Pular para o conteúdo principal

Louvor e leitura da Bíblia marcam evento no Planalto


Celebração de Páscoa teve presença de Jair Bolsonaro e vários ministros

Celebração de Páscoa no Palácio do Planalto

Nesta quarta-feira (17) aconteceu uma celebração pela Páscoa, no Palácio do Planalto, em Brasília. O evento contou com a participação do presidente Jair Bolsonaro e de sua esposa, Michelle Bolsonaro.
Os ministros Onyx Lorenzoni, Ernesto Araújo, Paulo Guedes e Damares Alves também prestigiaram o evento. Na ocasião, Onyx e Bolsonaro deram uma breve palavra sobre a importância da família e da religião na sociedade.

Como parte da programação, o grupo Arena Louvor, da igreja Sara Nossa Terra, apresentou músicas gospel. Eles cantaram músicas como Santo Espírito, Não Mais Escravos, Quando Ele Vem, Ousado Amor, Deus está aqui, Pai Nosso, Minhas Guerras, fechando com o hino Porque Ele Vive e Te Agradeço.
Intercalando com os louvores, servidores públicos subiram ao palco para ler vários versículos bíblicos de livros como João, Mateus e 1 João, incluindo o famoso texto de João 3:16.
Ao Pleno.News, Weltin Araújo, vocalista do Arena Louvor falou sobre a participação no evento. Ele explicou que a banda atendeu a um convite para tocar na cerimônia.
– Nós fomos convidados como banda e nos sentimos muito honrados porque tivemos essa abertura para celebrar a ressurreição de Jesus. A vocalista que canta comigo, Kenia Sabino, minha esposa, é servidora da Casa Civil. O pessoal ficou sabendo que ela canta e assim veio o convite – contou.
Grato pela oportunidade de representar Deus no Planalto, Weltin também avaliou a atuação da Igreja em prol de um país melhor.
– Os evangélicos têm orado muito pelo crescimento do Brasil, para que as vidas sejam transformadas no país. E boa parte dos evangélicos orou muito para que a Igreja tivesse mais espaço neste momento que a nação atravessa. E por estarmos adorando ao Senhor, conseguimos plantar uma semente naquele lugar – disse.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné Equatorial e Congo não investirão mais no Brasil se Bolsonaro for eleito.

Bolsonaro já disse, não tem acordo com a esquerda, países como, Cuba, Venezuela, Bolívia, Angola, Guiné equatorial, Congo e entre outros, não levarão nenhum centavo do povo brasileiro.

O Paí já colocou R$ 42 Bilhões na Ilha que ficou mais conhecida como Ilha de Fidel. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.
Uma risonha presidente Dilma Rousseff inaugurou, ao do ditador cubano Raúl Castro, a primeira fase do Porto de Mariel, em Havana.

 Na época a presença de Dilma se devai a uma razão principal : a conta foi paga por ela- na verddae, por todos os brasieliros. O Mariel custou US$ 957 milhões de dólares, dos quais US4 802 milhões vieram de financiamento concedido pelo banco nacional de Desenvolvimento Econômico e Social(BNDES).

 O montante equivale a 2 bilhões. Dinheiro que poderia modernizar nossos aeroportos, portos e rodovias.

Istoé notícia-Jornal 21 Brasil

TSE suspende propaganda do PT que associa Bolsonaro à tortura

Luis Felipe Salomão, do TSE, suspendeu a propaganda eleitoral em que a coligação petista associa Jair Bolsonaro à ditadura e à tortura.

O ministro atendeu o pedido da defesa de Bolsonaro, que alegou que o programa veiculado viola a lei eleitoral, “uma vez que incute medo na população ao sugerir que se o candidato Jair Bolsonaro for eleito vai perseguir e torturar eventuais opositores políticos”.

“O tribunal tem feito um esforço no sentido de elevar o nível do debate para se evitar a disseminação desse clima de pânico que estão criando”, disse o advogado de Bolsonaro, Tiago Ayres, a O Antagonista.

Dilma e Gleisi vão a Cuba 'denunciar' situação de Lula no Foro de São Paulo

A ex-presidente Dilma Rousseff e a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, viajam na semana que vem para Cuba para participar do encontro anual do Foro de São Paulo, que congrega partidos políticos e organizações de esquerda da América Latina. Ali, as duas pretendem "fazer uma denúncia" sobre a situação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que os petistas classificam como "prisão política".


"Eu vou agora para o Foro de São Paulo fazer uma denúncia também. Dilma vai, resolvemos ir para fazer a denúncia do que está acontecendo", disse Gleisi ao Valor PRO. "Nós vamos ter todos os partidos de esquerda e centro-esquerda da América Latina reunidos lá, autoridades. E nós vamos para denúncia internacional." O encontro ocorre em Havana entre o domingo, 15 de julho, e a terça, 17. No site da entidade, já há destaques para a prisão do ex-presidente, como um "Mapa de Mobilização Mundial Lula Livre" e manifestações de políticos e entidades…