Pular para o conteúdo principal

Ativista gay admite: “queremos destruir a família, sim”




Durante debate ativista também defendeu mais radicalização na esquerda.

Vitor Zaparoli Borgheresi. (Foto: Reprodução / Youtube)

Um seminário promovido pelo Sesc São Paulo e a Editora Boitempo chamado “Democracia em colapso?”, promoveu um debate com os temas “Família, Religião e Política” em que um ativista gay admite que o movimento quer “destruir a família, sim”.

Vitor Zaparoli Borgheresi, que usa o nome social de Amanda Palha e já foi candidato a uma vaga na Câmara dos Deputados pelo Partido Comunista Brasileiro (PCB), comentava sobre como o ativismo LGBT tem sido acusado de tentar desconstruir a família.

“Quando dizem para a gente: ‘A o Movimento LGBT quer acabar com a família. O Movimento LGBT é um movimento promiscuo, que defende o sexo desregrado'”, disse.

Em sua visão, o Movimento LGBT tem se defendido com a negação desta luta, justificando que “a gente só quer amar” e que não querem destruir a família e que até “tem filhos”.

“A gente entrou numa lomba dos anos 90 pra cá, de se colocar em uma posição defensiva de dizer: ‘não, não, a gente não quer destruir família nenhuma não, a gente só quer amar’. Ou: ‘não, não a gente não quer destruir a família não, a gente até casa, a gente até tem filhos, a gente até constitui família'”, destacou.

Na análise que faz sobre o assunto, o movimento não deveria negar isso, pois seria um “retrocesso político violento” e afirma que isso violenta a história dos movimentos LGBTs e feministas na América Latina.

“E isso é de um retrocesso político violento, que violenta inclusive a história de constituição do Movimento LGBT na América Latina. Violenta a história dos ganhos e lutas feministas na América Latina”, criticou.

Então continua analisando a partir da visão marxista, afirmando que a direita tem se colocado como uma alternativa anti sistêmica e que a esquerda deveria ter radicalizado para mostrar ser anti sistêmica.

“Cabe a radicalização nossa também de afirmar com todas as letras o que é uma estratégia política crítica anti sistêmica. ‘Ah, porque vocês querem destruir a família’. Sim, queremos. Não é?”, indagou recebendo aplausos do público presente.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Maitê Proença sai na defesa de Regina Duarte e diz que ela ‘não é perversa nem cínica, nem nazista’

Segundo a atriz, Regina tem admiradores de várias ideologias




Em conversa com a coluna de Sonia Racy, do site O Antagonista, a atriz Maitê Proença defendeu a indicação da também atriz Regina Duarte para a liderança da Secretaria da Cultura pelo presidente da República Jair Bolsonaro.

“Regina não é perversa nem cínica, nem nazista. Dentro do cenário que vivemos, ela é a melhor das possibilidades”, afirmou a atriz, proclamando seu respeito por Regina, que aceitou hoje (20) o convite feito por Bolsonaro para o comando da pasta já citada, ocupando o lugar que antes era de Roberto Alvin, exonerado por conta de um vídeo onde fazia referências a um discurso realmente de origem nazista.

Maitê acrescentou ainda que Regina Duarte “trabalha desde a adolescência e conhece muita gente no meio. Ela tem admiradores de todas as ideologias”, reforçando a competência e a imparcialidade da global escolhida pelo presidente para coordenar a pauta da cultura no país.
continua após a publicidade

Juninho Pernambucano Chama Moro De “Canalha, Traidor Da Pátria”

“Esse canalha traidor da pátria pagará por tudo isso, não tem jeito e ele sabe. Pode demorar, mas traidores não escapam”, afirmou o ex-jogador Juninho Pernambucano sobre o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro O ex-jogador Juninho Pernambucano bateu pesado no ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, para quem “a resposta às críticas injustas da imprensa ou das redes sociais não pode jamais ser a censura ou o controle da palavra”. Complementado um tweet do líder do PT na Câmara dos Deputados, Paulo Pimenta (RS), Juninho escreveu: “Paulo, esse canalha traidor da pátria, pagará por tudo isso, não tem jeito e ele sabe. Pode demorar, mas traidores não escapam. E sabemos quem o faz ter tanta confiança pra passar por cima de tudo, quem o segura, protege e torna suas mentiras, parte da lei. O mundo sabe”.
Para Juninho Pernambucano Moro é traidor por prender o maior ladrão da pátria.  Só no Brasil mesmo. Petista e asno são iguais.

PT, PSDB e mais 12 partidos criam grupinho para destruir Bolsonaro

PT, PSDB e mais 12 partidos criaram o movimento Direitos Já, Fórum da Democracia.

O objetivo é plantar a semente do impeachment. O grupo já empossou um conselho e vai começar as atividades no dia 30 de março, que é véspera do início do golpe militar de 64.

Parece que Flávio Dino, do PC do B, é que vai comandar esse grupo revolucionário. Ele é o mais cotado na esquerda para disputar as eleições de 2022.

Fonte NBO