nos dar a vida e o sucesso que temos hoje. Obrigada pelo respeito à nossa privacidade durante esse tempo", revelou a família Jackson em comunicado divulgado pela revista People.

Após condenação pela morte de Michael Jackson, Conrad Murray teve a licença médica suspensa em três Estados norte-americanos(foto: ROBYN BECK)

Murray

Conrad Murray foi acusado de manipular de forma errônea os remédios dados para Michael e foi condenado a quatro anos de prisão. Em outubro de 2013, a pena do médico foi reduzida para dois anos por boa conduta.

    Correio Braziliense

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A gente vai dar é porrada se não respeitarem a gente", ameaça Lula, após protestos.

O Ex presidente condenado Lula, enfrentando protestos por todos os lugares por onde passa sua "caravana" pelo Sul do Brasil, subiu o tom das ameaças. Lula disse: "A gente vai dá é porrada se não respeitarem a gente", chamando os cidadãos que pedem sua prisão de fascistas.

Fico imaginando o que ele faria se estivesse no poder hoje. Seria mais um Maduro tupiniquim, um ditador cerceando a nossa liberdade e dando ração ao povo.

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.