Pular para o conteúdo principal

Petistas previam derrota, mas articularam ação para gerar desgaste do Judiciário


Imagem: Theo Marques / FramePhoto
Os autores do pedido de libertação do ex-presidente Lula já previam uma derrota, mas articularam uma ação minuciosa para desgastar a Justiça e tentar converter em ganho político qualquer decisão contra o petista.

Os deputados Paulo Pimenta (PT-RS), Wadih Damous (PT-RJ) e Paulo Teixeira (PT-SP) elaboraram estratégia para que o pedido de habeas corpus fosse analisado necessariamente pelo desembargador Rogério Favreto, crítico a Sergio Moro no TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4a Região) e o plantonista da corte entre os dias 4 e 18 de julho.
O cálculo dos petistas foi premeditado: no início da semana passada, um amigo avisou Pimenta de que a escala de plantões havia sido publicada no site do TRF-4 e que Favreto, amigo de longa data do deputado, seria o responsável pelo tribunal no segundo fim de semana deste mês.

Pimenta então procurou Damous, ex-presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) do Rio, e disse que era preciso elaborar uma medida que pudesse cair nas mãos do magistrado. Na quarta-feira (4), decidiu-se pelo habeas corpus em reunião na sala da liderança do PT na Câmara.

“Sou do Rio Grande do Sul. Conheço as pessoas. Alguém me deu o toque. Olhei no sistema e vi [que Favreto seria o plantonista]. É público”, relatou Pimenta, sem dar detalhes sobre a identidade do amigo.

A previsão dos deputados era a de que a decisão de Favreto, favorável a Lula, seria cassada em poucas horas, mas que episódio ilustraria a tese de que o Judiciário age para prejudicar o ex-presidente.

Já a ação de Moro que, de férias em Portugal, telefonou para delegados da Polícia Federal e pediu que não cumprissem a ordem do desembargador foi contabilizada como uma espécie de "bônus político" para o petista.

“Pudemos demonstrar que a Lava Jato é uma organização que atua dentro do Judiciário, com relações políticas, e que seu objetivo é impedir que Lula seja solto”, disse Pimenta.

A defesa formal do ex-presidente foi sondada e não reagiu bem. Os advogados queriam que o recurso fosse feito de outra maneira, em outra data, visando menos o ganho político, e mais o judicial.

Os parlamentares petistas decidiram, então, tocar a proposta sem o aval dos defensores de Lula e impetraram o recurso no TRF-4 após o início do plantão de Favreto.

Na sexta (6), o expediente do TRF-4 encerrou-se às 14h, em razão do jogo do Brasil na Copa e, assim, qualquer pedido protocolado a partir deste horário ficaria com Favreto.

Como disse a Folha de S. Paulo, Lula estava cético quanto à possibilidade de sair da prisão desde a primeira decisão do desembargador e disse, ainda no meio da manhã de domingo (8), que nunca acreditou que a determinação fosse ser realmente cumprida.

Durante reunião nesta segunda (9) em São Paulo, dirigentes da sigla elaboraram um calendário de mobilizações pelo país e houve quem defendesse que o partido coloque na rua o quanto antes um programa com 13 pontos que dialogue com o eleitor. 

As medidas devem extrapolar a defesa de Lula e tratar da ideia de que libertar o ex-presidente é libertar o país de políticas que retiram direitos dos trabalhadores.

A tese mais repetida foi a de que Moro teria ficado "muito exposto" ao se manifestar, de férias, contra a soltura do ex-presidente e que agora é preciso investir na imagem de vitimização de Lula para que sua força política seja refletida nas pesquisas e, principalmente, repassada a um candidato petista quando ele for declarado inelegível pela Justiça Eleitoral.

Preso ou solto, Lula permanece ficha suja e assim impedido de concorrer na eleição presidencial.

A cúpula do PT decidiu também entrar com nova representação contra Moro no CNJ (Conselho Nacional de Justiça), pedindo o afastamento do juiz. A anterior, referente à quebra do sigilo telefônico da então presidente Dilma Rousseff, foi arquivada na semana passada.

Segundo a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, o partido entrará com uma representação na Corregedoria da Polícia Federal contra os agentes que mantiveram Lula preso.


Folha Politica

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zanin complica mais a situação de Lula e ganha “aula de direito” de Marcelo Odebrecht (Veja o Vídeo)

A situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é praticamente insanável, sem solução, ou, melhor dizendo, indefensável. Sepúlveda Pertence, quando entrou na causa, logo percebeu a enorme gravidade. Imediatamente começou a costurar um acordo no Supremo Tribunal Federal (STF), o acordo possível na época: Prisão domiciliar e Lula quieto, respeitando o Poder Judiciário, sem mais afrontas. Felizmente para a boa Justiça, Zanin existe e conseguiu estragar tudo. Continuou pregando a inocência do meliante petista, alimentado pelas sandices de Gleisi Hoffmann, Lindbergh Farias, Paulo Pimenta e Wadih Damous. Um idiota completo. Na sequência, destratou Sepúlveda e abriu crise na defesa do presidiário. Diante de tais fatos, o ex-ministro entendeu que já havia feito o serviço para o qual havia sido remunerado, não logrou êxito em função da interferência do abobalhado causídico, e assim caiu fora.
Zanin permaneceu na defesa de Lula, ao lado da esposa, uma pobre coitada, de parcos conheciment…

Miriam Leitão leva invertida ao vivo de Cristiana Lobo (Veja o Vídeo)

A jornalista Miriam Leitão parece que partiu para um processo de autodestruição. A credibilidade que ainda detinha está se esvaindo completamente. Elementar! Miriam agora faz um jornalismo que tem alvo. O alvo evidentemente é Jair Bolsonaro. Fica difícil opinar com coerência com o coração cheio de ódio. Nesse sentido, mesmo diante da vitória acachapante de Bolsonaro, a jornalista diuturnamente tenta desconstruir a imagem ou diminuir a força do presidente eleito. Sua última tática foi patética. Miriam tentou demonstrar uma suposta relevância do resultado obtido pelo PT na região Nordeste. Para tanto, mentiu, foi desmentida, tentou se corrigir, mas se deu muito mal. Veja o vídeo:

“Se tem um ser humano que eu desprezo, chama-se Gleisi Hoffmann”, diz Roberto Justus (Veja o Vídeo)

A senadora Gleisi Hoffmann é quase uma unanimidade. Ninguém a suporta. Impressionante como uma mulher consegue nutrir o dom de gerar tanto asco. Mesmo pessoas que não desenvolvem qualquer atividade político-partidária não suportam o jeito e o comportamento da petista, evidenciado por seu extremo e ilimitado mau-caratismo. Até no PT, Gleisi já angariou inúmeras antipatias. O próprio ex-presidenciável Fernando Haddad não a tolera. Não é pra menos, Gleisi trabalhou sorrateiramente contra a candidatura de Haddad e hoje é um obstáculo pesado para a sua sobrevivência política. O empresário Roberto Justus, uma pessoa isenta, totalmente sem ligações políticas, definiu a petista com extrema precisão. Veja o vídeo: Jornal da Cidade otto@jornaldacidadeonline