Pular para o conteúdo principal

MPF dá prazo de 48 horas para Facebook explicar remoção de páginas do MBL Procurador de Goiás pede que site informe quais foram as páginas e perfis excluídos e justifique a medida. Facebook afirma que ação busca combater as fake news


Resultado de imagem para FOTO FACEBOOK
O Ministério Público Federal de Goiás (MPF-GO) solicitou explicações ao Facebook sobre a remoção de páginas ligadas ao Movimento Brasil Livre (MBL). De acordo com a rede social, foram removidas 196 páginas e 87 contas que espalhavam fake news.



Em ofício enviado à empresa, o procurador da República Ailton Benedito, que, desde setembro do ano passado investiga a rede social por supostos atos de censura e bloqueio de usuários brasileiros, determinou que o Facebook envie, no prazo de 48 horas, a relação de todas as páginas e perfis removidos e a justificativa fática específica para a exclusão. 

No pedido, o procurador destaca que as páginas tinham 500 mil seguidores e divulgavam informações de caráter político. “As normas constitucionais e legais que regulam a internet no Brasil atuam sempre com vistas à liberdade de expressão, ao direito de acesso de todos à informação, ao conhecimento e à participação na vida cultural e na condução dos assuntos públicos; e a impedir a censura, bem como a discriminação dos usuários, por motivo de origem, raça, sexo, cor, idade, orientação política, entre outros, competindo ao MPF atuar nesse sentido”, afirmou Benedito.

Notícias falsas

O Facebook informou no início da manhã desta quarta-feira (25/7), que foi desmobilizada “uma rede coordenada que se ocultava com o uso de contas falsas no Facebook, e escondia das pessoas a natureza e a origem de seu conteúdo com o propósito de gerar divisão e espalhar desinformação”. O foco da ação é impedir ou reduzir a propagação de notícias falsas durante o processo eleitoral deste ano.

Uma das páginas que saíram do ar tinha o nome de "Jornalivre", e possuía 128 mil seguidores. De acordo com postagens identificadas pela reportagem do Correio, os integrantes do MBL não escondiam que essa página era ligada ao grupo. 

Na publicações, a página "Jornalivre" atacava políticos e personalidades e usava manchetes e textos sensacionalistas e com uma grande quantidade de adjetivos para convencer os internautas das afirmações que fazia.

Com informação: Correio Braziliense

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tite se recusa a encontrar Jair Bolsonaro

Enquanto a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) tenta se aproximar de Jair Bolsonaro, o técnico Tite quer distância do presidente eleito. Ao ser questionado se aceitaria encontrar o presidente eleito Jair Bolsonaro em solenidade oficial antes ou depois da Copa América, o treinador foi direto. Segundo informações da “Folha“, Tite afirmou: Não. Eu continuo com a mesma opinião. A minha atividade não se mistura e eu não me sinto confortável em fazer essa mistura. Não. Curiosamente, em 2012, após vencer a taça Libertadores da América no comando do Corinthians, o técnico Tite não viu problemas em visitar o então presidente petista Luiz Inácio Lula da Silva.

Viagem em jatinho pode ter tirado Magno Malta do ministério de Bolsonaro

Magno Malta parece ter saído da lista de ministeriáveis após Jair Bolsonaro receber informações de que ele viajou em aeronave sem informar a Justiça Eleitoral. O presidente eleito Jair Bolsonaro decidiu cortar da lista de possíveis ministros o senador Magno Malta (PR-ES) após receber informações de que o aliado fez viagens para aproximar o empresário Eraí Maggi da campanha do PSL. Malta também teria utilizado sua proximidade com Bolsonaro para defender nomes que poderiam compor um eventual governo. Chegou ao conhecimento do futuro chefe de Estado que o empresário Maggi teria colocado à disposição de Malta um jatinho particular para alguns deslocamentos e ainda aberto sua fazenda para encontro com ruralistas. Malta não registrou deslocamentos em jatinhos do empresário nas prestações de conta ao TSE.

Quem é o passageiro que Lewandowski mandou prender em voo

O passageiro levado pela Polícia Federal a mando de Ricardo Lewandowski durante voo da Gol é o advogado Cristiano Caiado Acioli, filho da subprocuradora Helenita Caiado – que chegou a presidir o CNMP.

Em vídeo que O Antagonista reproduziu mais cedo, Acioli chama Lewandowski e diz: “O Supremo é uma vergonha, viu? Eu tenho vergonha de ser brasileiro quando eu vejo vocês.”

Depois, em novo vídeo, protestou por ter seu direito de expressão cerceado.

Votou em Jair Bolsonaro. O Antagonista