Pular para o conteúdo principal

Bolsonaro foi o candidato no Roda Viva com maior audiência no YouTube





228 mil pessoas assistiram ao vivo

Ciro teve 123 mil; Alckmin, 90 mil
Vídeo segue hoje como o mais visto
Logotipo do Roda Viva, programa que tem entrevistado candidatos a presidentereprodução da TV


O programa Roda Viva, da TV Cultura (empresa estatal do governo de São Paulo), tem entrevistado os principais candidatos a presidente neste ano de 2018. O programa com Jair Bolsonaro (PSL), exibido na 2ª feira (30.jul.2018), foi o que teve a maior audiência na transmissão ao vivo pelo YouTube, com 1 pico de 228.000 pessoas assistindo num determinado momento.


Antes de Bolsonaro, o outro programa Roda Viva de grande audiência havia sido a entrevista com o juiz federal Sérgio Moro, com aproximadamente 130.000 pessoas assistindo ao vivo ao mesmo tempo. Geraldo Alckmin (PSDB) teve pico de 90.000. Ciro Gomes, 123.000.

No Facebook, a transmissão do programa que teve Bolsonaro como entrevistado contabiliza na tarde desta 3ª feira mais de 2,8 milhões de visualizações; mais de 72 mil compartilhamentos e 277 mil comentários.

As postagens semelhantes da página do Roda Viva sobre as edições com Geraldo Alckmin e Ciro Gomes alcançam 254 mil e 1 milhão de visualizações, respectivamente.

O programa com o militar também impulsionou a audiência do Roda Viva pela TV.Dados preliminares do Ibope indicam que a entrevista registrou 2,4 pontos de média. As edições com Ciro Gomes e Alckmin atingiram média de 1,1 e 0,4 ponto, respectivamente.
BATALHA VIRTUAL

Bolsonaro e Alckmin disputam parcelas comuns do eleitorado, situadas do centro à direita no espectro político. O tucano tem enfrentado dificuldades para ter relevância na internet, terreno no qual Bolsonaro navega com mais facilidade.

A vantagem do candidato do PSDB é que terá cerca de 40% do tempo de rádio e de TV durante a propaganda eleitoral, que começa no fim de agosto. Já o capitão do Exército na reserva, por enquanto, está com menos de 10 segundos por dia.

No caso das audiências de vídeos ao vivo, a maior de 2018 foi a obtida pela transmissão do youtuber Felipe Neto, que acompanhou a convocação da seleção brasileira de futebol: 350.000 pessoas assistindo ao mesmo tempo.

A audiência de vídeos na internet é maior depois que o arquivo fica à disposição para os interessados assistirem quando quiserem –“on demand”, como se diz no jargão desse mercado. No caso de Bolsonaro, o arquivo com a entrevista do candidato do PSL amanheceu nesta 3ª feira com o número 1 na lista dos “em alta” do YouTube. Às 8h30 já acumulava 210.000 visualizações.

Geraldo Alckmin, entrevistado em 23 de julho de 2018, tinha menos visualizações: 139.057. Ciro Gomes, que esteve no Roda Viva em 28 de maio de 2018 já acumula 1.293.480 de visitas ao seu vídeo.
BOLSONARO: CANAL PRÓPRIO

Bolsonaro disse estar irritado com o tratamento que vem recebendo dos administradores de redes sociais. O candidato do PSL decidiu na semana passada criar suas próprias plataformas para divulgar o que pensa. No início de junho de 2018, seu canal no YouTube ficou fora do ar e perdeu mais de 500 mil seguidores. Depois, o sistema foi restabelecido.

O militar agora tem a TV Bolsonaro, que é 1 aplicativo na internet para ser acessado a partir de dispositivos móveis –não em computadores.

A TV Bolsonaro só pode ser vista por meio do app Mano, disponível para celulares com sistema Android ou iOS. De acordo com o app, o canal do candidato já conta com quase 30 mil inscritos.

Poder360

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.