Pular para o conteúdo principal

Eleições terão 14 candidatos à Presidência da República, o maior número desde 1989


A eleição presidencial deste ano terá 14 candidatos, o maior número desde 1989, a primeira eleição direta depois da redemocratização do país, quando 22 postulantes ao Palácio do Planalto tiveram seus nomes registrados nas urnas.

 Segundo especialistas, apesar do grande número de candidatos, quatro ou cinco, efetivamente, deverão disputar a liderança, com chances de irem para o segundo turno e vencer. Olhando as pesquisas de hoje, as alianças partidárias e os históricos dos últimos anos, despontam na corrida: Jair Bolsonaro (PSL), Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva e o representante do PT, até agora, Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso.

 Veja a lista por ordem alfabética:
 Alvaro Dias (Podemos)
Cabo Daciolo (Patriotas)
Ciro Gomes (PDT)
Geraldo Alckmin (PSDB)
Guilherme Boulos (PSol)
Henrique Meirelles (MDB)
Jair Bolsonaro (PSL)
João Amoedo (Novo)
João Goulart Filho (PPL)
José Maria Eymael (DC)
Luiz Inácio Lula da Silva (PT)
Manuela D’Ávila (PCdoB)
Marina Silva (Rede)
Vera Lúcia (PSTU)
Para os analistas, ainda que as análises mostrem a força de quatro ou cinco candidatos para chegar ao segundo turno e vencer as eleições, muitas surpresas poderão surgir no meio do caminho, diante do grande número de eleitores que dizem que votarão em branco ou anulação o voto.
 Quando a campanha efetivamente começar, a partir de 16 de agosto, tudo pode mudar, inclusive um candidato que hoje não aparece com potencial de vitória cair no gosto popular. A televisão será fundamental para ditar o rumo da disputa ao Planalto, mas também haverá o peso das redes sociais, que podem ajudar, sobretudo, os candidatos com menos tempo de tevê. 
Os eleições estão mais exigentes e descontentes com os políticos tradicionais. Mas vários conhecidos estão com os nomes nas urnas, alguns com acusações ou aliados a suspeitos de terem participado do esquema de corrupção descoberto pela Operação Lava-Jato. O combate à corrupção, por sinal, será tema importante nos debates que travados até outubro próximo.
 Será uma campanha curta, mas muito intensa. Os eleitores terão de ficar muito atentos a falsas promessas e a discursos populistas. O Brasil passa por um momento gravíssimo, com as contas públicas em frangalho. O próximo presidente terá que desarmar uma bomba que pode levar a economia novamente para a recessão e ampliar o desemprego.

Correio Braziliense

Comentários

Juliana disse…
Eu acho um absurdo o nome do Lula estar ali no meio 😒
Pra mim só tem um candidato: Bolsonaro ☺️

Postagens mais visitadas deste blog

Tite se recusa a encontrar Jair Bolsonaro

Enquanto a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) tenta se aproximar de Jair Bolsonaro, o técnico Tite quer distância do presidente eleito. Ao ser questionado se aceitaria encontrar o presidente eleito Jair Bolsonaro em solenidade oficial antes ou depois da Copa América, o treinador foi direto. Segundo informações da “Folha“, Tite afirmou: Não. Eu continuo com a mesma opinião. A minha atividade não se mistura e eu não me sinto confortável em fazer essa mistura. Não. Curiosamente, em 2012, após vencer a taça Libertadores da América no comando do Corinthians, o técnico Tite não viu problemas em visitar o então presidente petista Luiz Inácio Lula da Silva.

Viagem em jatinho pode ter tirado Magno Malta do ministério de Bolsonaro

Magno Malta parece ter saído da lista de ministeriáveis após Jair Bolsonaro receber informações de que ele viajou em aeronave sem informar a Justiça Eleitoral. O presidente eleito Jair Bolsonaro decidiu cortar da lista de possíveis ministros o senador Magno Malta (PR-ES) após receber informações de que o aliado fez viagens para aproximar o empresário Eraí Maggi da campanha do PSL. Malta também teria utilizado sua proximidade com Bolsonaro para defender nomes que poderiam compor um eventual governo. Chegou ao conhecimento do futuro chefe de Estado que o empresário Maggi teria colocado à disposição de Malta um jatinho particular para alguns deslocamentos e ainda aberto sua fazenda para encontro com ruralistas. Malta não registrou deslocamentos em jatinhos do empresário nas prestações de conta ao TSE.

Quem é o passageiro que Lewandowski mandou prender em voo

O passageiro levado pela Polícia Federal a mando de Ricardo Lewandowski durante voo da Gol é o advogado Cristiano Caiado Acioli, filho da subprocuradora Helenita Caiado – que chegou a presidir o CNMP.

Em vídeo que O Antagonista reproduziu mais cedo, Acioli chama Lewandowski e diz: “O Supremo é uma vergonha, viu? Eu tenho vergonha de ser brasileiro quando eu vejo vocês.”

Depois, em novo vídeo, protestou por ter seu direito de expressão cerceado.

Votou em Jair Bolsonaro. O Antagonista