Pular para o conteúdo principal

PV confirma aliança com Rede e Eduardo Jorge deve ser o vice de Marina


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O PV aceitou ser vice da pré-candidata da Rede à Presidência, Marina Silva, nas eleições 2018. Dirigentes das duas siglas se encontraram nesta quinta-feira, 2, para acertar os detalhes finais. Ainda será feita uma consulta oficial aos diretórios da sigla, mas os verdes já reconhecem que há maioria pela coligação.

Candidato à Presidência em 2014 pelo PV, Eduardo Jorge deve ser indicado para compor chapa com Marina. Apoiador declarado dela, ele foi responsável pela reaproximação das siglas neste ano, depois de oito anos afastados. O ex-deputado federal sempre defendeu “apoio incondicional” na sigla à Rede.
"Não há dúvida de que há uma ampla maioria", disse a secretária de organização do PV, Carla Piranda. A consulta foi feita via grupo de WhatsApp da executiva nacional e Carla estima que cerca de 70% já aceitou o convite da presidenciável.

Confirmado o apoio, o PV trará para a campanha de Marina mais 10 segundo para cada bloco de propaganda eleitoral. Por dia, a chapa PV-Rede terá cerca de meio minuto de tempo de rádio e TV.

Depois da reunião desta manhã, da qual também participou, Eduardo Jorge disse que o apoio estava “bem encaminhado”, mas foi cauteloso. “Tem que esperar o respaldo dos dirigentes”. O convite, contudo, já havia sido aceito. “Se for do entendimento dos dois partidos (que devem compor), como vou dizer não?", completou.

Havia resistência em setores do PV contra a coligação, principalmente por alianças em Estados que já estão formadas com partidos que também têm presidenciáveis. O coordenador da Rede, Bazileu Margarido, esteve na reunião de hoje e admite que não será possível ter palanque para Marina em todas as regiões.

“Tem estados que claramente que não estaremos juntos e estamos buscando soluções. Não é possível estar junto nos 27 estados”, disse Bazileu. As negociações são “uma corrida contra o relógio” para que os dois possam estar juntos na convenção nacional da Rede no sábado, 4. O PV quer fazer a consulta oficial à sua executiva, exigida pela legislação eleitoral, até amanhã para que Eduardo Jorge esteja no palanque de Marina no sábado.

O encontro desta quinta-feira durou cerca de 1h30 e foi o primeiro desde o convite da Rede. Os dirigentes da sigla de Marina, Pedro Ivo Batista e Bazileu Margarido, foram para São Paulo se reunir com o presidente do PV, Jorge Luiz Penna, e Eduardo Jorge. Ex-secretário da gestão do PSDB em São Paulo, Penna integrava a ala do partido que defendia apoio ao presidenciável tucano, Geraldo Alckmin.


Pedro Venceslau
O Estado de S.Paulo

Comentários

Anônimo disse…
https://www.facebook.com/100000310749974/posts/1895272403826433/

Postagens mais visitadas deste blog

Tite se recusa a encontrar Jair Bolsonaro

Enquanto a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) tenta se aproximar de Jair Bolsonaro, o técnico Tite quer distância do presidente eleito. Ao ser questionado se aceitaria encontrar o presidente eleito Jair Bolsonaro em solenidade oficial antes ou depois da Copa América, o treinador foi direto. Segundo informações da “Folha“, Tite afirmou: Não. Eu continuo com a mesma opinião. A minha atividade não se mistura e eu não me sinto confortável em fazer essa mistura. Não. Curiosamente, em 2012, após vencer a taça Libertadores da América no comando do Corinthians, o técnico Tite não viu problemas em visitar o então presidente petista Luiz Inácio Lula da Silva.

Viagem em jatinho pode ter tirado Magno Malta do ministério de Bolsonaro

Magno Malta parece ter saído da lista de ministeriáveis após Jair Bolsonaro receber informações de que ele viajou em aeronave sem informar a Justiça Eleitoral. O presidente eleito Jair Bolsonaro decidiu cortar da lista de possíveis ministros o senador Magno Malta (PR-ES) após receber informações de que o aliado fez viagens para aproximar o empresário Eraí Maggi da campanha do PSL. Malta também teria utilizado sua proximidade com Bolsonaro para defender nomes que poderiam compor um eventual governo. Chegou ao conhecimento do futuro chefe de Estado que o empresário Maggi teria colocado à disposição de Malta um jatinho particular para alguns deslocamentos e ainda aberto sua fazenda para encontro com ruralistas. Malta não registrou deslocamentos em jatinhos do empresário nas prestações de conta ao TSE.

Quem é o passageiro que Lewandowski mandou prender em voo

O passageiro levado pela Polícia Federal a mando de Ricardo Lewandowski durante voo da Gol é o advogado Cristiano Caiado Acioli, filho da subprocuradora Helenita Caiado – que chegou a presidir o CNMP.

Em vídeo que O Antagonista reproduziu mais cedo, Acioli chama Lewandowski e diz: “O Supremo é uma vergonha, viu? Eu tenho vergonha de ser brasileiro quando eu vejo vocês.”

Depois, em novo vídeo, protestou por ter seu direito de expressão cerceado.

Votou em Jair Bolsonaro. O Antagonista