Pular para o conteúdo principal

PV confirma aliança com Rede e Eduardo Jorge deve ser o vice de Marina


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O PV aceitou ser vice da pré-candidata da Rede à Presidência, Marina Silva, nas eleições 2018. Dirigentes das duas siglas se encontraram nesta quinta-feira, 2, para acertar os detalhes finais. Ainda será feita uma consulta oficial aos diretórios da sigla, mas os verdes já reconhecem que há maioria pela coligação.

Candidato à Presidência em 2014 pelo PV, Eduardo Jorge deve ser indicado para compor chapa com Marina. Apoiador declarado dela, ele foi responsável pela reaproximação das siglas neste ano, depois de oito anos afastados. O ex-deputado federal sempre defendeu “apoio incondicional” na sigla à Rede.
"Não há dúvida de que há uma ampla maioria", disse a secretária de organização do PV, Carla Piranda. A consulta foi feita via grupo de WhatsApp da executiva nacional e Carla estima que cerca de 70% já aceitou o convite da presidenciável.

Confirmado o apoio, o PV trará para a campanha de Marina mais 10 segundo para cada bloco de propaganda eleitoral. Por dia, a chapa PV-Rede terá cerca de meio minuto de tempo de rádio e TV.

Depois da reunião desta manhã, da qual também participou, Eduardo Jorge disse que o apoio estava “bem encaminhado”, mas foi cauteloso. “Tem que esperar o respaldo dos dirigentes”. O convite, contudo, já havia sido aceito. “Se for do entendimento dos dois partidos (que devem compor), como vou dizer não?", completou.

Havia resistência em setores do PV contra a coligação, principalmente por alianças em Estados que já estão formadas com partidos que também têm presidenciáveis. O coordenador da Rede, Bazileu Margarido, esteve na reunião de hoje e admite que não será possível ter palanque para Marina em todas as regiões.

“Tem estados que claramente que não estaremos juntos e estamos buscando soluções. Não é possível estar junto nos 27 estados”, disse Bazileu. As negociações são “uma corrida contra o relógio” para que os dois possam estar juntos na convenção nacional da Rede no sábado, 4. O PV quer fazer a consulta oficial à sua executiva, exigida pela legislação eleitoral, até amanhã para que Eduardo Jorge esteja no palanque de Marina no sábado.

O encontro desta quinta-feira durou cerca de 1h30 e foi o primeiro desde o convite da Rede. Os dirigentes da sigla de Marina, Pedro Ivo Batista e Bazileu Margarido, foram para São Paulo se reunir com o presidente do PV, Jorge Luiz Penna, e Eduardo Jorge. Ex-secretário da gestão do PSDB em São Paulo, Penna integrava a ala do partido que defendia apoio ao presidenciável tucano, Geraldo Alckmin.


Pedro Venceslau
O Estado de S.Paulo

Comentários

Anônimo disse…
https://www.facebook.com/100000310749974/posts/1895272403826433/

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda. países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola Guiné equatorial Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R4 2 Bilhões na Ilha que ficou mais conmhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões.Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

Justiça condena Juca Kfouri a pagar R$ 30 mil a Bolsonaro

A 26ª Câmara Cível do Rio determinou que Juca Kfouri e a ESPN paguem indenização de R$ 30 mil, mais correção e juros, por dano moral a Jair Bolsonaro, informa a Veja.

O presidenciável, porém, terá de indenizar o jornalista em R$ 6.000.

O caso começou em 2016, quando Kfouri criticou o comportamento de dois torcedores do Fluminense, comparando-os a torturadores e dizendo que deviam ser apoiadores de Bolsonaro.



Em resposta, o deputado gravou um vídeo com a camisa do Fluminense em que dizia que o jornalista estava “merecendo levar uns tabefes pra aprender a ser homem”.

Em seguida, Bolsonaro entrou com a ação por dano moral, alegando que na vida militar jamais participou de tortura. Na defesa, Kfouri negou ofensa à honra do hoje presidenciável.

Raquel Dodge manda mais um recado a Lula

Neste momento, Raquel Dodge está discursando na cerimônia de posse de Rosa Weber como presidente do TSE.

A procuradora-geral da República, registra o site BuzzFeed, mandou mais um recado para o presidiário de Curitiba e seu partido: a Lei das Inelegibilidades deve ser cumprida.

Recursos protelatórios, acrescentou Dodge, devem ser derrubados para garantir que só dispute a eleição quem realmente está legalmente apto para isso.



A Justiça Eleitoral, prosseguiu a PGR, tem o dever de “anunciar o quanto antes” quem pode ser candidato nas eleições.