Pular para o conteúdo principal

Jair Bolsonaro admite privatizar a Petrobras


Presidenciável deu declaração em sabatina do canal Globonews, embora se diga 'pessoalmente contra' a privatização da petrolífera

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, admitiu nesta sexta-feira, 3, que pode privatizar a Petrobras caso seja eleito. A afirmação de Bolsonaro foi dada durante sabatina no canal Globonews, quando o presidenciável foi questionado pelos jornalistas a respeito da política de preços da estatal petrolífera, e especificamente, sobre se manteria os subsídios do governo do presidente Michel Temer ao óleo diesel.
“Se não tiver solução, eu sugiro a privatização da Petrobras, acaba com esse monopólio estatal e ponto final. Vamos buscar soluções senão ou eu ou qualquer outro vai privatizar a Petrobras”, afirmou o deputado federal. “Se não tiver acordo, não tiver caminho, não tem outra solução”, continuou.
Ele ressaltou, no entanto, que é pessoalmente contrário à privatização. “Eu entendo que a Petrobras é estratégica, por isso não gostaria de privatizar a Petrobras, esse é um sentimento meu. Agora, se não tiver solução, um acordo, não vai ter outro caminho”, complementou.
Em junho, indagado por VEJA, Bolsonaro disse que a privatização da estatal “entrou no seu radar”, mas que ainda não tinha uma definição. 
Negociada com o governo Temer com os caminhoneiros que entraram em greve em maio, a medida provisória com o desconto no litro do óleo diesel tem validade até o dia 31 de dezembro de 2018. O valor do subsídio é de 0,46 reais por litro do combustível.
Na sabatina na Globonews, Jair Bolsonaro voltou a se esquivar de questões sobre economia e a dizer que as respostas ao assunto devem ser buscadas junto a Paulo Guedes, o responsável pelo programa econômico de sua campanha e possível ministro da Fazenda em um governo Bolsonaro. “Falei que não entendo [de economia] por questão de humildade, perto do Paulo Guedes eu não entendo nada”, afirmou.
“Houve uma aproximação por acaso. Se eu tenho ao meu lado uma pessoa com Paulo Guedes, por que eu vou falar de economia, meu Deus do céu? Eu sei fazer integral, sei fazer derivada, sei calcular um tiro de barragem, eu sei o que o povo precisa”, disse o candidato.
Ele citou, sem entrar em detalhes, que pretende manter “inflação baixa, taxa de juros menor do que está ai, dólar que não atrapalhe quem queira exportar e importar, juro baixo sem aumentar imposto, desregulamentar, abrir o comércio sem viés ideológico, ir para o mercado livre aqui no Brasil, liberalismo”.
Indagado sobre a política de aumentar juros para conter inflação, Bolsonaro afirmou brevemente que “se a solução for essa, que se faça, mas imagina a taxa de juros com 4 trilhões de dívida interna, vai explodir a dívida”.
Sem dar detalhes e visivelmente nervoso ao ser questionado sobre economia, ele também disse ser favorável à reforma da Previdência, mas não nos termos da proposta enviada pelo governo Temer ao Congresso, e à independência “política” do Banco Central.
Revista Veja

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tite se recusa a encontrar Jair Bolsonaro

Enquanto a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) tenta se aproximar de Jair Bolsonaro, o técnico Tite quer distância do presidente eleito. Ao ser questionado se aceitaria encontrar o presidente eleito Jair Bolsonaro em solenidade oficial antes ou depois da Copa América, o treinador foi direto. Segundo informações da “Folha“, Tite afirmou: Não. Eu continuo com a mesma opinião. A minha atividade não se mistura e eu não me sinto confortável em fazer essa mistura. Não. Curiosamente, em 2012, após vencer a taça Libertadores da América no comando do Corinthians, o técnico Tite não viu problemas em visitar o então presidente petista Luiz Inácio Lula da Silva.

Viagem em jatinho pode ter tirado Magno Malta do ministério de Bolsonaro

Magno Malta parece ter saído da lista de ministeriáveis após Jair Bolsonaro receber informações de que ele viajou em aeronave sem informar a Justiça Eleitoral. O presidente eleito Jair Bolsonaro decidiu cortar da lista de possíveis ministros o senador Magno Malta (PR-ES) após receber informações de que o aliado fez viagens para aproximar o empresário Eraí Maggi da campanha do PSL. Malta também teria utilizado sua proximidade com Bolsonaro para defender nomes que poderiam compor um eventual governo. Chegou ao conhecimento do futuro chefe de Estado que o empresário Maggi teria colocado à disposição de Malta um jatinho particular para alguns deslocamentos e ainda aberto sua fazenda para encontro com ruralistas. Malta não registrou deslocamentos em jatinhos do empresário nas prestações de conta ao TSE.

Quem é o passageiro que Lewandowski mandou prender em voo

O passageiro levado pela Polícia Federal a mando de Ricardo Lewandowski durante voo da Gol é o advogado Cristiano Caiado Acioli, filho da subprocuradora Helenita Caiado – que chegou a presidir o CNMP.

Em vídeo que O Antagonista reproduziu mais cedo, Acioli chama Lewandowski e diz: “O Supremo é uma vergonha, viu? Eu tenho vergonha de ser brasileiro quando eu vejo vocês.”

Depois, em novo vídeo, protestou por ter seu direito de expressão cerceado.

Votou em Jair Bolsonaro. O Antagonista