Pular para o conteúdo principal

E a boba da corte foi Mirian Leitão... Que fiasco! Que tragédia!


Uma das mais patéticas, cômicas e infelizes páginas da história do jornalismo brasileiro.
Não vai precisar de “marqueteiro” e vai fazer a jornada eleitoral mais barata da história.
A seguir nessa batida, pode esperar a faixa presidencial em casa, de bermuda ou pijama, calçando chinelos. Já no primeiro turno.
A mídia dos fiascos fará o trabalho por ele.
Uma das mais patéticas, cômicas e infelizes páginas do jornalismo brasileiro foi escrita ontem à noite com a passagem do candidato pela Central das Eleições na Globo News.
E a “boba” da corte foi a Miriam Leitão.
O que foi aquilo? Gente letrada se prestar aquele papelão? Que tragédia!
É nisso que dá o desvirtuamento da função.
Jornalistas devem reportar e reportar-se aos fatos. Interpretar eu mesmo faço.
Repetindo o que já havia ocorrido no programa Roda Viva com o mesmo Bolsonaro, desvirtuaram sua nobre missão.
Logo quem! A grande imprensa brasileira, de há muito vêm prestando um desserviço à sociedade e ao Brasil.
Por isso se iguala ao que há de pior no meio político.
Cumpre um roteiro que ao invés de servir ao país, busca somente seus interesses econômicos sempre agarrada nas tetas de quem tem a chave do cofre.
E vai de acordo com o vento fazendo bobagens.
Daí que não detém mais nem a confiança nem o respeito de ninguém.
É por isso que se expõe ao ridículo como fez essa semana.
Alguém precisa avisar para essa trupe de trapalhões que eles estão fazendo um humilhante fiasco!
Será que eles não sabem o que são as mídias sociais?

Luiz Carlos Nemetz

Advogado.Vice-presidente e Chefe da Unidade de Representação em Santa Catarina na empresa Câmara Brasil-Rússia de Comércio, Indústria e Turismo e Sócio na empresa Nemetz & Kuhnen Advocacia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bolsonaro reage a Boulos: “Vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”

Em sua ‘live’ de domingo no Facebook, Jair Bolsonaro reagiu ao vídeo de um comício feito por Guilherme Boulos na quarta-feira passada, ao lado de Gleisi Hoffmann, em cima de um carro de som no Masp, em São Paulo, no qual o candidato derrotado do PSOL disse que só deixaria passar o feriadão para voltar a fazer mobilizações pelo país e a militância cantou em coro: “Ô Bolsonaro, presta atenção, a sua casa vai virar ocupação”. Boulos afirmou que “o MTST ocupa terreno improdutivo, e a casa do Bolsonaro não me parece uma coisa muito produtiva”. “Você deve ter visto um vídeo de ontem, ou anteontem, do Boulos insuflando uma massa enorme para invadir, ocupar a minha residência. O que você faria se o Boulos e 2 mil pessoas ameaçassem invadir a sua residência? Se eu for o presidente e se o Parlamento assim entender, nós vamos tipificar como terrorismo qualquer invasão de propriedade privada”, disse Bolsonaro.
O Antagonista

Patrícia Pillar critica Regina Duarte por apoio a Bolsonaro

Através de comentário feito na postagem, Patrícia usou várias narrativas esquerdistas para indicar que o candidato do PSL não seria capaz de ocupar o cargo de presidente do Brasil.

Na tarde desta quinta-feira (11), a atriz Regina Duarte, da Rede Globo, que já havia sinalizado o apoio ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), usou as redes sociais para fazer novas críticas ao Partido dos Trabalhadores, do candidato Fernando Haddad.

A atriz global compartilhou uma imagem com uma comparação entre o salário mínimo e outra quantia com a indicação de “Bolsa Presidiário”, fazendo referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A imagem ainda traz o questionamento: “Tem certeza que o PT sabe governar?”

Após a publicação, a atriz Patrícia Pillar, colega de emissora, rebateu a postagem por meio de comentário, assumindo uma posição contra Bolsonaro.

A ex-mulher de Ciro Gomes (PDT) declarou:


Com toda admiração e respeito que tenho por você Regina, faço aqui uma ponderação: de antemão te digo que n…

Haddad tenta jogar católicos contra evangélicos

O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, participou de uma missa em São Paulo nesta sexta-feira (12). Em entrevista, logo após, o petista atacou Bolsonaro e tentou dividir cristãos. O dia de Nossa Senhora Aparecida foi utilizado pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para tentar construir a imagem de um Fernando Haddad com bases religiosas. “Eu sou neto de um líder religioso”, respondeu o candidato do PT ao ser chamado de “abortista” por uma cristã após a missa na paróquia Santos Mártires, no Jardim Ângela, em São Paulo.