Pular para o conteúdo principal

Justiça adia audiência de religiosos acusados de desviar R$ 2 milhões

Deflagrada em 19 de março, a Operação Caifás, do Ministério Público de Goiás, investiga grupo acusado de desviar mais de R$ 2 milhões dos cofres da Igreja Católica. Entre os suspeitos, estão cinco padres e o bispo de Formosa, dom José Ronaldo Ribeiro

Após uma hora de atraso para começar a sessão de julgamento e instrução dos religiosos acusados de desviar mais de R$ 2 milhões dos cofres da Igreja Católica  da diocese de Formosa, o juiz que preside o caso adiou a oitiva de testemunhas. 
A solicitação partiu da defesa dos religiosos, após o Ministério Público de Goiás (MPGO) apresentar documentos que não constavam no processo. O magistrado acatou a solicitação e remcarcou o julgamento para 10 de setembro.

Na decisão, o juiz Fernando Oliveira Samuel afirmou que os defensores poderiam ser prejudicados com a apresentação dos novos documentos. No entanto, reconheceu que a legislação permite a juntada dos arquivos no processo a qualquer momento. 

Para o promotor à frente do caso, Douglas Chegury, a medida foi uma estratégia da defesa para adiar o processo. "Para eles (a defesa) o adiamento do julgamento é melhor, porque o caso vai caindo no esquecimento", ressalta. O promotor afirma que o MPGO concordou com o adiamento, porque quer que os advogados tenha ampla capacidade para defender os réus. 

Deflagrada em 19 de março, a Operação Caifás, do Ministério Publico de Goiás, resultou no cumprimento de nove mandados de prisão contra grupo acusado de desviar dinheiro de 33 paróquias vinculadas à Diocese de Formosa. A suspeita é de que os réus faturassem dinheiro por meio de batizados, casamentos e eventos realizados pela igreja. A investigação aponta que os religiosos tenham adquirido propriedades, veículos e joias.Entre os suspeitos, está o bispo de Formosa, dom José Ronaldo Ribeiro.  

Na próxima sessão, 32 testemunhas devem ser ouvidas. Quatro serão de acusação e 28 de defesa. O promotor ressalta que, dificilmente, os réus prestarão depoimentos durante a audiência, já que a demanda com as testemunhas deve tomar o dia inteiro. 

Para ter direito ao habeas corpus, a Justiça determinou que todos os 11 réus comparecessem à todas as audiências. Porém, eles só serão ouvidos pelo júri após o depoimento das testemunhas, portanto, dificilmente poderão apresentar a defesa em 10 de setembro. 

Chegury ressalta que as testemunhas de acusação são três padres e um leigo, que auxiliaram nas investigações e trabalhavam na gestão de dom José. O júri deve escutá-los ainda nesta quinta. O promotor esclarece que cerca de 70 depoimentos foram colhidos por meio de precatórias. "Temos mais de uma centena de testemunhas. A maioria é da defesa, já que temos 11 acusados", diz. 
O bispo dom José chegou ao fórum por volta das 8h30, acompanhado pelo juiz eclesiástico Tiago Wenceslau. A dupla é acusada de comandar o suposto esquema criminoso que teria desviado dinheiro de 33 paróquias de responsabilidade da Diocese de Formosa. 

Também compareceram à audiência: Waldson José de Melo, Pároco da Paróquia Sagrada Família, em Posse; Guilherme Frederico Magallhães, secretário da Cúria de Formosa; Darcivan da Conceição Serracena, funcionário da Diocese de Formosa; Edmundo da Silva Borges Junior, advogado da Diocese de Formosa; Pedro Henrique Costa Augusto e Antônio Rubens Ferreira, empresários apontados como laranjas do esquema; Tiago Wenceslau de Barros Barbosa Junior, juiz eclesiástico; Mario Vieira de Brito, pároco da Paróquia São José Operário, em Formosa; Moacyr Santana, pároco da Catedral Nossa Senhora da Imaculada Conceição, em Formosa; Epitácio Cardozo Pereira, vigário-geral; e José Ronaldo Ribeiro, bispo de Formosa.  

Operação Caifás

A investigação do Ministério Público de Formosa aponta que o grupo desviava dinheiro de casamentos, batizados e eventos realizados pela igreja. A estimativa é de que o bando tenha faturado mais de R$ 2 milhões. Eles adquiriram propriedades, uma fazenda em Formosa e uma lotérica em Posse (GO), joias e mais de 160 veículos, que estavam registrado no nome da Cúria da região. O esquema teria começado em 2015. 

Os suspeitos são acusados de apropriação indébita, associação criminosa e alguns por lavagem de dinheiro. Durante a operação, oito pessoas foram mantidas presas por quase 30 dias, mas conseguiram liberdade por conta de um habeas corpus impetrado pela defesa dos réus e concedido pelo TJGO.

Informações do Correio Braziliense

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tite se recusa a encontrar Jair Bolsonaro

Enquanto a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) tenta se aproximar de Jair Bolsonaro, o técnico Tite quer distância do presidente eleito. Ao ser questionado se aceitaria encontrar o presidente eleito Jair Bolsonaro em solenidade oficial antes ou depois da Copa América, o treinador foi direto. Segundo informações da “Folha“, Tite afirmou: Não. Eu continuo com a mesma opinião. A minha atividade não se mistura e eu não me sinto confortável em fazer essa mistura. Não. Curiosamente, em 2012, após vencer a taça Libertadores da América no comando do Corinthians, o técnico Tite não viu problemas em visitar o então presidente petista Luiz Inácio Lula da Silva.

Viagem em jatinho pode ter tirado Magno Malta do ministério de Bolsonaro

Magno Malta parece ter saído da lista de ministeriáveis após Jair Bolsonaro receber informações de que ele viajou em aeronave sem informar a Justiça Eleitoral. O presidente eleito Jair Bolsonaro decidiu cortar da lista de possíveis ministros o senador Magno Malta (PR-ES) após receber informações de que o aliado fez viagens para aproximar o empresário Eraí Maggi da campanha do PSL. Malta também teria utilizado sua proximidade com Bolsonaro para defender nomes que poderiam compor um eventual governo. Chegou ao conhecimento do futuro chefe de Estado que o empresário Maggi teria colocado à disposição de Malta um jatinho particular para alguns deslocamentos e ainda aberto sua fazenda para encontro com ruralistas. Malta não registrou deslocamentos em jatinhos do empresário nas prestações de conta ao TSE.

Quem é o passageiro que Lewandowski mandou prender em voo

O passageiro levado pela Polícia Federal a mando de Ricardo Lewandowski durante voo da Gol é o advogado Cristiano Caiado Acioli, filho da subprocuradora Helenita Caiado – que chegou a presidir o CNMP.

Em vídeo que O Antagonista reproduziu mais cedo, Acioli chama Lewandowski e diz: “O Supremo é uma vergonha, viu? Eu tenho vergonha de ser brasileiro quando eu vejo vocês.”

Depois, em novo vídeo, protestou por ter seu direito de expressão cerceado.

Votou em Jair Bolsonaro. O Antagonista