Pular para o conteúdo principal

OS ARGENTINOS DIZEM NÃO À LEGALIZAÇÃO DO ABORTO







Por Maria Laura Marcondes Machado de Assis

A manifestação contou com a participação de vários setores da Igreja Católica e Evangélica, de diferentes organizações da sociedade civil e de algumas figuras políticas.

Setores que se opõem à legalização do aborto se manifestaram neste sábado (28) em diferentes partes do país para rejeitar o projeto enviado ao Congresso pelo governo de Alberto Fernández. A principal concentração foi registrada em frente ao Congresso Nacional, onde os militantes “pró-vida” começaram a chegar – apesar da chuva – antes das 15h, com seus lenços azuis e bandeiras da Argentina.

Com as hashtags #LaMayoríaCeleste (a maioria azul claro) e #SalvemosLas2Vidas (salvemos as duas vidas), o protesto foi acompanhado por postagens nas redes sociais e publicações de manifestantes em diferentes partes do país.

Esta foi a primeira ação conjunta organizada pela Igreja Católica, as igrejas evangélicas e a Unidade Pró-Vida, que reuniu mais de 150 organizações da sociedade civil.

“Existem mais de 100 causas prioritárias pelas quais as mulheres morrem, e muito mais na pandemia. Morrem 15 vezes mais mulheres grávidas que desejam ter seus filhos, 20 vezes mais mulheres por desnutrição ou HIV e 300 vezes mais por câncer de mama” disse Ana Belén Mármora, uma ativista da Unidad Provida.

Também participaram na manifestação a deputada estadual de Santa Fe Amalia Granata, os jornalistas Mariano Obarrio e Viviana Canosa, a deputada nacional Dina Rezinovsky, Rodrigo Fernández Madero da Unidad Provida, o economista Javier Milei, o ex-candidato a presidente José Gómez Centurión, entre outros.

“As pessoas estão cansadas de mentiras e manipulação política”, disse a ex-deputada Cynthia Hotton, “desde a pandemia e as invasões de terras até a despedida de Diego Maradona. O resultado é sempre o mesmo: o povo é quem mais sofre ”

“Com o aborto acontece a mesma coisa. As pessoas estão cansadas do lenço verde como o remédio para todos os problemas das mulheres e da sociedade. Enquanto o orçamento é desperdiçado entre feministas radicais e abortistas em todos os ministérios, a pobreza, a insegurança e a violência continuam crescendo ”, declarou ela.

Foto: INFOBAE
Foto: INFOBAE

O projeto

Na próxima semana iniciará o debate sobre a legalização do aborto na Câmara dos Deputados. A iniciativa começará a ser discutida entre segunda ou terça-feira e é provável que sejam realizadas várias reuniões semanais. Para organizar o esquema de trabalho, antes do início do debate, as autoridades das quatro comissões pelas quais o projeto passará se reuniram na quinta-feira (26).

A intenção dos deputados do partido kirchnerista Frente de Todos, segundo fontes parlamentares, é aprovar o projeto de lei na Câmara dos Deputados na segunda semana de dezembro e depois encaminhá-lo ao Senado para que a lei seja sancionada antes do final do ano.

O projeto de Interrupção Voluntária da Gravidez (ILE) enviado na semana passada pelo presidente Alberto Fernández ao Congresso, estabelece que “mulheres e outras pessoas com identidade de gênero com capacidade de gestar” têm o direito de fazer um aborto por até a 14ª semana do processo gestacional.


Fonte: Questione-se





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vital Farias divulga que caixões enterrados em Manaus estão vazios

O cantor e compositor paraibano Vital Farias usou seu perfil no Facebook para divulgar uma informação a respeito do colapso funerário registrado no Amazonas por causa da pandemia de Coronavírus. O autor de “Saga da Amazônia”, um clássico da MPB, é parte do movimento negacionista que surgiu nas redes sociais propagado por simpatizantes do presidente Jair Bolsonaro. Para eles, as fotos e vídeos de uma vala coletiva onde vítimas do Covid-19 foram enterrados seriam apenas uma manipulação e não retratariam a realidade da capital do Amazonas. O número de mortos por coronavírus em Manaus, capital do Amazonas, tem feito a prefeitura abrir valas comuns em cemitérios para enterrar as vítimas fatais da infecção. Na cidade, há covas coletivas destinadas a até 10 pessoas. O mais recente boletim epidemiológico do Ministério da Saúde aponta que, em todo o estado, já foram contabilizadas 193 baixas ocasionadas pela doença. O índice de letalidade, que é de 8,5%, está cerca de dois pontos per

Mangueira critica líderes cristãos e alfineta Bolsonaro Enredo da escola de samba se propôs a falar sobre a vida de Jesus

Ana Luiza Menezes - 24/02/2020 01h52 Mangueira desrespeita fé cristã em desfile de carnaval / Foto: Reprodução Mangueira desrespeita fé cristã em desfile de carnaval / Foto: Reprodução Mangueira desrespeita fé cristã em desfile de carnaval / Foto: Reprodução Mangueira desrespeita fé cristã em desfile de carnaval / Foto: Reprodução Mangueira desrespeita fé cristã em desfile de carnaval / Foto: Reprodução Mangueira desrespeita fé cristã em desfile de carnaval / Foto: Reprodução 1 de 6 Na noite desde domingo (23), a Mangueira apresentou um desfile sobre a vida de Jesus. Além do enredo, intitulado A Verdade Vos Fará Livre, o grupo levou para a avenida várias pessoas, que interpretaram Cristo. A rainha de bateria da escola, Evelyn Bastos, foi uma das intérpretes de Jesus, bem como o ator Humberto Carrão. O pastor Henrique Vieira esteve na avenida como Cristo em situação de rua. A Comissão de Frente da Mangueira apresentou uma versão contemporânea de Jesus, na qual ele também foi exibido com

Policial diz estar sendo ameaçado após denunciar coronel da PM do Rio

 RENOVA Mídia Imagem: Reprodução/Twitter “Acabo de ser informado que não tenho mais porte de armas, estou no processo de expulsão da PM”, disse Monteiro. Gabriel Monteiro, youtuber e soldado da Polícia Militar do Rio de Janeiro, afirmou, nesta quinta-feira (5), que perdeu o porte de armas e corre sérios riscos de ser expulso da corporação. Os motivos da retaliação, segundo ele, foram as denúncias em suas redes sociais contra coronéis do alto escalão da PM. Em vídeo publicado no YouTube, o soldado declarou: “Pode ser meu último vídeo, e decidi fazer enfrentando ainda mais os Coronéis que desonram a sociedade. Se conseguirão me matar, talvez, mas nunca tocarão na minha dignidade.” Monteiro também divulgou um boletim em que consta uma sindicância aberta contra ele, na Corregedoria da PM do Rio, por transgressão disciplinar de natureza grave. A justificativa usada contra Gabriel é de que ele teria tratado o coronel reformado da PM, Ibis Pereira, de forma desrespeito