Pular para o conteúdo principal

Eleições terão 14 candidatos à Presidência da República, o maior número desde 1989


A eleição presidencial deste ano terá 14 candidatos, o maior número desde 1989, a primeira eleição direta depois da redemocratização do país, quando 22 postulantes ao Palácio do Planalto tiveram seus nomes registrados nas urnas.

 Segundo especialistas, apesar do grande número de candidatos, quatro ou cinco, efetivamente, deverão disputar a liderança, com chances de irem para o segundo turno e vencer. Olhando as pesquisas de hoje, as alianças partidárias e os históricos dos últimos anos, despontam na corrida: Jair Bolsonaro (PSL), Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva e o representante do PT, até agora, Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso.

 Veja a lista por ordem alfabética:
 Alvaro Dias (Podemos)
Cabo Daciolo (Patriotas)
Ciro Gomes (PDT)
Geraldo Alckmin (PSDB)
Guilherme Boulos (PSol)
Henrique Meirelles (MDB)
Jair Bolsonaro (PSL)
João Amoedo (Novo)
João Goulart Filho (PPL)
José Maria Eymael (DC)
Luiz Inácio Lula da Silva (PT)
Manuela D’Ávila (PCdoB)
Marina Silva (Rede)
Vera Lúcia (PSTU)
Para os analistas, ainda que as análises mostrem a força de quatro ou cinco candidatos para chegar ao segundo turno e vencer as eleições, muitas surpresas poderão surgir no meio do caminho, diante do grande número de eleitores que dizem que votarão em branco ou anulação o voto.
 Quando a campanha efetivamente começar, a partir de 16 de agosto, tudo pode mudar, inclusive um candidato que hoje não aparece com potencial de vitória cair no gosto popular. A televisão será fundamental para ditar o rumo da disputa ao Planalto, mas também haverá o peso das redes sociais, que podem ajudar, sobretudo, os candidatos com menos tempo de tevê. 
Os eleições estão mais exigentes e descontentes com os políticos tradicionais. Mas vários conhecidos estão com os nomes nas urnas, alguns com acusações ou aliados a suspeitos de terem participado do esquema de corrupção descoberto pela Operação Lava-Jato. O combate à corrupção, por sinal, será tema importante nos debates que travados até outubro próximo.
 Será uma campanha curta, mas muito intensa. Os eleitores terão de ficar muito atentos a falsas promessas e a discursos populistas. O Brasil passa por um momento gravíssimo, com as contas públicas em frangalho. O próximo presidente terá que desarmar uma bomba que pode levar a economia novamente para a recessão e ampliar o desemprego.

Correio Braziliense

Comentários

Juliana disse…
Eu acho um absurdo o nome do Lula estar ali no meio 😒
Pra mim só tem um candidato: Bolsonaro ☺️

Postagens mais visitadas deste blog

"A gente vai dar é porrada se não respeitarem a gente", ameaça Lula, após protestos.

O Ex presidente condenado Lula, enfrentando protestos por todos os lugares por onde passa sua "caravana" pelo Sul do Brasil, subiu o tom das ameaças. Lula disse: "A gente vai dá é porrada se não respeitarem a gente", chamando os cidadãos que pedem sua prisão de fascistas.

Fico imaginando o que ele faria se estivesse no poder hoje. Seria mais um Maduro tupiniquim, um ditador cerceando a nossa liberdade e dando ração ao povo.

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.