Pular para o conteúdo principal

Descriminalização do aborto será discutida pelo STF Corte faz audiência pública para tratar do tema nesta sexta-feira


STF irá discutir a descriminalização do aborto Foto: Pexels

O Supremo Tribunal Federal (STF) irá discutir, nesta sexta-feira (3), a descriminalização do aborto. O tema está sendo relatado pela ministra Rosa Weber e será analisado em uma primeira audiência pública.

O pedido foi apresentado pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) em março de 2017, que solicita que a Corte não considere mais a interrupção da gravidez feita pela mulher nas 12 primeiras semanas como crime. A ação afirma que os direitos das mulheres estão sendo violados pela criminalização da interrupção voluntária da gestação nos primeiros três meses.

Na primeira audiência, deverão ser ouvidas cerca de 20 pessoas das áreas de saúde, ciências, direitos humanos e religião. Cada um deles terá 20 minutos para se posicionar sobre o aborto e apresentar seus argumentos. Um nova audiência está marcada também para o dia 6 de agosto, onde outros 20 especialistas também falarão. A lista completa dos participantes pode ser consultada neste link. O início dos debates está marcado para 8h20.

Ao final, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, também apresentará seu parecer sobre o assunto. Ela, no entanto, não tem um prazo para se manifestar. Somente então a ministra Rosa Weber irá dar o seu voto sobre a descriminalização do aborto, que será submetido ao plenário do Supremo.

O debate poderá ser visto pela TV Justiça, Rádio Justiça e pelo canal do STF no YouTube.

ABORTO NO BRASIL

A lei brasileira só autoriza o aborto quando a gravidez aconteceu por um estupro ou quando a mãe corre riscos. O STF também autorizou, em 2012, que fetos anencéfalos também sejam abortados. Nestes casos é quando há algum problema sério no sistema nervoso.

Em qualquer outro caso o aborto é considerado crime. A punição pode variar de um a três anos de prisão em regime semiaberto ou aberto.

Pleno News

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"A gente vai dar é porrada se não respeitarem a gente", ameaça Lula, após protestos.

O Ex presidente condenado Lula, enfrentando protestos por todos os lugares por onde passa sua "caravana" pelo Sul do Brasil, subiu o tom das ameaças. Lula disse: "A gente vai dá é porrada se não respeitarem a gente", chamando os cidadãos que pedem sua prisão de fascistas.

Fico imaginando o que ele faria se estivesse no poder hoje. Seria mais um Maduro tupiniquim, um ditador cerceando a nossa liberdade e dando ração ao povo.

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.