Subscribe:

31 de agosto de 2015

'Ministro que analisa contas de Dilma no TCU diz que país não tem rumo'.




Relator do processo que analisa as contas de 2014 da presidente Dilma Rousseff , o ministro do TCU Augusto Nardes disse na manhã desta Sefunda-feira (31) que o Brasil está "sem direcionamento" e usou seu Estado , O Rio grande do Sul para indicar que o mesmo pode ocorrer com o país se o Governo continuar gastando mais do arrecada.
O Ministro disse ainda que deu mais prazo para o governo se defender no processo porque foi comunicado pelo advogado -Geral da União , Luis Adams, que se recusasse , o governo recorreria ao Supremo Tribunal Federal.

"Concedi para evitar que o caso fosse para uma instancia superior."

Consequências dramáticas.

Nardes voltou a afirmar que hoje o TCU questiona o governo sobre questões mais graves do que as pedaladas. Segundo ele o fato de o governo não ter cumprido o que havia programado para contingenciar no ano passado, se não for explicado, terá consequências mais dramáticas para a Presidente Dilma.

Ele explicou que ministros e subordinados podem ser responsabilizados pelas pedaladas , mas o contingenciamento é uma prerrogativa exclusiva da presidente.

O governo havia dito que iria contingenciar, ou seja, não gastar 28 bilhões, mas não o fez.

Uma condenação do TCU é uma das principais apostas da oposição para abrir um processo de impeachment contra a presidente Dilma. Sem entrar no mérito, Nardes afirmou que para conduzir um Governo é preciso ter "credibilidade e confiança". "Daí o ponto de ter contas confiáveis",  emendou.

Folha Politica

Inca tenta acordo para não demitir pessoal contratado por meio de uma fundação Decisão do TCU será discutida hoje com promotores. Instituto pode perder 583 funcionários .



RIO - Uma reunião marcada para esta segunda-feira entre representantes do Instituto Nacional de Câncer (Inca) e do Ministério Público do Trabalho (MPT) tentará chegar a uma solução sobre a crise no órgão. O grupo vai discutir um acordo para prorrogar o prazo de cumprimento de uma decisão do Tribunal de Contas da União (TCU), que, em 2006, determinou a demissão de pessoal contratado indiretamente, por meio de uma fundação. Após cinco adiamentos, se não houver novo entendimento, a partir de terça-feira 583 funcionários ligados à Fundação Ary Frauzino para Pesquisa e Controle do Câncer (FAF) deixarão de atuar no Inca.
Caso isso ocorra, alguns setores da instituição, como o Centro de Transplante de Medula Óssea - onde grande parte da equipe é contratada por meio da fundação -, podem ter o atendimento suspenso.
- Há dois anos, meu filho se trata no Inca contra um câncer na face. Pessoas altamente especializadas cuidam dele. Os funcionários estão preocupados com a saída de tantos profissionais de uma vez - disse Licínia Serafim, de 43 anos.
Na reunião de amanhã, o Inca vai propor estender o prazo de seu contrato com a FAF, de modo que haja tempo hábil para a substituição gradual dos funcionários que sairão por concursados. O concurso, feito em 2014, aprovou 543 pessoas e está na quarta convocação. Os aprovados devem se apresentar até esta segunda-feira.


Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/inca-tenta-acordo-para-nao-demitir-pessoal-contratado-por-meio-de-uma-fundacao-17354593#ixzz3kPYigBwu 
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

Projeto de lei prevê punição a quem falar mal de políticos na internet




A Câmara dos Deputados prepara um projeto de lei que pretende punir quem ofender e difamar políticos na internet. A proposta, elaborada pelo deputado Cláudio Cajado (DEM-BA), também quer responsabilizar criminalmente as redes sociais, portais e provedores que hospedarem os sites e deve ser apresentada em setembro.

De acordo com o relator do projeto, o objetivo é obrigar empresas de internet e provedores a analisarem denúncias de ofensas contra parlamentares e outros usuários. O conteúdo considerado ofensivo deverá ser retirado do ar o mais rápido possível. Se, por exemplo, alguém criar um perfil falso no Facebook que ironize um deputado, tanto o criador da página como a própria rede social poderão seracusados de injúria e difamação, caso a página não saia do ar imediatamente.

"Às vezes, a pessoa faz um 'fake' ofensivo à honra de qualquer pessoa e essas empresas não têm nenhum tipo de controle sobre esses atos criminosos e permitem que eles sejam divulgados. A nossa tese é que quem pratica o crime tem de responder. E quem ajuda a divulgar esse crime tem de ser corresponsável", afirma o deputado.

Segundo ele, a proposta, que pode ser votada nos próximos meses em caráter de urgência, também pode beneficiar o usuário comum, facilitando a identificação de quem promover ódio e a injúria na internet.

Outro projeto de lei, apresentado em junho pelo deputado Silvio Costa (PSC-PE), quer obrigar provedores e sites a coletar dados pessoais de usuários que comentarem em matérias, fóruns e atualizações de redes sociais insitucionais. "Esta vedação [do anonimato na internet] é fundamental para que se possa punir aqueles que, por exemplo, se utilizem da liberdade de expressão para incitar o ódio, para caluniar pessoas ou para fazer apologia ao crime", explica Costa.

Via Congresso em Foco

30 de agosto de 2015

Costa, ex-diretor da Petrobras, diz que o PT "encomendou" assassinato de Celso Daniel e que o partido esta matando a Petrobras; veja o vídeo.


Conforme gravações da força tarefa da Operação lava jato, Paulo Roberto Costa, ex diretor da Petrobras afirma que o PT esta "matando' a Petrobras, empresa que, segundo ele estaria "tecnicamente quebrada". Ademais, Costa diz que o PT teria "encomendado"  a morte de Celso Daniel, inclusive citando o fato de que a ex -mulher do prefeito assassinando é ministra de Dilma, mesmo sem capacitação para o cargo.

Assista o vídeo:

Correio do Poder

O golpe no TSE


O governo está dando um golpe no TSE.


A manobra petista, segundo o Estadão, partiu do ministro Luiz Fux. Ele sugeriu reunir as quatro ações já abertas no tribunal numa única ação e entregá-la a Maria Thereza de Assis Moura, quinta-coluna de Dilma Rousseff dentro do TSE.


Dessa maneira, o governo pode passar por cima de João Otávio de Noronha, relator de duas ações no TSE. O ministro já tomou depoimentos de Alberto Youssef e Paulo Roberto Costa, o delator que teme ser morto pelo PT. Ele também já pediu ao STF uma cópia do depoimento de Ricardo Pessoa, o empreiteiro que confessou o pagamento de 7,5 milhões de reais em pixulecos à campanha de Dilma Rousseff.


Os petistas nunca vão parar de sabotar as instituições.
Fux, o conspirador

O Antagonista


29 de agosto de 2015

Marco Feliciano deixa Amaury Jr. sem resposta quanto a regulamentação de profissionalizar a prostituição


Rô Moreira


Lembrando desta reportagem entre Amaury e Feliciano quando ele ainda era da Comissão de direitos humanos.

O programa Amaury Jr. entrevistou o deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) que explicou as polêmicas em torno de sua indicação, eleição e permanência na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara.

Quando a pergunta é idiota a resposta nem sempre é idiota, mas bem inteligente e desarmar o argumentador. Foi o que fez o Pastor Marcos Feliciano, ao ser abordado  em numa entrevista realizada pelo apresentador Amaury Junior. Sobre a regulamentação da prostituição como profissionais.

Quando o apresentador o criticou tentando o intimidar com uma pergunta tida como polêmica recebeu uma resposta simples e contundente, até porque, tinha fundamentos bíblicos e familiares bem arrojados.

O apresentador se perdeu ao tentar continuar a defesa de sua tese ao dizer que era melhor ordenar do que deixar desandar e a sua desculpa sobre as famílias desprovidas de estrutura seria uma tentativa de sair pela tangente, mas não funcionou, porque o pastor colocou a responsabilidade do estado sobre essa situação o encurralando de vez.
Ainda por cima recebeu uma advertência clara, de que a mídia se coloca no lado dos gay contra a igreja e a família, sempre tentando descredenciar os pastores arguidos nestes constantes embates que temos assistido.

Em resumo: a pergunta foi rasa, mas a resposta foi de uma profundidade tamanha e deveria circular em toda mídia para por fim a algumas distorções que temos presenciados.



27 de agosto de 2015

Ex - Vice presidente da CGADB se casará novamente e revolta evangélicos




Trata-se de uma polêmica que envolve o Ex - 1° Vice presidente 
da CGADB e Presidente Estadual da Assembleia de Deus no Rio 
Grande do Sul, Pr. Ubiratã Batista Job

O Fuxico Gospel recebeu várias denuncias de que este pastor
 estaria envolvido num escândalo, por ter separado de sua esposa, 
que se encontra deficiente física, e estaria se envolvendo com uma
 outra mulher.

A informação deu conta de que, o Pr. José Wellington, todo poderoso
 da "Bléia", teria feito um acordo com a diretoria, para jubilar (Aposentar) 
o pastor Ubiratã, antes que a bomba estourasse definitivamente.

Dessa forma, ele garantiu sua aposentadoria  e viverá até o fim dos 
seus dias, sendo sustentado pela igreja.

Como não bastasse, outra informação da conta de que Ubiratã fez um 
acordo com a esposa, lhe  entregando um apartamento no valor de 
R$500 mil reais, em troca de um divorcio pacifico.

Livre e desimpedido, Ubiratã já marcou a data do novo casamento e se
 você for amigo do novo casal, certamente receberá um convite.

Esta semana, um desabafo nas redes sociais amplificou ainda mais
 a revolta de alguns ministros do evangelho, que não suportam mais 
este tipo de manobra.


Foi o caso de Geremias Couto.

Veja: 














26 de agosto de 2015

“Profeta” repreende John MacArthur por pregar que os dons cessaram



"Profeta" repreende John MacArthur

“Profeta” repreende John MacArthur por pregar que os dons cessaramUm vídeo se tornou viral nos Estados Unidos mostrando mais um pastor famoso sendo repreendido. Mês passado, seis homens foram presos depois de chamar Joel Osteen de “mentiroso”.
Desta vez, um homem natural da Escócia, alegando ser um profeta enviado por Deus, interrompeu o culto da igreja Grace to You, liderada pelo pastor John MacArthur. Seu nome não foi revelado, mas o vídeo mostra que ele traz uma repreensão pelo fato de McArthur defender cessacionismo. Essa doutrina afirma que os dons do Espírito Santo mencionados na Bíblia cessaram com os apóstolos.
McArthur é um grande crítico do movimento pentecostal, tendo escrito livros e pregado continuamente sobre o assunto.
Do púlpito, o pastor ouviu a repreensão em silêncio. Enquanto os seguranças da igreja tiravam o homem da nave, ele continuou a chamar o pregador ao arrependimento.
Em seguida, o pastor MacArthur, respondeu com bom humor, assegurando aos congregantes que a equipe de segurança iria lidar com o intruso com gentileza.
Também ele explicou que, de acordo com 1 Coríntios 14, o espírito está sujeito ao profeta. Logo, se aquele homem fosse um profeta verdadeiro, não teria se comportado daquela maneira. Limitou-se a dizer que aquela era uma “situação triste” e que não era a primeira vez que algo semelhante ocorria.
O incidente acabou virando motivo de piada nas redes sociais, mas tocou num ponto crucial da teologia. Vários teólogos pentecostais criticaram a decisão do “profeta escocês” de se manifestar desta forma, mas insistem que se McArthur estivesse certo as igrejas pentecostais não seriam as que mais crescem no mundo.
Também lembraram que a maioria das igrejas que negam os dons do Espírito Santo na atualidade abraçaram a teologia liberal, que inclui a aceitação da homossexualidade.
Ainda que tenha lidado com o profeta que invadiu o culto com humor e paciência, em seus escritos, MacArthur sempre usou uma forma contundente e até agressiva. Por isso é chamado de divisionista, uma vez que ridiculariza e condena seus irmãos pentecostais. Com informações Charisma News [2]
Assista:



Noticias Gospel

Maioria do TSE vota por manter ação contra Dilma; decisão final é adiada


Em voto, Fux propôs juntar outras ações contra petista no mesmo processo.
PSDB diz que campanha de Dilma recebeu dinheiro de corrupção. PT nega.

Renan RamalhoDo G1, em Brasília

Os ministros Luiz Fux e Henrique Neves, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), se manifestaram nesta terça-feira (25) em favor da continuidade de uma ação apresentada pelo PSDB que pede a impugnação dos mandatos da presidente Dilma Rousseff e do vice Michel Temer.
Com os votos, formou-se maioria de quatro ministros, dentre os sete da Corte, favoráveis ao andamento do processo. O julgamento, no entanto, foi interrompido por um pedido de vista da ministra Luciana Lóssio. A retomada do julgamento, com a decisão final, ainda não tem data para ocorrer.
Em outras sessões, já haviam votado pela continuidade os ministros Gilmar Mendes e João Otávio de Noronha; somente a relatora, Maria Thereza de Assis Moura, votou pelo arquivamento. Além de Lóssio, ainda precisa votar o ministro Dias Toffoli, que preside o TSE.

PSDB fala em eleição 'ilegítima'
O PSDB aponta abuso de poder político, econômico e fraude na campanha do PT do ano passado, o que, segundo os tucanos, tornaria "ilegítima" a eleição de Dilma. A acusação mais grave aponta "financiamento de campanha mediante doações oficiais de empreiteiras contratadas pela Petrobras como parte da distribuição de propinas", suspeita investigada na Operação Lava Jato.

A ação de impugnação do PSDB foiprotocolada em fevereiro e arquivada no mesmo mês pela relatora, ministra Maria Thereza de Assis Moura. O julgamento atual se dá sobre um recurso do PSDB para reverter o arquivamento e manter a ação em andamento.

Após a sessão desta terça, o advogado da campanha de Dilma, Flávio Caetano, disse que a defesa está “absolutamente tranquila” em relação às doações recebidas. “Isso já foi apurado aqui, quando na prestação de contas se falou isso, o TSE disse que as mesmas empresas que doaram para a Dilma, doaram para o Aécio, o dinheiro não tem carimbo”.
PT nega doações ilegais
Desde a deflagração da Operação Lava Jato, o PT afirma em notas oficiais que todas as doações para a campanha de Dilma recebidas pelo partido foram legais e declaradas nas prestações de contas ao TSE.
"O Partido dos Trabalhadores refuta as acusações de que teria realizado operações financeiras ilegais ou participado de qualquer esquema de corrupção. Todas as doações feitas ao PT ocorreram estritamente dentro da legalidade, por intermédio de transferências bancárias, e foram posteriormente declaradas à Justiça Eleitoral", diz nota divulgada no último dia 4.

Pedido para juntar ações
Além de votar pela continuidade da ação, o ministro Luiz Fux propôs que a ação analisada nesta terça, conhecida como Ação de Impugnação de Mandato Eletivo ("Aime"), incorpore outras ações que tramitam no TSE, apresentadas pelo PSDB com fatos e acusações semelhantes, e que também pedem a cassação do mandato de Dilma e Temer.

Na prática, a proposta de Fux de juntar todos os processos levaria a relatoria do caso para a ministra Maria Thereza de Assis Moura, que defende o arquivamento do caso.

O ministro João Otávio de Noronha, que relata outras duas ações contra Dilma mais adiantadas, questionou a proposta.  Ele chegou a sugerir que não seria “do agrado” do governo. “Muito simples, o ministro João Otávio não é de agrado do governo, da presidente Dilma, não é do agrado do vice-presidente. Faz como? Vamos tirar a competência”, se queixou. “Sem essas ilações”, respondeu Fux a Noronha.
Com o pedido de vista da ministra Luciana Lóssio, no entanto, a decisão sobre a junção ou não dos processos ficou pendente de decisão final.

Ação em estágio avançado
A ação que está atualmente em estágio mais avançado – chamada Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) – foi apresentada também pelo PSDB em dezembro do ano passado, no mesmo dia em que Dilma recebeu o diploma que certificou sua vitória nas urnas.
O objetivo da ação é o mesmo: cassar Dilma e o vice-presidente Michel Temer e empossar Aécio Neves e Aloysio Nunes Ferreira, candidatos a presidente e vice na eleição do ano passado. O relator dessa ação é o ministro João Otávio de Noronha.
Esse processo encontra-se em fase mais adiantada por já ter colhido depoimentos do doleiro Alberto Youssef, considerado operador do esquema de corrupção da Petrobras; e do ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa, acusado de desviar recursos de contratos superfaturados.
Noronha já adiantou que pedirá agora acesso à delação premiada do empreiteiro Ricardo Pessoa, outro colaborador da Operação Lava Jato. O objetivo é juntar elementos para o julgamento, previsto para ocorrer ainda neste ano.
Pessoa é considerado o chefe do cartel de construtoras que fraudava licitações na Petrobras mediante pagamento de propina a políticos. Em seu acordo de colaboração com a Justiça, ele afirmou que realizou doações de R$ 7,5 milhões para a campanha de Dilma no ano passado, com a finalidade de não perder contratos com a estatal, segundo reportagem da revista "Veja".

25 de agosto de 2015

`Spurgeon Africano´ vem ao Brasil para a Consciência Cristã.

Conrad Mbewe ministrará em duas plenárias do evento
`Spurgeon Africano´ vem ao Brasil para a Consciência Cristã
O 18º Encontro para a Consciência Cristã acontecerá em Campina Grande (PB) entre os dias 04 e 09 de fevereiro de 2016.
Assim como nas edições anteriores, os organizadores escolheram preletores de várias partes do Brasil e do mundo, comprometidos com o ensino fiel das verdades centrais da fé cristã. Para 2016, 23 palestrantes já foram confirmados – entre eles, o pastor Conrad Mbewe, Zâmbia, considerado por muitos como o “Spurgeon Africano”.
Conrad Mbewe é pastor da Igreja Batista Kabwata em Lusaka, capital de Zâmbia, região centro-sul da África. Ele também é chanceler da African Christian University of Zambia, editor da revista Reformation Zambia e ex-diretor do Reformed Baptist Preachers College, também no país africano. O ministério desenvolvido por Mbewe tem plantado várias igrejas no interior de Zâmbia e em países vizinhos, sempre com ênfase na pregação fiel das Escrituras.
Além disso, o pastor batista desenvolve seu ministério nas áreas da pregação, com uma mensagem cristocêntrica e contundente, e da escrita. É autor do livro “Vida aos Mortos”, lançado no Brasil pelo projeto Os Puritanos, e um dos co-autores do livro “Amado Timóteo”, da Editora Fiel.
Conrad Mbewe ministrará em duas plenárias da 18ª Consciência Cristã, que acontecerá no Complexo do Parque do Povo, maior praça de eventos de Campina Grande.
Além dele, também estão confirmados os nomes de Augustus Nicodemus, Russell Shedd, Hernandes Dias Lopes, Jonas Madureira, Heber Campos Jr., Solano Portela, Geremias Couto, Ciro Sanches Zibordi, Sillas Campos e Franklin Ferreira, entre outros. Os grupos Vencedores por Cristo e Sal da Terra farão participações musicais durante as plenárias do evento.
A participação nas palestras do 18º Encontro para a Consciência Cristã é gratuita, mas depende de inscrição prévia, que pode ser feita no site:www.conscienciacrista.org.br.

Vi na CPAD NEWS

A verdade sobre o salário do juiz Sergio Moro

A rede social montada pelo petismo e seus assemelhados na internet tem feito um esforço comovente para atingir o juiz Sergio Moro. Primeiro tentou associá-lo ao PSDB. Não vingou. Depois, que ele é seletivo e obedece a influências pessoais que o levariam a proteger alguns dos investigados da Lava Jato. Também não colou. Moro é conhecido por não misturar assuntos pessoais com os da Justiça. Por último, tentaram passar a informação de que seu salário mensal é de R$ 77 mil, quantia que irrita qualquer cidadão que luta para equilibrar as finanças domésticas com salários comuns. Pois, bem, mais uma vez a mentira tem perna curta. O salário do juiz Sergio Morono exposto no site do TRF4 é de R$ 28.947,55.
A moçada que se profissionalizou no ofício da detratação tomou o mês em que o salário de Moro foi acrescido de R$ 5.176,73 de indenizações de valores que ele tirou do próprio bolso para pagar despesas do judiciário, mais R$ 43.299,38 de adiantamento constitucional de 1/3 + férias, e outros benefícios garantidos em lei. Mês excepcional que a maledicência transformou em regra.
Agora a pergunta necessária: o salário do juiz Sergio Moro condiciona ou interefere na qualidade de sua atuação como juiz?


24 de agosto de 2015

Pastor citado em denúncia de Cunha já criticou políticos

Abner-Ferreira
Marco Antônio Martins e Luíza Franco, na Folha de S.Paulo
Em maio de 2014, durante um congresso de missionários em Santa Catarina, o pastor Abner Ferreira, 51, criticou políticos em busca de votos na campanha eleitoral. “Aqui não se vende milagre, nem prodígio e nem maravilha. Homem de Deus não aceita dinheiro sujo”, disse o líder da Assembleia de Deus.
Nesta quinta (20), o nome do pastor apareceu na denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Ele é o dirigente da Assembleia de Deus, em Madureira, zona norte do Rio, local frequentado por Cunha.
Junto com o irmão, Samuel, dividem o controle da Assembleia de Deus no Brasil. São filhos do bispo Manoel Ferreira, presidente vitalício da Convenção Nacional das Assembleias de Deus no Brasil (Conamad), que direciona o rumo da igreja no país.
De acordo com a denúncia de Rodrigo Janot, Fernando Soares, operador do PMDB, indicou o empresário e agora colaborador Julio Camargo a realizar pagamentos na forma de doações à igreja.
A denúncia contra o deputado indica que houve dois depósitos nas contas da igreja no valor de R$ 125 mil em 31 de agosto de 2012.
Para o procurador-geral, não há dúvidas de que as transferências foram feitas por indicação de Eduardo Cunha. Essas doações, segundo Rodrigo Janot, teriam sido uma maneira utilizada para lavar dinheiro.
ASSEMBLEIA DE DEUS
O Censo de 2010 aponta a Assembleia de Deus como a igreja que mais cresce no Brasil. Dos 42 milhões de evangélicos no país, 12 milhões seriam fiéis da assembleia.
Atualmente, dos 37 deputados federais reeleitos da bancada evangélica, 19 são da Assembleia de Deus.
As assembleias estão organizadas de uma forma em que cada ministério é constituído pela igreja-sede. No caso, o Ministério de Madureira é a principal unidade no Rio com 90 mil filiados.
No prédio tombado na zona norte do Rio, Cunha já recebeu políticos de diferentes partidos como o candidato à presidência, pastor Everaldo Pereira (PSC) e o deputado Arolde de Oliveira (PSD).
Com três torres altas iluminadas, o prédio da igreja,de acordo com funcionários do local, é tombado pela Prefeitura do Rio e tem capacidade para cerca de 2.000 fiéis.
As dezenas de funcionários trabalham em um prédio anexo ao lado da igreja. É lá também que fica o escritório de Abner Ferreira. Os irmãos Ferreira foram procurados durante toda a sexta-feira (21) pela Folha, mas não atenderam às ligações.

Fonte

23 de agosto de 2015

Uma breve resposta à doutrina arminiana da graça preveniente

.


Por John Hendryx


O termo “graça preveniente” — uma doutrina distintamente arminiana — se refere a uma graça universal que precede e possibilita as primeiras agitações de uma boa vontade ou inclinação em direção a Deus e ela explica a extensão ou grau para o qual o espírito santo influencia uma pessoa anterior a sua vinda à fé em Cristo. O arminiano, junto com o calvinista, afirma a inabilidade moral humana e o total desamparo do homem natural em questões espirituais e a absoluta necessidade pela sobrenatural graça preveniente se houver qualquer resposta certa ao evangelho. Como os calvinistas, os arminianos concordam que, à parte de um ato da graça da parte de Deus, ninguém voluntariamente viria a Cristo. Este ponto é importante distinguir de modo a não confundir o arminianismo clássico com fineyismo ou semi-pelagianismo, que ambos rejeitam a necessidade da graça preveniente. Então a redenção de Cristo é universal num sentido provisório, mas condicional quanto à sua aplicação a qualquer indivíduo, isto é, aqueles que não resistem à graça oferecida a eles através da cruz e do evangelho. A graça preveniente, de acordo com os arminianos, chama (exteriormente), ilumina e capacita antes da conversão e faz a conversão e a fé possíveis. Enquanto os calvinistas creem que o chamado interior ao eleito é irrevogável e efetivamente traz os pecadores a fé em Cristo, o arminiano, por outro lado entende a graça de Deus como finalmente resistível. Em resumo, eles afirmam que a graça preveniente, que é dada a todos os homens em algum ponto em suas vidas, temporariamente traz o pecador para fora da sua condição de depravação total e o coloca em um estado neutro de livre-arbítrio em que o homem natural pode aceitar ou rejeitar a Cristo.

A graça preveniente definida como se segue pela “ordem de salvação de Wesley”:

“Os seres humanos são totalmente incapazes de responder a Deus sem Deus primeiro capacitá-los a ter fé. Esta capacitação é conhecida como graça preveniente. A graça preveniente não nos salva, mas, em vez disso, vem antes de qualquer coisa que nós fazemos, nos atraindo para Deus, nos fazendo QUERER ir a Deus, e nos capacitando a ter fé em Deus. A graça preveniente é universal, tanto quantos todos os homens a recebem, independente deles terem ouvido falar de Jesus. Ela é manifestada no desejo estável da maioria dos humanos conhecer a Deus.”

Portanto, em resposta a afirmação ortodoxa de que a geração de fé dos pecadores por si mesma implica mérito, o arminiano frequentemente responderá afirmando que a vontade humana, socorrida pela graça preveniente, é livre, mesmo em aceitar a graça do perdão; embora esta aceitação não seja mais meritória do que a aceitação de um mendigo de uma fortuna oferecida, ainda é aceita livremente, e com o poder de rejeição, nenhuma é menos graça por isso. Em outras palavras, cada pecador determina por si mesmo, se será salvo ou não, e assim determina sua própria eleição baseado em se ele responde ou não positivamente ao evangelho oferecido a ele por Deus enquanto sob à influência da graça preveniente. O arminiano argumenta que qualquer outra coisa seria injustiça de Deus.

Resposta:

Enquanto o exemplo do mendigo pode soar razoável à primeira vista, eu proponho olhar mais atentamente nestes conceitos. Quais são as semelhanças e diferenças da teologia arminiana com a ortodoxia sobre o conceito de graça salvadora?

Similaridades arminianas com a teologia reformada:

(1) Todos os homens precisam ser salvos da ira de Deus através da obra expiatória de Cristo.

(2) Ambos reformados e arminianos creem que, sem a graça de Deus o homem é totalmente incapaz de responder ao evangelho. Ambas as posições estão em total acordo.

As diferenças arminianas com a teologia reformada está em seu entendimento do significado da graça:

Vamos observar pelo menos três formas nas quais a graça preveniente difere agudamente do ponto de vista monergista:

(1) A doutrina arminiana da graça preveniente é exaustivamente universal; significando que ela é estendida a todas as pessoas independente de se elas ouviram o evangelho ou não. Isto parece estar em contradição direta com a Bíblia, por exemplo, a pergunta do apóstolo: “e como crerão naquele de quem não ouviram falar?” e “... a fé vem pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus” (Rm 10.14,17). Esta visão, então, afirma (ou pelo menos abre espaço) a ideia de que o evangelho não é cognitivamente necessário para alguém ser salvo. Apesar do caso esmagador feito por Paulo contra os gentios em Romanos 1-3, alguns arminianos acreditam que se uma pessoa é temente a Deus, isto é, responde crendo à gradação de salvação feita a eles, então Deus aceitará aquela fé e a imputará a eles como justiça, se tiverem ou não ouvido o evangelho. Isto é puramente especulativo e não derivado da revelação.

(2) A graça preveniente não é eficaz, mas em vez disso torna o pecador “neutro”— capaz de decidir por si mesmo se ele aceitará ou rejeitará a Cristo. Primeiro, desde que nós devemos sempre ir às Escrituras como nossa autoridade em questões de fé (especialmente questões desta magnitude) nós devemos seriamente inquirir se há alguma evidência bíblica qualquer que seja a fundamentar o dogma arminiano de que há um estado de ser que Deus coloca pecadores em que nem é regenerado nem não-regenerado, um estado intermediário que nem é corrupto nem bom. É imperativo que este “estado” seja fundamentado biblicamente, não meramente por especulação sozinha ou necessidade lógica. Onde a Bíblia diz que quando Deus dá graça às pessoas elas se tornam parcialmente regeneradas, mas não totalmente regeneradas?

Assumindo por causa do argumento que tal estado foi mostrado que existe, mais questões rapidamente surgem. Se, como resultado da graça preveniente, nossos desejos são repentinamente “neutros”, o que, então, causa um homem escolher um caminho ou outro? Aos olhos de Jesus, as decisões e atos de uma pessoa são inevitavelmente determinados por sua condição interior, “uma árvore boa dá bons frutos, uma árvore má dá maus frutos,” pensar o contrário é impossível. O que então de uma árvore que nem é boa nem má, o que determina seu fruto? Você simplesmente não pode ter uma vontade que é indisposta e simplesmente crê ou rejeita a Cristo por acaso. Argumentar isto implicaria que Deus elege seu povo com base na escolha casual destas pessoas. Pelo contrário, as pessoas creem em Cristo porque elas veem o terrível estado do pecado delas, da grande necessidade de um salvador e a beleza, verdade e excelência do evangelho de Cristo. Apenas os homens espirituais regenerados podem entender e ver a bondade no evangelho (1 Co 2.14), uma suposição impossível para alguém com um coração não renovado. Um homem cego não pode ver a menos que seus olhos sejam abertos. Do mesmo modo, aqueles cegos espiritualmente só podem ver se eles forem curados, e quando eles são curados, eles veem. É bíblico e evidente por si mesmo que nós sempre escolhemos algo baseado no que nós somos por natureza— uma macieira nunca produzirá uvas.

Além disso, nós deveríamos observar que Jesus nos conta muitas vezes na escritura por que alguns não creem. “Vocês não creem porque não são das minhas ovelhas” (João 10). A ordem aqui é de grande importância. Jesus não diz: “Vocês não são minha ovelhas porque não creem”, fazendo desse modo a fé uma condição de se tornar uma ovelha. Antes, ele diz o contrário, “Vocês não creem porque não são das minhas ovelhas.” Crer, portanto, longe de ser uma condição, é o sinal (ou fruto) de que alguém é já uma ovelha. Assim também, Jesus falando para alguns dos judeus disse, “Quem é de Deus ouve as palavras de Deus. A razão pela qual vocês não as ouvem é que vocês não são de Deus.” A natureza da pessoa determina a escolha que ele faz. E quem exatamente é de Deus? Jesus responde claramente em sua oração ao pai em João 17.9 quando ele diz “Eu rogo por eles. Eu não rogo pelo mundo, mas por aqueles a quem tu me deste, pois são teus.” O pai separou certas pessoas para ele mesmo e, em sua oração aqui, Jesus é visto apenas por orar por eles, enquanto simultaneamente excluindo outros que não foram “dados” a ele.

Ironicamente, o arminiano acredita no compatibilismo anterior à graça preveniente... Significando que o homem faz escolhas morais necessárias baseadas na sua natureza. Ainda que, após a graça preveniente, ele creia que o homem é libertado da natureza (sem ser dada uma nova), contudo nenhuma evidência bíblica é dada para mostrar a fonte desta doutrina. Em outras palavras, antes da graça de Deus, o arminiano vê assim como o calvinista a impotência da vontade humana, mas quando a graça vem ele muda de repente por especular que o homem agora não escolhe de acordo com a natureza (como antes) mas agora é concedido um livre-arbítrio libertariano, isto é, aquele homem pode escolher o contrário independente de quem ele é por natureza. Intrigante, desde que a Bíblia nenhuma vez dá um fragmento de evidência, de que é dado às pessoas um livre-arbítrio libertariano temporário. Em vez disso, retornando novamente às palavras de Jesus, nós ouvimos, “Ou fazei a árvore boa, e o seu fruto bom; ou fazei a árvore má, e o seu fruto mau” (Mt 12.33). A doutrina arminiana da graça preveniente, portanto parece ter sua origem na ideia de que Deus deve ser “justo”. Os arminianos logicamente concluem que desde que Deus é bom, ele deve tratar aqueles opostos a/e em rebelião contra ele com absoluta equidade. A fim de preservar esta definição de “justiça”, o arminiano declara que Deus deve dar a todas as pessoas uma oportunidade igual. Porém, Deus não é obrigado a dar aos filhos do diabo (Jo 8.44) nenhuma oportunidade se ele não quiser. Deus teria sido perfeitamente justo em fazer ao homem o que ele fez aos anjos caídos, por quem ele não morreu. E se Deus poderia justamente deixar toda humanidade ir para o inferno (todos nós concordamos) então por que seria injustiça da parte de Deus perdoar as dívidas de alguns, rejeitando os outros? Jesus não conta a parábola do proprietário que termina dizendo “Não tenho eu o direito de fazer o que eu quiser com o meu próprio dinheiro? Ou vocês são invejosos porque eu sou generoso?(Mt 20.15).

E apesar de tudo, se este é o caso, então por que Deus ficaria contente com uma escolha de uma pessoa que é indiferente acerca da escolha, alguém que não ama o objeto de sua escolha? Se o motivo para crer que o evangelho é indiferente, então é o ato... Se nós não desejamos Deus, a escolha ou é impossível ou é por mero acaso.

Novamente, a Bíblia nunca ensina de uma maneira clara e aberta o conceito de graça preveniente. A resposta acima é, portanto, para apresentar o absurdo dessa insustentável crença. Os arminianos desajeitadamente forçam isto na escritura a fim de sustentar seu sistema. Só isso deveria nos levar a rejeitá-lo. A razão pura nunca deveria ser a base de nossas concepções teológicas, especialmente uma de tamanha importância.

(3) Os arminianos sustentam que enquanto não regenerados, alguns podem e melhorarão naquela graça. Em outras palavras, a graça preveniente de Deus toma parte de nós do caminho para a salvação (nos faz parcialmente regenerados), mas a vontade do homem (ou natureza) faz o resto (ou completa). Dado fosse esse o caso, se todos os seres humanos tem esta graça preveniente em algum ponto em suas vidas, considere, se duas pessoas ouvem o mesmo evangelho, por que um homem crê e não o outro? O que faz que eles difiram? Obviamente foi algo na natureza que fez a diferença, não a graça. Disto nós suspeitamos que não foi a graça preveniente que fez estas duas pessoas diferirem um do outro, mas, algo no homem que fez uso da graça preveniente que os fez divergir. Simplificando, se nós desejamos crer em Cristo, de onde veio este bom desejo? Da graça ou da natureza? O arminiano pode dizer “graça”. Se for assim, por que alguém que o rejeitou também tem essa grande graça? Desde que graça não é em última análise o que separa os dois homens, deve ser algo mais. Em outras palavras, um homem de alguma maneira teve a habilidade natural ou inata para criar um pensamento correto, gerar um afeto correto, ou originar uma volição correta em direção a Cristo. E se estes pensamentos foram por si mesmos autônomos e independentes desta graça preveniente que levaram a sua salvação, brotando do coração do homem natural, então esta é uma doutrina bastante incômoda. Isto nos leva a perguntar, por que alguns homens fazem uso da graça preveniente e outros não? O arminiano, portanto, ainda vê a graça de Deus como apenas uma penúltima causa da salvação enquanto a fé dos pecadores é que é a final, a sine qua non de sua salvação. Isto pode, portanto, ser demonstrado que a graça preveniente arminiana não ensina a salvação pela graça apenas, mas a salvação pela graça mais a natureza. Então se Deus estende ou não a graça preveniente você ainda tem o mesmo resultado: um homem da sua vontade não-regenerada gerá fé, outro homem da sua vontade não-regenerada não gera fé e rejeita a Cristo. Um tem uma submissão natural faltando no outro? Não é a submissão por si mesma um dom da graça? O apóstolo diz, “E que tens tu que não tenhas recebido?” (1 Co 4.7) e, “Mas pela graça de Deus sou o que sou” (1 Co 15.10). No caso de crer no evangelho, uma pessoa está fazendo uma escolha moralmente boa e o outro uma escolha moralmente má. Na verdade, qualquer forma de olhar a graça preveniente resume-se ao princípio interno do mérito de uma pessoa que no final das contas o faz diferir dos outros. Isto então leva a se gabarem de que são diferentes dos outros que não têm fé. Mas novamente, ainda mais importante, a graça preveniente não tem suporte bíblico e isto é o que faz a posição insustentável. Os arminianos estão fazendo a assistência da graça depender da humildade ou obediência dos homens e não concordam que é pelo dom eficaz da graça por si mesmo que nós somos obedientes e humildes. Eu suponho que os arminianos acreditam que alguns mendigos são mais iguais que os outros.

No final, o problema com a graça preveniente arminiana é que ela é dirigida pela lógica humana sozinha e racionalidade em vez das Escrituras. As Escrituras testificam que os homens sem o espírito não podem entender as coisas de Deus (1 Co 2.14). Mesmo com a graça preveniente teoricamente colocando a humanidade em uma posição neutra, nós ainda careceríamos do espírito vivificante para nos dar o que nós precisamos. Como é então que o homem natural pode entender ou desejar Deus independente de tal graça vivificante e renovadora? Um homem cego pode ver antes de seus olhos serem abertos? Um homem com um coração de pedra ama e deseja Deus antes do seu coração ser feito carne? Como pode um boi desejar carne para comer... A água pode subir acima da sua fonte? Nós acreditamos que a salvação é do Senhor do início ao fim. Ele merece toda a glória. Enquanto nós éramos ainda perdidos Cristo morreu por nós e sua morte comprou tudo o que nós precisamos para ser salvos, incluindo nossa regeneração. Para um homem não regenerado, nunca desejaria as coisas de Deus. Se a graça de Deus não nos salva então o homem em última análise decide baseado em algum princípio interno, bom ou mau.

Finalmente, eu quero deixar claro que eu não estou aqui tentando mostrar que os arminianos não são salvos. Pelo contrário, eu escrevo isto na esperança de que isto sensibilizará da inconsistência entre os nossos irmãos arminianos. É verdade que Deus frequentemente nos salva apesar de nossa má ou inconsistente teologia, ou então a graça não seria graça. Na verdade, ele salvou todos nós apesar de nós mesmos e nossas visões incorretas. Se nós sabemos ou entendemos qualquer coisa é porque Deus escolheu revelá-la para nós (Mt 16.17). Mas nós devemos esclarecer que a teologia arminiana não é ortodoxa em suas visões da graça, desde que ela não tem suporte bíblico do qual falar. (Obviamente uma destas posições pode ser verdade, então uma ou outra é ortodoxa). Mas sua inconsistência é tal que eu acredito que a maioria são crentes sinceros. Por exemplo, aquilo que o arminiano afirma junto conosco, que eles justamente merecem a ira de Deus, salvo pela misericórdia de Jesus Cristo apenas, significa que talvez nós precisamos dar a eles algum amparo. Mas nós nunca deveríamos afrouxar ou se cansar de desafiá-los a verem o problema profundo em sua teologia da graça, desde que Deus tem esclarecido abundantemente que ele nos salva pela graça apenas. 

Considere: ao grau que nós pensamos pensamentos errados sobre Deus e como ele nos salva, àquele mesmo grau nós somos culpados da idolatria, e nisto Deus não se agrada. Então nós devemos declarar tal visão da graça ineficaz ser errada, mas ao mesmo tempo, vê-la como uma batalha acontecendo dentro do campo. É sério o suficiente justificar um debate feroz que pode continuar até o fim da era porque a ideia da graça preveniente é realmente apenas em menor grau o mesmo erro como o semi-pelagianismo (isto é, sinergista; que a fé é produzida por nossa natureza humana não-regenerada) e ainda dá ao homem tanta esperança nele mesmo e em suas próprias habilidades naturais. Do crente verdadeiro, Paulo diz que eles adoram em Espírito, glória em Cristo Jesus apenas e não tem confiança na carne (Fl 3:3).

Minha oração pela igreja universal é que todos nós estejamos em unidade da verdade como Deus tem revelado para nós e que a teologia que desonra a Deus, de onde quer que ela possa vir, seja pisoteada.

***
Fonte: Monergism
Tradução: Francisco Alison Silva Aquino
Divulgação: Bereianos
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...