Pular para o conteúdo principal

“Sempre vamos agradecer ao Brasil”, diz embaixador sobre a criação do Estado de Israel


Yossi Shelley agradeceu a Osvaldo Aranha pela grande contribuição na criação do Estado de Israel, em 1948.


Atuando no Brasil há pouco mais de um ano, o embaixador israelense Yossi Shelley acredita que os países árabes não têm interesse no acordo de paz com a Israel. Explicando sua opinião em entrevista ao programa Mente Aberta, ele citou momentos históricos onde houve oportunidades, mas sem boas reações.

"Abraão foi o seguidor da fé e ele acreditava em Deus. Nós estamos sempre na luta. Israel é um país guerreiro, assim como o Brasil. Em Israel precisamos sempre solucionar os problemas. Tem problema de segurança? Temos solução. Tem problema de água? Temos solução", disse Shelley.

O embaixador salientou que dentre todos os países do mundo, Israel é um dos poucos que possuem satélite. "Quem tem satélites? Apenas oito países têm a possibilidade de lançar e construir satélites. É uma das maiores tecnologias e Israel tem", declarou.

Acordo de Paz
Segundo o embaixador, os países árabes não querem fazer acordo com a nação judaica. "Os países árabes não querem fazer paz com Israel. Eles têm raiva de Israel. Tivemos duas oportunidades para fazer acordos de paz. No Líbano eles disseram: 'Nós queremos fazer a paz, deixem tudo'. O que aconteceu? Enviaram foguetes em nós", lembrou Yossi.

"Em 2005 estivemos ocupando a faixa de gaza e, mais uma vez, foguetes. O que acontece é que eles não querem fazer paz. Porque quando eles querem fazer paz... Com o Egito eles têm um acordo de paz. Quando você quer dançar tango você precisa de dois parceiros ou então não tem dança", explicou.

Shelley destacou como o Estado lida com as políticas públicas e coopera junto com empresas privadas. "Em Israel as coisas são feitas com empresas privadas. O governo não sabe fazer negócios. Eles não têm essa capacidade. O governo sabe dirigir de forma grande", disse.

"Mas quando você chega no micro, o governo falha. Então, este é o problema. Todo o setor privado, quando faz negócio, acaba sugando da economia. O governo vai cuidar de outras coisas. Quem também constrói rodovias é o setor privado", salientou.

Embaixada em Jerusalém
Shelley explicou que o fato de Jerusalém ser capital de Israel já estava escrito na Bíblia há três mil anos. "Israel sempre teve Jerusalém. Todas as coisas que estão como símbolo da nação estão em Jerusalém. Cada país tem a sua autonomia de decidir onde vai ser sua capital", afirma.

"Os judeus foram perseguidos, depois de Portugal e Espanha, na inquisição. Mas quando as pessoas fugiram de Portugal, foram com com Carlos Cabral. Os judeus não chegaram aqui como imigrantes, eles fundaram o Brasil como os brasileiros", disse o embaixador.

Em 1948, a recém-criada Organização das Nações Unidas (ONU) realizou o Comitê Especial para Palestina com a missão de tratar da decisão pela partilha territorial. O encarregado de gerir essa questão foi o brasileiro Osvaldo Aranha que advogou em favor da criação do Estado de Israel.

"Depois de todas as atrocidades, depois do holocausto, depois das cinzas, nós chegamos em Israel. Agradecemos a Osvaldo Aranha que fez essa decisão definitiva para criar o Estado de Israel. Por isso sempre vamos agradecer ao Brasil. Está escrito na Bíblia que se você me ajuda, eu ajudo você", declarou.

Fonte: Guiame

ASSISTA AQUI

Para uma boa audição desligue o áudio do Stúdio Rhema no canto superior esquerdo do blog.

Poderá também gostar de:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Janaína Paschoal disse: " Se essa dupla acontecer será pra revolucionar o país" na chapa com Bolsonaro

Disse janaína à rádio Eldorado, sobre a possibilidade de ser vice na chapa de Jair Bolsonaero.

E mais: "Se essa dupla não consegue mudar o Brasil, ninguém consegue. São duas pessoas de personalidade muito forte. Não conheço ninguém que ame mais o Brasil do que eu. Para o país , seria algo significativo."
Sequer conhece o Bolsonaro pessoalmente.

Segundo o Antagonista a decisão de topar ou não a vaga- se o convite acontecer de fato- é "séria demais" e demandaria "um longo diálogo com o candidato".
(Convite aceito)

Advogado desiste de defender Lula

Ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e um dos principais advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Sepúlveda Pertence enviou uma carta ao petista, na sexta-feira passada, em que comunicou sua intenção de deixar a banca de defesa “com pesar”. Segundo dirigentes do PT, Pertence deixou claro que as divergências com outros advogados da causa motivaram a decisão. O manuscrito foi levado a Lula, preso em Curitiba desde 7 de abril, pelo filho de Pertence, Evandro.
Na quarta-feira, o advogado Sigmaringa Seixas se encontrou com Lula em Curitiba para falar que Pertence queria deixar a sua defesa. O ex-presidente foi reticente e disse que não aceitaria que o ex-ministro, seu amigo há 40 anos, saísse da causa.
Na sexta-feira, ao receber a carta de Evandro, Lula repetiu que era contra a renúncia de Pertence e não quis ler o documento, que ficou com ele. O petista e seu advogado devem conversar pessoalmente nos próximos dias para definirem se o medalhão permanecerá ou não na banc…

Com o bolso cheio e a moral esfacelada, Sepúlveda deixa a defesa de Lula

Lula não aceita e chamou Sepúlveda para conversar em Curitiba.
É oficial. O ex-ministro Sepúlveda Pertence não faz mais parte da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Em carta, ele anunciou ‘com pesar’ sua intenção de deixar a banca de defesa. A missiva de Sepúlveda foi entregue ao presidiário por seu filho Evandro Pertence. O ex-ministro encerra assim um dos episódios mais tristes e vergonhosos de sua carreira. Sepúlveda enumera diversos episódios que teriam sido preponderantes para a sua decisão, mas o fato marcante foi sem dúvida a verdadeira humilhação a que foi submetido pelo advogado Cristiano Zanin. Segundo o jornal O Globo, Lula disse que não aceita a renúncia. Sepúlveda terá que comparecer a Curitiba para conversar com o petista. O encontro dever ocorrer no decorrer desta semana. Jornal da Cidade