Pular para o conteúdo principal

(Ibuprofeno e Diclofenaco ) Anti-flamatórios mais vendidos no Brasil podem causar parada cardíaca.

Cientistas descobrem efeito perigoso de alguns tipos de anti-inflamatórios não-esteroides: aumentam o risco cardíaco.





Os anti-inflamatórios não-esteroides estão entre os medicamentos mais utilizados no mundo e alguns, incluindo o ibuprofeno, estão disponíveis em qualquer farmácia e são comprados sem receitas ou indicação médica, qualquer pessoa pode comprar e tomar esses medicamentos para todo tipo de dores, indiscriminadamente.
Uma recente pesquisa publicada pela revista científica European Heart Journal e comandada pelo Hospital Universitário Gentofte, de Copenhague, sugere que o uso de alguns tipos de anti-inflamatórios não-esteroides (AINEs) pode ser prejudicial ao coração e está associado ao aumento do risco de parada cardíaca.
Estes cientistas dinamarqueses sugerem que a venda do analgésico ibuprofeno seja drasticamente reduzida, já que o estudo em questão chegou à conclusão de que a ingestão do medicamento pode aumentar o risco de parada cardíaca em mais de 30%.
Outros medicamentos do mesmo grupo apresentam risco de ataque cardíaco em cerca de 50%, um dos autores do estudo, Gunnar Gislason, professor de cardiologia do Hospital Universitário de Copenhague Gentofte, na Dinamarca, relatou ao jornal The Guardian. Segundo a pesquisa, outros remédios que deveriam ter controles mais exigentes sobre a venda ao público são: diclofenaco, naproxeno, ibuprofeno e inibidores seletivos da COX-2 celecoxib conhecido por Celebra e rofecoxib, já retirado da circulação.
Para realizar este trabalho, os cientistas da Dinamarca avaliaram todas as paradas cardíacas registradas em seu país entre os anos de 2001 e 2010. Foram coletadas informações sobre prescrições dos medicamentos mencionados desde 1995. Nesse período, 28.947 tiveram parada cardíaca fora do hospital. E foi constatado que 3.376 tinham tomado AINEs 30 dias antes de dar entrada.
O ibuprofeno foi um dos medicamentos mais mencionados, cobrindo respectivamente 51% e 22% do uso total. Em relação ao incremento do risco de parada cardíaca, o ibuprofeno foi responsável por 31% e o diclofenaco, 50%.
Para explicar esses fatos, os pesquisadores concluíram que os efeitos podem surgir devido à agregação das plaquetas que provoca coágulos, fazendo com que as artérias se estreitem, aumentando a retenção de líquidos e consequentemente a pressão sanguínea.
Segundo os autores, o naproxeno é o AINE mais seguro e seria recomendado tomar até 500 miligramas por dia. O diclofenaco é o mais perigoso e seu consumo deveria ser evitado, já que existem outros remédios com efeitos similares mais seguros. Os responsáveis pelo estudo recomendaram deixar de receitar o diclofenaco, um dos anti-inflamatórios mais usados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tite se recusa a encontrar Jair Bolsonaro

Enquanto a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) tenta se aproximar de Jair Bolsonaro, o técnico Tite quer distância do presidente eleito. Ao ser questionado se aceitaria encontrar o presidente eleito Jair Bolsonaro em solenidade oficial antes ou depois da Copa América, o treinador foi direto. Segundo informações da “Folha“, Tite afirmou: Não. Eu continuo com a mesma opinião. A minha atividade não se mistura e eu não me sinto confortável em fazer essa mistura. Não. Curiosamente, em 2012, após vencer a taça Libertadores da América no comando do Corinthians, o técnico Tite não viu problemas em visitar o então presidente petista Luiz Inácio Lula da Silva.

Viagem em jatinho pode ter tirado Magno Malta do ministério de Bolsonaro

Magno Malta parece ter saído da lista de ministeriáveis após Jair Bolsonaro receber informações de que ele viajou em aeronave sem informar a Justiça Eleitoral. O presidente eleito Jair Bolsonaro decidiu cortar da lista de possíveis ministros o senador Magno Malta (PR-ES) após receber informações de que o aliado fez viagens para aproximar o empresário Eraí Maggi da campanha do PSL. Malta também teria utilizado sua proximidade com Bolsonaro para defender nomes que poderiam compor um eventual governo. Chegou ao conhecimento do futuro chefe de Estado que o empresário Maggi teria colocado à disposição de Malta um jatinho particular para alguns deslocamentos e ainda aberto sua fazenda para encontro com ruralistas. Malta não registrou deslocamentos em jatinhos do empresário nas prestações de conta ao TSE.

Quem é o passageiro que Lewandowski mandou prender em voo

O passageiro levado pela Polícia Federal a mando de Ricardo Lewandowski durante voo da Gol é o advogado Cristiano Caiado Acioli, filho da subprocuradora Helenita Caiado – que chegou a presidir o CNMP.

Em vídeo que O Antagonista reproduziu mais cedo, Acioli chama Lewandowski e diz: “O Supremo é uma vergonha, viu? Eu tenho vergonha de ser brasileiro quando eu vejo vocês.”

Depois, em novo vídeo, protestou por ter seu direito de expressão cerceado.

Votou em Jair Bolsonaro. O Antagonista