Pular para o conteúdo principal

Remoção de servidores vai restringir concurso público no Brasil Para economizar, Ministério do Planejamento edita portaria que permite o remanejamento compulsório de servidores do Executivo Federal para suprir cargos vagos em órgãos diferentes dos de lotação

(foto: Caio Gomez/CB/D.A Press)

Em período de escassez de recursos, o governo editou, ontem, medida para evitar a abertura de novos concursos públicos. A Portaria 193, do Ministério do Planejamento, publicada no Diário Oficial da União, flexibilizou as regras de transferências e remoções de servidores de órgãos do Executivo federal. O ministro do Planejamento substituto, Gleisson Rubin, admitiu que, ao suprir deficits de efetivo com profissionais que já pertencem ao quadro, vai reduzir a necessidade de novos certames, resultando em economia para o governo”. De acordo com o ministério, as movimentações seguiam normas bem mais rígidas, que limitavam as mudanças e geravam gastos com cargos comissionados. “A partir de agora, são ampliadas as possibilidades de migração, sem despesas para o Tesouro Nacional e sem qualquer perda para o funcionário”, destacou, em nota, a assessoria de imprensa.

Gil Castello Branco, secretário-geral da Associação Contas Abertas, considera que do ponto de vista da racionalidade, os remanejamentos são bem-vistos. “Meu receio é de que as possíveis alegações de desvios de funções sejam recepcionadas pelo Judiciário”. Ele lembra que, se já há a caracterização de desvio quando o servidor é deslocado dentro do próprio órgão, para ocupar função semelhante, que dirá com a movimentação ampla prevista na portaria. “Espero que esses remanejamentos não gerem uma enxurrada de decisões judiciais contrárias com ônus para a União”, disse.

Para Rudi Cassel, especialista em causas de servidores, do escritório Cassel, Ruzzarin, Santos, Rodrigues Advogados, o texto não traz novidades. Essas normas já estão regulamentadas pelo Decreto nº 4.050/2001, substituído pelo Decreto nº 9.144/2017.  “A previsão de movimentação está no artigo 93 da Lei nº 8.112/90, mas deve gerar muitas impugnações judiciais se usada sem a concordância do servidor”, alertou. Segundo Ruzzarin, as remoções seguem rígidas normas técnicas e não acontecem “apenas porque o governo quer”.

O secretário-geral da Confederação Nacional dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef), Sérgio Ronaldo da Silva, afirmou que, há anos, as lideranças sindicais tentam discutir a estrutura da administração com o Planejamento, sem sucesso. Agora, repentinamente, foram surpreendidas com “uma ordem de ofício”. Ele lembrou que o Planejamento já divulgou que há mais de 200 mil cargos vagos no serviço público federal. Na opinião de Silva, isso vai agravar o problema, já que, em fevereiro de 2019, quando for paga a última parcela da incorporação das gratificações, 120 mil profissionais vão se aposentar.

(foto: CB/D.A Press)


 Interesse público
A Portaria 193 determina que “a alteração da lotação ou exercício de empregado ou servidor para compor força de trabalho é ‘irrecusável’ e não depende da anuência prévia do órgão ou entidade ao qual ele está vinculado”, quando feita em caso de necessidade ou interesse público ou por motivos de ordem técnica ou operacional. Apenas para os empregados de empresa pública ou sociedade de economia mista, que não dependem de recursos do Tesouro, será admitida a “anuência prévia” da companhia. Para o presidente da Condsef, a compulsoriedade da medida é um dos problemas da medida. “A portaria obriga de forma unilateral o trabalhador a mudar de vida, sem considerar especificidades”, afirmou.

Concluída a movimentação, “o retorno do servidor ou empregado movimentado ao órgão ou entidade de origem poderá ocorrer a qualquer tempo, por decisão do Planejamento”, assinala a portaria. “Há órgãos que lidam com certo excedente de pessoal, porque tiveram parte de suas funções suprimidas, e outros órgãos que, ao contrário, absorveram novas funções e têm necessidade de reforço das suas equipes”, explicou Rubin.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zanin complica mais a situação de Lula e ganha “aula de direito” de Marcelo Odebrecht (Veja o Vídeo)

A situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é praticamente insanável, sem solução, ou, melhor dizendo, indefensável. Sepúlveda Pertence, quando entrou na causa, logo percebeu a enorme gravidade. Imediatamente começou a costurar um acordo no Supremo Tribunal Federal (STF), o acordo possível na época: Prisão domiciliar e Lula quieto, respeitando o Poder Judiciário, sem mais afrontas. Felizmente para a boa Justiça, Zanin existe e conseguiu estragar tudo. Continuou pregando a inocência do meliante petista, alimentado pelas sandices de Gleisi Hoffmann, Lindbergh Farias, Paulo Pimenta e Wadih Damous. Um idiota completo. Na sequência, destratou Sepúlveda e abriu crise na defesa do presidiário. Diante de tais fatos, o ex-ministro entendeu que já havia feito o serviço para o qual havia sido remunerado, não logrou êxito em função da interferência do abobalhado causídico, e assim caiu fora.
Zanin permaneceu na defesa de Lula, ao lado da esposa, uma pobre coitada, de parcos conheciment…

Miriam Leitão leva invertida ao vivo de Cristiana Lobo (Veja o Vídeo)

A jornalista Miriam Leitão parece que partiu para um processo de autodestruição. A credibilidade que ainda detinha está se esvaindo completamente. Elementar! Miriam agora faz um jornalismo que tem alvo. O alvo evidentemente é Jair Bolsonaro. Fica difícil opinar com coerência com o coração cheio de ódio. Nesse sentido, mesmo diante da vitória acachapante de Bolsonaro, a jornalista diuturnamente tenta desconstruir a imagem ou diminuir a força do presidente eleito. Sua última tática foi patética. Miriam tentou demonstrar uma suposta relevância do resultado obtido pelo PT na região Nordeste. Para tanto, mentiu, foi desmentida, tentou se corrigir, mas se deu muito mal. Veja o vídeo:

“Se tem um ser humano que eu desprezo, chama-se Gleisi Hoffmann”, diz Roberto Justus (Veja o Vídeo)

A senadora Gleisi Hoffmann é quase uma unanimidade. Ninguém a suporta. Impressionante como uma mulher consegue nutrir o dom de gerar tanto asco. Mesmo pessoas que não desenvolvem qualquer atividade político-partidária não suportam o jeito e o comportamento da petista, evidenciado por seu extremo e ilimitado mau-caratismo. Até no PT, Gleisi já angariou inúmeras antipatias. O próprio ex-presidenciável Fernando Haddad não a tolera. Não é pra menos, Gleisi trabalhou sorrateiramente contra a candidatura de Haddad e hoje é um obstáculo pesado para a sua sobrevivência política. O empresário Roberto Justus, uma pessoa isenta, totalmente sem ligações políticas, definiu a petista com extrema precisão. Veja o vídeo: Jornal da Cidade otto@jornaldacidadeonline